1 Bambu - Cap Ibracon
29 pág.

1 Bambu - Cap Ibracon


DisciplinaMateriais de Construção Civil II484 materiais9.879 seguidores
Pré-visualização8 páginas
90
120
150
1 11 21 31 41 51 61 71
Número de internó
D
iâ
m
et
ro
 
Ex
te
rn
o 
(m
m
) .
 
Figura 19 - Variação da espessura da parede e do diâmetro externo ao longo do colmo. 
s Matake 
\u2217\u2217\u2217\u2217 Mosó 
 G. angustifolia (SP) 
u D.giganteus 
giganteus
o G. tagoara 
\u25ca\u25ca\u25ca\u25ca G. angustifolia 
(JB) 
0
5
10
15
20
25
30
1 11 21 31 41 51 61
Internó
Es
pe
ss
u
ra
:t 
(m
m
)
G. tagoara G. angustif.(SP) Mosó
Matake D. giganteus G. angustif. (JB)
Instituto Brasileiro do Concreto 
Livro Materiais de Construção Civil 16 
 
 
Observa-se que ocorrem diferenças entre colmos da mesma espécie, porém 
desenvolvidos em locais diferentes. Exemplo disso é o Guadua angustifolia de São Paulo 
e o do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, os quais apresentam diferenças de valores no 
comprimento internodal, espessura da parede e diâmetro externo. Essa diferença pode 
ocorrer em função da diferença de clima, vegetação, relevo e solo em ambos os Estados 
onde essas espécies são cultivadas. 
Baseados nos dados obtidos, foi feita uma análise de regressão do comportamento 
normal da distribuição da espessura da parede e do diâmetro externo, em função da 
distância z em relação à base do colmo, definindo-se uma equação matemática para 
determinar o diâmetro externo (D) e a espessura da parede (t) para cada espécie de 
bambu estudada. As equações estão apresentadas nos Quadros 1 e 2, e as curvas do 
diâmetro externo e da espessura em função do comprimento do colmo, com suas 
respectivas linhas de tendência, podem ser vistas nas Figuras 20 e 21. 
 
Quadro 1 - Equações matemáticas que determinam a espessura da parede em função da 
distância z da base. 
 
Espécie de Bambu Equação da espessura t = f(z) 
Phyllostachys heterocycla pubescens-Mosó 75,22z607,3z297,0z0092,0t 23 +\u2212+\u2212=
 
Phyllostachys bambusoides-Matake 44,17z341,1z056,0z0014,0t 23 +\u2212+\u2212=
 
Dendrocalamus giganteus 303,15z872,0z013,0z103t 235 +\u2212+×\u2212=
 
Guadua angustifólia (SP) ( ) 475,16zln832,3t +\u2212=
 
Guadua angustifólia (JB) 2257,0z93,15t \u2212=
 
Guadua tagoara 
 
96,22z348,1z030,0z0002,0t 23 +\u2212+\u2212=
 
 
 
Quadro 2 - Equações matemáticas que determinam o diâmetro externo em função da distância z 
da base. 
Espécie de Bambu Equação do diâmetro D = f(z) 
Phyllostachys heterocycla pubescens-Mosó 
 
95,118z061,5z0475,0D 2 +\u2212\u2212=
 
Phyllostachys bambusoides-Matake 
 
4,114z072,1z193,0D 2 +\u2212\u2212=
 
Dendrocalamus giganteus 19,130z176,3z169,0z019,0D 23 +\u2212+\u2212=
 
Guadua angustifólia (SP) 
63,87
z425,7z308,1z041,0z0004,0D 234
+
+\u2212+\u2212=
 
Guadua angustifólia (RJ) 62,142z596,4z0654,0D 2 \u2212\u2212\u2212=
 
Guadua tagoara 
 
96,108z944,1z137,0D 2 +\u2212\u2212=
 
 
 
Instituto Brasileiro do Concreto 
Livro Materiais de Construção Civil 17 
 
 
0
5
10
15
20
25
30
0 2 4 6 8 10 12 14 16 18
z(m)
Es
pe
ss
u
ra
 
da
 
pa
re
de
:t(m
m
) .
 
0
5
10
15
20
25
30
0 2 4 6 8 10 12 14 16 18 20
zL(m)
Es
pe
ss
u
ra
 
da
 
pa
re
de
:t(
m
m
) .
 
 
 (a) - medidas (b) - Análise de regressão 
Figura 20 - Espessura das paredes em função da distância z em relação à base. 
 
0
30
60
90
120
150
0 2 4 6 8 10 12 14 16 18 20 22
z (m) 
D
iâ
m
e
tro
 
Ex
te
rn
o
:D
(m
m
) .
 
0
20
40
60
80
100
120
140
160
0 2 4 6 8 10 12 14 16 18 20 22
z(m) 
Di
âm
et
ro
 
Ex
te
rn
o:
 
D(
m
m
) .
 
 (a) medidos (b) análise de regressão 
Figura 21 - Diâmetros externos em função da distância z em relação à base. 
 
 O Quadro 3 indica os valores do comprimento do colmo, do comprimento 
internodal, do diâmetro externo e da espessura da parede dos bambus estudados. Os 
colmos foram divididos em três partes mais ou menos iguais: base, intermediária e topo. 
Está indicado o valor médio em cada parte e no colmo total. Nota-se uma variação 
significativa das propriedades físicas com a espécie. 
 
 Note-se que o bambu da espécie Dendrocalamus giganteus (Figura 22a) tem altura 
média do colmo de 22,3 m. No entanto, há exemplares em que ela chega até a suplantar 
os 30 m. Já o diâmetro, no terço inferior do colmo, é superior a 10 cm. Este é um valor 
médio, pois ele pode superar os 15 cm. A espessura da parede pode chegar 1,5 cm. Os 
colmos são bem lineares, tornando-os elementos construtivos tubulares de grande 
potencial. 
 
 Os bambus Guadua (Figura 22b) também apresentam colmos retos e propriedades 
muito boas para a construção. Já aqueles da espécie Vulgaris têm alguns inconvenientes, 
como a falta de linearidade dos colmos e alta suscetibilidade ao ataque dos insetos e 
mesmo menor resistência mecânica. 
Instituto Brasileiro do Concreto 
Livro Materiais de Construção Civil 18 
 
 
 
 a b 
Figura 22 \u2013 Colmos de Dendrocalamus giganteus (Areia, PB) e de Guadua (Colômbia). 
 
 Quadro 3 - Propriedades físicas de bambus estudados na PUC-Rio 
Espécie L (m) Comp. Internodal (m) Diâmetro externo (cm) Espess. da parede (mm) 
base inter topo média base inter topo média base inter topo média 
Bambusa 
multiplex 
(verde - RJ) 
3,0 - - - 0,45 2,5 - 1,5 2,0 4,0 - 3,0 3,5 
Bambusa 
multiplex 
(verde 
esmeralda-
RJ) 
7,5 - - - 0,45 3,5 - 2,75 3,12 4,5 - 3,25 3,5 
Bambusa 
tuldoide (RJ) 8,0 - - - 0,4 3,75 - 2,5 3,5 7,0 - 4,5 5,5 
Guadua 
suberba (RJ) 9,0 - - - 0,4 11,0 - 7,15 9,0 9,5 - 6,5 7,5 
Bambusa 
vulgaris 10,0 - - - 0,33 7,5 - 5,8 6,95 10,0 - 5,5 7,5 
Bambusa 
vulgaris 
Schard (RJ) 
13,0 - - - 0,34 8,0 - 6,0 7,33 9,66 - 8,33 8,83 
Dendrocalam
us giganteus 
(RJ, PB) 
22,3 0,49 0,54 0,41 0,47 13,4 11,0 7,50 10,68 14,4 9,66 6,59 10,22 
Mosó (SP) 
 
15,7 0,22 0,38 0,29 0,39 10,7 7,52 4,10 7,86 17,0 8,79 5,33 11,17 
Matake (SP) 
 
20,5 0,34 0,48 0,26 0,33 10,8 7,94 3,01 7,02 14,5 7,66 3,83 8,93 
Guadua 
angustifolia 
(méd.RJ,SP) 
18,2 0,23 0,32 0,29 0,27 11,3 8,58 4,30 8,51 15,5 10,1 8,23 11,53 
Guadua 
tagoara (SP) 15,2 0,32 0,42 0,34 0,34 10,3 8,57 6,19 8,37 19,3 14,7 9,87 14,74 
 
Instituto Brasileiro do Concreto 
Livro Materiais de Construção Civil 19 
 
 
4.2 Absorção de água 
 
 Sendo um material vegetal, o bambu absorve água com facilidade se em contato 
com ela. Pode-se reduzir a absorção através de tratamentos superficiais. O Quadro 4, 
obtido na Universidade Federal da Paraíba, mostra os resultados da absorção de água 
de bambus de duas espécies, após os corpos-de-prova terem sido secos em estufa. Vê-
se que, mesmo após três dias de imersão, o material continua a absorver água, e aos 
quatro dias a absorção chega a mais de 30%. Também se nota que a espécie Bambusa 
vulgaris absorve mais que a Dendrocalamus giganteus. 
 
Para reduzir absorção, foram testados produtos à base de petróleo (asfalto, piche, 
impermeabilizantes industriais). Ainda, no Quadro 4, podem-se perceber as diferentes 
performances para os tratamentos. Consegue-se diminuir
Pires
Pires fez um comentário
essa forma de interacção e troca de obras é muito útil na carreira estudantil
0 aprovações
Carregar mais