Neurofarmacologia
89 pág.

Neurofarmacologia


DisciplinaBases Neurais de Processos Psicológicos9 materiais75 seguidores
Pré-visualização3 páginas
várias sinapses 
Proteínas-Alvo p/ Ligação de Drogas: 
- Enzimas 
- Moléculas transportadoras 
- Canais de íons 
- Receptores 
Enzimas - são proteínas especializadas na catálise de 
reações biológicas. Aceleram a velocidade de uma reação, 
sem no entanto participar dela como reagente ou produto. 
São consideradas as unidades funcionais do metabolismo 
celular. 
EX: Tirosina L-DOPA 
 
 Tirosina hidroxilase 
 
Aspirina \u2192 inibe a cicloxigenase \u2192 inibe irreversivelmente a síntese de 
prostaglandinas (suprime a dor, febre e a inflamação) 
Efeitos de drogas não mediados por receptores 
para substâncias endógenas: 
\u2022 Efeito direto em canais iônicos \u2013 Ca2+ 
 
Cavéolas 
Receptores acoplados a 
canais 
(receptores ionotrópicos) 
\u2022 Parte dos receptores mais amplamente distribuídos 
\u2022 rapida resposta (ms) 
\u2022 Resposta limitada 
\u2013 Desposlarização 
\u2013 Hiperpolarização 
\u2013 Estabilização do potencial de ação 
\u2013 Controle iônico em todas as células do organismo 
Fig. 15-15, Alberts et al., Molecular Biology of the Cell 
Receptores não acoplados a canais iônicos 
\u2022 Sistemas de \u201csegundo-mensageiro\u201d 
\u2013 \u201cprimeiro mensageiro\u201d = sinal químico extracelular 
\u2013 \u201csegundo mensageiro\u201d = sinal intracelular 
\u2022 Respostas muito mais lentas 
 > 100 ms 
\u2022 Amplificação do sinal 
\u2022 Ampla variedade de respostas 
\u2013 Fosforilação protéica 
\u2013 Abertura de canais 
Proteína G 
\u2022 Requer GTP para o 
funcionamento 
A \u2013 ligante-receptor 
 
B \u2013 receptor ativado, ativa 
proteína G 
 
C \u2013 proteína G ativa (ou inibe) 
uma enzima ou canal 
Alberts et al., 
Molecular Biology 
of the Cell , 3rd ed. 
Sistemas de 
segundo-
mensageiro 
Segundos Mensageiros: 
\u2022 Adenosina monofosfato cíclico \u2013 AMPc degradada pela 
enzima fosfodiesterase. Ex: Cafeína (inibidor da 
fosfodiesterase, fazendo com que haja aumento da concentração de 
AMPc e da atividade lipolítica). 
\u2022 Fosfatidil-Inositol \u2013 ativa fosfolipase C, cliva fosfatidil de 
membrana e forma DAG e IP3 
\u2022 Guanosina monofosfato cíclica \u2013 GMPc, GTP GMPc 
\u2022 Cálcio 
\u2022 Derivados do àcido araquidônico \u2013 leucotrienas e 
prostaglandinas 
Terceiro mensageiros: Conjunto de genes \u2013 expressão 
precoce ou proto-oncogenes ativados por 2º mensageiros: 
Famílias \u2013 fos, jun, ras, myc, zif 
Dois exemplos 
phospholipase 
C 
adenylate cyclase 
second messenger 
IP3 
Alberts et al., 
Molecular Biology 
of the Cell, 3rd ed. 
(cyclic AMP) 
Receptores acoplados a enzimas 
\u2022 Receptor é parte da enzima. 
\u2013 e.g., receptor para insulina (e vários fatores 
de crescimento) tem atividade de tirosina 
quinase. 
\u2022 O receptor ativa uma enzima 
\u2013 e.g., receptor pata hormônio de crescimento 
(e várias citocinas) ativa uma proteína de 
membrana que tem atividade de quinase 
Fig. 15-15, Alberts et al., Molecular Biology of the Cell 
Ligação endocanabinóide 
Óxido 
Nítrico 
nNOS 
(neuronal) 
 
iNOS 
(induzida epitelial) 
 
eNOS 
(constitutiva vascular) 
O número de receptores na superfície celular 
pode ser regulado 
\u2022 up regulation 
 \uf0af # sinais químicos 
 \uf0ae \uf0ad # receptores 
\u2022 e.g., denervação 
 
\u2022 down regulation 
 \uf0ad # sinais químicos 
 \uf0ae \uf0af # receptores 
\u2022 e.g., tolerância a drogas 
 
\u2022 Ambos os processos são tipicamente processos de 
resposta 
Como os fármacos interferem 
na neurotransmissão? 
 Como são desenvolvidos os fármacos? 
 Ensaios: 
O coma insulínico e o tatamento da esquizfrenia: 
(Manfred Sakel, 1933) 
 
(B. Ackner, A. Harris, A.J. Oldham \u2013 1957) 
\u2022Prospectivos 
\u2022Randomizados 
\u2022Controlados 
\u2022Duplo-cegos 
 Como são desenvolvidos os fármacos? 
 referências 
\u2022RANG, H. P. FARMACOLOGIA. 5ed.; Edinburgh ; New York: Churchill 
Livingstone, 2003. 
 
\u2022GRAEFF,FG. E GUIMARÃES, F.S. Fundamentos de Psicofarmacologia. 
Lemos, São Paulo, 1999. 
 
\u2022BRANDÃO, M. L. As bases biológicas do comportamento: introdução à 
neurociência. São Paulo: EPU, 2004. 
 
\u2022BEAR, MF; CONNORS, BW & PARADISO, MA. Neurociências \u2013 
Desvendando o Sistema Nervoso, 2° Edição, Artmed, Porto Alegre, 2002.