ATIVIDADE ESTRUTRADA DE MATEMATICA FINANCEIRA
14 pág.

ATIVIDADE ESTRUTRADA DE MATEMATICA FINANCEIRA


DisciplinaErgonomia, Higiene e Segurança do Trabalho2.084 materiais19.872 seguidores
Pré-visualização5 páginas
os valores com um 
ourives, pessoa que negociava objetos de ouro e prata. Este, como garantia, 
entregava um recibo. Com o tempo, esses recibos passaram a ser utilizados 
para efetuar pagamentos, circulando de mão em mão e dando origem à moeda 
de papel. 
No Brasil, os primeiros bilhetes de banco, precursores das cédulas atuais, 
foram lançados pelo Banco do Brasil, em 1810. Tinham seu valor preenchido à 
mão, tal como, hoje, fazemos com os cheques. 
Com o tempo, da mesma forma ocorrida com as moedas, os governos 
passaram a conduzir a emissão de cédulas, controlando as falsificações e 
garantindo o poder de pagamento. 
Atualmente quase todos os países possuem seus bancos centrais, 
encarregados das emissões de cédulas e moedas. 
A moeda de papel evoluiu quanto à técnica utilizada na sua impressão. Hoje a 
confecção de cédulas utiliza papel especialmente preparado e diversos 
processos de impressão que se complementam, dando ao produto final grande 
margem de segurança e condições de durabilidade. 
 
 
Formatos Diversos 
 
O dinheiro variou muito, em seu aspecto físico, ao longo dos séculos. 
As moedas já se apresentaram em tamanhos ínfimos, como ostater, que 
circulou em Aradus, Fenícia, atingindo também grandes dimensões como as 
do dáler, peça de cobre na Suécia, no século XVII. 
Embora, hoje, a forma circular seja adotada em quase todo o mundo, já 
existiram moedas ovais, quadradas, poligonais etc. Foram, também, cunhadas 
em materiais não metálicos diversos, como madeira, couro e até porcelana. 
Moedas de porcelana circularam na Alemanha, quando, por causa da guerra, 
este país enfrentava grave crise econômica. 
As cédulas, geralmente, se apresentam no formato retangular e no sentido 
horizontal, observando-se, no entanto, grande variedade de tamanhos. 
Existem, ainda, cédulas quadradas e até as que têm suas inscrições no sentido 
vertical. 
As cédulas retratam a cultura do país emissor e nelas podem-se observar 
motivos característicos muito interessantes como paisagens, tipos humanos, 
fauna e flora, monumentos de arquitetura antiga e contemporânea, líderes 
políticos, cenas históricas etc. 
As cédulas apresentam, ainda, inscrições, geralmente na língua oficial do país, 
embora em muitas delas se encontre, também, as mesmas inscrições em 
outros idiomas. Essas inscrições, quase sempre em inglês, visam a dar à peça 
leitura para maior número de pessoas. 
 
Sistema Monetário 
 
O conjunto de cédulas e moedas utilizadas por um país forma o seu sistema 
monetário. Este sistema, regulado através de legislação própria, é organizado a 
partir de um valor que lhe serve de base e que é sua unidade monetária. 
Atualmente, quase todos os países utilizam o sistema monetário de base 
centesimal, no qual a moeda divisionária da unidade representa um centésimo 
de seu valor. 
Normalmente os valores mais altos são expressos em cédulas e os valores 
menores em moedas. Atualmente a tendência mundial é no sentido de se 
suprirem as despesas diárias com moedas. As ligas metálicas modernas 
proporcionam às moedas durabilidade muito superior à das cédulas, tornando-
as mais apropriadas à intensa rotatividade do dinheiro de troco. 
Os países, através de seus bancos centrais, controlam e garantem as 
emissões de dinheiro. O conjunto de moedas e cédulas em circulação, 
chamado meio circulante, é constantemente renovado através de processo de 
saneamento, que consiste na substituição das cédulas gastas e rasgadas. 
Moeda Bancária - cheques 
A moeda bancária ou moeda escritural consiste nos depósitos à vista 
existentes nos bancos ou outras instituições creditícias, normalmente 
movimentados por intermédio de cheques, representando estes um 
instrumento de circulação da moeda bancária. 
Os cheques são: 
 
\uf0b7 Originados em entrega de dinheiro pelo cliente (depósito originário); 
\uf0b7 Originados em operação de créditos (depósitos contábeis). 
No caso dos depósitos feitos por clientes, os bancos fornecem cheques em 
branco que podem ser preenchidos à vontade do depositante, até completar a 
quantia creditada. 
No caso da moeda bancária, ocorre o mesmo processo utilizado na moeda-
papel conversível. Permanecendo parte dos depósitos sem movimento, os 
bancos emprestam certa importância que vai de 75 a 93% dos depósitos, 
ficando a outra parte como encaixe, variando sua porcentagem conforme a 
legislação bancária de cada país. Há uma proporção entre depósitos, o encaixe 
e os empréstimos. 
Enquanto os franceses atribuem a origem da palavra cheque ao vocábulo 
inglês to check - "verificar", "conferir" \u2013 os ingleses sustentam que a palavra é 
originária do francês echequier que significa "tabuleiro de xadrez". Segundo os 
ingleses, as mesas usadas pelos banqueiros tinham a forma de um tabuleiro de 
xadrez, daí o seu nome. A origem é remota e está ligada à letra de câmbio. 
Os especialistas não têm certeza. Alguns dizem que os romanos inventaram o 
cheque por volta de 352 a.C. Outros admitem ter sido criado na Holanda, no 
século XVI. Em Amsterdam, cerca do ano 1500, o povo costumava depositar 
seu dinheiro com cashiers, o que representava menor risco do que guardá-lo 
em casa. 
Os cashiers concordavam em arrecadar e cancelar débitos por meio de ordens 
escritas dos depositantes (cheques). 
Na Inglaterra, no fim do século XVII, o povo começou a fazer depósitos com 
os GOLDSMITHS (*). 
O goldsmith dava ou emitia a favor do seu cliente, goldsmith notes. Estas 
simples notas escritas a mão continham uma promessa de pagamento ao 
cliente ou à sua ordem. 
O cliente podia também escrever ao goldsmith, pedindo-lhe que pagasse a 
outra pessoa. 
Acredita-se que datem de 1762 os primeiros cheques impressos 
por LAWRENCE CHILDS na Inglaterra. Ele foi o primeiro banqueiro no sentido 
moderno. Mas antes disto, no mesmo país, o uso do cheque já tinha começado 
a desenvolver-se. Alguns cheques recebidos de diferentes pessoas pelos 
banqueiros, contra diferentes bancos, traziam o inconveniente de obrigá-los a ir 
aos estabelecimentos sacadores para obter pagamento. O banqueiro 
depositava os cheques no seu próprio banco, depois realizava a coleta. 
Apresentava depois esses cheques nos outros bancos empregando 
mensageiros. Isto significava que os mensageiros dos variados bancos faziam 
inúmeras viagens por dia. Para diminuir o número de viagens, eles resolveram 
se encontrar numa taverna, onde permutavam seus maços de cheques. 
Os banqueiros, a princípio, resistiram a este sistema, mas, percebendo sua 
utilidade, adotaram-no, criando as Caixas de Compensação a que são levados 
todos os cheques entregues a um banco contra outros. 
O primeiro país que legislou sobre o cheque, foi a França, com a Lei de 14 de 
junho de 1865. Na Inglaterra, onde ele se expandiu mais rapidamente, a 
legislação específica só foi baixada em 18 de agosto de 1882. 
No Brasil, a primeira referência ao cheque apareceu em 1845, quando se 
fundou o Banco Comercial da Bahia, mas, mesmo assim, sob a denominação 
de cautela. Só em 1893, pela Lei 149-B, surgiu a primeira citação referente ao 
cheque, no seu Art. 16, letra a, vindo o instituto a ser regulamentado pelo 
decreto 2.591, de 7 de agosto de 1912. 
O uso do cheque apresenta muitas vantagens: facilita a movimentação de 
grandes somas; economiza o tempo que tomariam para ser contadas; diminui 
possibilidade de roubos, além de impedir o entesouramento do dinheiro em 
espécie. 
Para segurança, deve sua emissão cercar-se de garantias, de modo que 
conquiste a confiança pública. 
Os benefícios propiciados pelo uso do cheque só são possíveis onde leis 
rigorosas punem os eminentes de cheques sem fundos, amparando, assim, 
sua circulação. 
Outro tipo usado pelos viajantes é o traveller-check - cheque de viagem ou 
turístico, emitido em qualquer país, no qual, no ato da aquisição, o beneficiário 
apõe a assinatura que serve de elemento autenticador, quando da emissão. 
Temos
Fernanda
Fernanda fez um comentário
Otimo trabalho! só faltou a 6.
0 aprovações
marcilene
marcilene fez um comentário
muito bom.. parabéns
0 aprovações
Julio
Julio fez um comentário
Trabalho INCOMPLETO!
0 aprovações
Társila
Társila fez um comentário
Ótimo trabalho!!!
0 aprovações
Vanessa
Vanessa fez um comentário
excelente trabalho !
0 aprovações
Carregar mais