BasesBiológicasdoCpto
252 pág.

BasesBiológicasdoCpto


DisciplinaBases Neurais de Processos Psicológicos9 materiais75 seguidores
Pré-visualização50 páginas
dez, hiper se xua li da de, agno sia visual, neces-
si da de de exa mi nar todos os obje tos com a boca 
e hiper fa gia. A forma como a amíg da la par ti ci pa 
deste con tro le é ainda con tro ver sa (Fig. 5.6).
5.3. A OBTEN ÇÃO DO ALI MEN TO NO 
MEIO AMBIEN TE
A con cep ção teó ri ca per mean do as des cri ções 
fei tas até agora supõe que a inges tão ocor re em res-
pos ta a algu ma defi ciên cia e ter mi na em fun ção da 
reple ção do orga nis mo, isto é, que a homeos ta se 
está sendo man ti da. Essa abor da gem busca encon-
trar os meca nis mos sub ja cen tes aos esta dos fisio-
ló gi cos em curso no orga nis mo e, por essa razão, 
tem estu da do a inges tão por perío dos de tempo 
rela ti va men te cur tos. Implícita nesse para dig ma de 
deple ção-reple ção está a supo si ção de que o jejum 
e a ali men ta ção são con di ções neces sá rias e sufi-
cien tes para modu lar os com por ta men tos de busca 
e con su mo de nutrien tes.
No entan to, obser va ção de ani mais em seu 
pró prio ambien te ou em para dig mas de eco no mia 
fecha da (aonde toda a ali men ta ção vem da situa-
ção expe ri men tal) mos tra que os ani mais geral-
men te ini ciam epi só dios ali men ta res com fre qüên-
cia, tama nho e padrões que são carac te rís ti cos de 
sua espé cie e que resul tam na manu ten ção de um 
con su mo cons tan te ou regu la do de calo rias. Na ver-
da de, é fas ci nan te a manei ra pela qual o orga nis mo 
varia seu con su mo para man ter de modo pre ci so 
o peso e a com po si ção cor po ral, mesmo sob con-
di ções dis tan tes daque las con si de ra das ideais ou 
fisio ló gi cas.
5.3.1. Antecipação de Necessidades Futuras
Uma impor tan te carac te rís ti ca do com por ta-
men to ali men tar é a ante ci pa ção de futu ros requi-
si tos nutri cio nais. (O termo ante ci pa ção é usado no 
sen ti do de estar pre pa ra do e não no sen ti do de inten-
cio na li da de). As espé cies cujas fon tes de comi da 
flu tuam regu lar men te (por exem plo, dia ria men te, 
sazo nal men te, anual men te, etc) pare cem se ali-
Divisão do Sistema 
92
Comportamento alimentar
Fig. 5.7 - Regulação da osmo la ri da de plas má ti ca e do volu me vas cu lar. A \u2014 O aumen to do Na+ plas má ti co 
aumen ta a ati vi da de de baror re cep to res no átrio e pare des de gran des vasos como tam bém de osmor re cep-
to res no hipo tá la mo ( núcleos supra ven tri cu lar e para ven tri cu lar). Da ati va ção dos osmo rre cep to res resul ta 
a secre ção de hor mô nio anti diu ré ti co (HAD) pela hipó fi se pos te rior para a cir cu la ção san güí nea. Nos rins, 
o HAD atua nos tubos cole to res, pro mo ven do a reab sor ção de água para a cor ren te san güí nea. No caso de 
redu ção da osmo la ri da de plas má ti ca ocor re o pro ces so inver so; redu ção de HAD no plas ma e redu ção do 
volu me vas cu lar. B \u2014 Um mode lo esque má ti co do papel homeos tá ti co do sis te ma reni na-angio ten si na. A 
deple ção de Na+ ou a redu ção do volu me do san gue esti mu la o sis te ma reni na-angio ten si na. Por outro lado, 
o aumen to da con cen tra ção plas má ti ca de Na+ ou o aumen to da vole mia inibe o sis te ma reni na-angio ten-
si na. Mais deta lhes no texto.
men tar em ante ci pa ção a essas flu tua ções. Assim 
fazem as aves estri ta men te diur nas para lidar com o 
jejum notur no obri ga tó rio, acu mu lan do comi da no 
papo. Também os pás sa ros que não emi gram das 
 regiões de inver nos muito frios aumen tam o con-
su mo de ali men to e rapi da men te acu mu lam teci do 
adi po so duran te o dia para uso duran te as noi tes 
frias. Nas regiões boreais, os ani mais comem muito 
para acu mu lar a gor du ra que será uti li za da duran te 
o longo inver no. 
Situação pare ci da vivem os ani mais que depen-
dem de fon tes de comi da muito espar sas, bas tan te 
impre vi sí veis ou de custo muito caro. É o caso dos 
car ní vo ros, cujo encon tro com a presa é impre vi sí-
vel e dos ani mais de deser to, que pre ci sam via jar 
muito para encon trar comi da. Essas espé cies pre-
ci sam ini ciar e ter mi nar os epi só dios ali men ta res 
tanto em fun ção de seu esta do fisio ló gi co vigen te 
quan to em ante ci pa ção à impre vi si bi li da de de suas 
fon tes de comi da. Por isso, ten dem a inge rir muito 
quan do con se guem algu ma fonte de ali men ta ção. 
Novamente, a quan ti da de de ali men to inge ri do pode 
não ser dire ta men te pro por cio nal à falta inter na de 
nutrien tes. Em todos esses casos, seja decor ren te de 
flu tua ções regu la res ou da dis po ni bi li da de oca sio-
nal das fon tes de ali men tos no meio, o aumen to do 
con su mo não é cau sa do por pri va ção de nutrien tes 
93
Sede
no orga nis mo, mas por ante ci pa ção de neces si da des 
futu ras.
5.3.2. Custo do Acesso à Comida
Nas situa ções rela ta das acima está em jogo o 
preço que é pago para obter a comi da. Esta variá vel, 
embo ra seja pas sí vel de ser obser va da na natu re za, é 
 melhor estu da da em labo ra tó rio. Quando o aces so à 
comi da é de baixo custo, os ani mais comem pouco 
e fre qüen te men te. Quando o aces so exige um alto 
custo, inge rem volu mes muito gran des, fre qüen te-
men te em um único epi só dio ali men tar. É o com-
por ta men to exi bi do por algu mas pes soas em chur-
ras ca rias do tipo rodí zio. Nesse caso, ocor re uma 
varia ção do volu me de comi da quase total men te 
des vin cu la da de ajus tes homeos tá ti cos, mas obe-
de cen do ao custo de aces so à refei ção. Ratos con-
fron ta dos à situa ção de alto custo de obten ção de 
ali men to man têm per fei ta men te o peso cor po ral às 
expen sas de neces si ta rem rea li zar uma única refei-
ção a cada 48 horas, poden do inge rir, às vezes, o cor-
res pon den te a 20% de seu peso cor po ral. Os gran-
des feli nos, após terem aba ti do uma presa, tam bém 
se empan tur ram muito além de suas neces si da des 
fisio ló gi cas, numa res pos ta com por ta men tal muito 
pare ci da com a do rato. Se for dada a esco lha, os 
ani mais inva ria vel men te man têm uma espé cie de 
com por ta men to balan cea do entre a comi da mais 
bara ta e a de melhor qua li da de.
Os ani mais fazem refei ções menos volu mo sas 
e mais fre qüen tes se o custo da comi da é baixo. 
Quando, por outro lado, a rela ção custo/bene fí cio 
é que bra da, a mar gem de ope ra ções do orga nis mo 
fica com pro me ti da. Se o esfor ço reque ri do é alto, 
a modi fi ca ção com por ta men tal não com pen sa o 
aumen to do custo e o peso cor po ral cai. As aves que 
depen dem, mais que os outros ani mais, da rela ção 
custo-bene fí cio para man te rem seu peso em uma 
faixa que favo re ça o vôo, não engor dam como os 
ani mais de vida ter res tre. Por outro lado, dife ren te-
men te dos demais ani mais, os fato res psi co ló gi cos 
desem pe nham um papel deter mi nan te na luta do 
homem em man ter o seu peso ideal.
Resumindo essa abor da gem mais eto ló gi ca, 
um ani mal é capaz de detec tar a estru tu ra de seu 
ambien te e seu com por ta men to ali men tar ten de rá a 
mini mi zar o custo e maxi mi zar a inges tão ali men-
tar, numa apa ren te ante ci pa ção, tanto de seus pró-
prios requi si tos nutri cio nais quan to das con di ções 
ambien tais. Isso impli ca a exis tên cia de um sis te ma 
que con tro la quan do, onde e de que fonte um ani-
mal vai se ali men tar. No entan to, pouco ou nada se 
sabe sobre o subs tra to neu ro fi sio ló gi co que medeia 
esses ajus tes com ple xos. É óbvio que os meca nis-
mos sub ja cen tes a tal pro ces so teriam que incluir 
aque les res pon sá veis pelos ajus tes de curto prazo já 
des cri tos no iní cio do capí tu lo.
5.4. SEDE
A perda de água pelo orga nis mo leva à sede e, 
por con se guin te, a inges tão de líqui dos, que é regu-
la da prin ci pal men te por duas variá veis fisio ló gi cas: 
a osmo la ri da de plas má ti ca