Custos - apostila 2013 2
74 pág.

Custos - apostila 2013 2


DisciplinaAnálise de Custos1.528 materiais13.673 seguidores
Pré-visualização13 páginas
indiretos 
Dados Montagem Pintura Acabamento Supervisão Almoxarifado Manutenção Controle 
qualidade 
Aluguel 60% para departamentos de produção e 40% para departamentos de serviços, sendo 
partes iguais para cada modalidade de departamento. 
 
Energia 
Elétrica 
Mesma proporção do aluguel 
No. de 
Requisições 
de Materiais 
indiretos 
20 15 30 5 15 5 10 
Número de 
funcionários 
para rateio 
da M.O.I. 
40 30 25 2 5 10 6 
Número de 
máquinas 
para rateio 
Depreciação 
5 3 4 0 1 2 1 
 
E) Critério de rateio dos departamentos 
 
DEPARTAMENTOS CRITÉRIOS DE RATEIO 
Supervisão Proporcional ao número de funcionários dos outros 
departamentos 
Almoxarifado Proporcional às requisições de materiais indiretos 
Manutenção Proporcional ao número de máquinas 
Controle de qualidade Proporcional ao número de testes feitos para cada 
departamento, sendo 130 para a montagem, 80 para a pintura 
e 200 para o acabamento. 
 
F) O critério de rateio dos custos dos departamentos de produção aos produtos será 
proporcional ao número de horas máquina gasta, sendo: 
 
PRODUTO MONTAGEM PINTURA ACABAMENTO 
Básico 150 120 80 
Luxo 120 130 70 
Utilitário 90 70 60 
 
 
 
C 
Professor Cleber Batista de Sousa 34
Centro Universitário Newton Paiva 
Curso Administração de empresas 
Disciplina: Análise de Custos 
 
 
 
UNIDADE IV 
SISTEMAS DE PRODUÇÃO 
 
4.1 PRODUÇÃO CONJUNTA 
 
É o aparecimento de diversos produtos a partir, normalmente, da mesma matéria-
prima como é o caso do tratamento industrial da quase totalidade dos produtos 
naturais: aparecimento de óleo, farelos, etc. (a partir da soja); carne, ossos, sangue, 
couro, etc. (a partir do gado de corte); gasolina, querosene, emulsão asfáltica, graxa, 
etc. (a partir do petróleo), e outros. 
 
Decorrem de um mesmo material diversos produtos conjuntos normalmente 
classificados em co-produtos, subprodutos e sucata. 
 
A produção conjunta não é uma característica própria somente da Produção 
Contínua; é apenas muito mais comum nesse tipo de empresa; pode ocorrer 
também na Produção por Ordem em alguns tipos de indústrias, como a de móveis 
de madeira por encomenda, onde, a partir de uma única tora, podem sair peças de 
diferentes qualidades; que são também co-produtos, subprodutos e sucatas. 
 
4.1.1 DISTINÇÃO ENTRE CO-PRODUTO, SUBPRODUTO E SUCATA 
 
Co-produtos - são os próprios produtos principais, só que assim chamados porque 
nascidos de uma mesma matéria prima. São os que substancialmente respondem 
pelo faturamento da empresa. 
 
Subprodutos \u2013 são aqueles que tem como características básicas: valor de venda e 
condições de comercialização normais, relativamente tão asseguradas quanto os 
C 
Professor Cleber Batista de Sousa 35
Centro Universitário Newton Paiva 
Curso Administração de empresas 
Disciplina: Análise de Custos 
 produtos principais da empresa; surgem como decorrência normal do processo 
produtivo, só que possuem pouquíssima relevância dentro do faturamento global da 
empresa. 
 
Os subprodutos à medida que são produzidos, têm seu Valor Líquido de Realização 
considerado como redução do custo de elaboração dos produtos principais ou dos 
custos dos produtos vendidos, mediante débito aos estoques de subprodutos e 
crédito aos custos de produção ou custo dos produtos vendidos. 
 
Considera-se como Valor Líquido de Realização o valor de venda menos as 
despesas de venda, os custos eventualmente necessários ao término e preparação 
para venda desses subprodutos. 
 
Com esse procedimento, estima-se de forma relativamente rápida um valor para os 
estoques, considerando-os como recuperação de parte do custo de produção 
daqueles itens para os quais a empresa realmente dirige sua atenção. 
 
Existem também outros tratamentos dados aos subprodutos, não tão correto quanto 
o mencionado, que são os de só considerar a recuperação quando da efetiva venda, 
ou simplesmente tratá-los igualmente às sucatas, não estocá-los contabilmente e 
registrar sua venda diretamente às Receitas Normais ou Eventuais, ou ainda atribuir-
lhes custos como se fossem produtos principais. Logicamente, essas regras 
implicam a não distinção do que seja um Subproduto ou a apropriação de sua 
recuperação em épocas fora de sua competência, devendo por isso serem 
abandonados. 
 
Sucata \u2013 podem ou não ser decorrência normal do processo de produção, não tem 
valor de venda ou condições de negociabilidade boas. As sucatas não recebem 
atribuição de nenhum custo, mesmo que eles sejam inerentes ao processo e surjam 
como itens normais em uma produção contínua. Quando são vendidos, têm suas 
receitas registradas como Rendas Eventuais em Outras Receitas Operacionais. Até 
que sejam negociadas permanecem fora da contabilidade. 
C 
Professor Cleber Batista de Sousa 36
Centro Universitário Newton Paiva 
Curso Administração de empresas 
Disciplina: Análise de Custos 
 
 
DEFINIÇÃO DESSES CONCEITOS DENTRO DAS EMPRESAS 
 
Há uma variabilidade do conceito de relevância dentro de cada empresa, por isso, o 
que uma indústria considera importante dentro do faturamento total, outra julga 
irrelevante. Contudo esse problema é inevitável, pois não há possibilidade de se 
homogeneizar esse entendimento. 
 
Ocorre que os próprios conceitos de Co e Subprodutos nascem dessas posições 
relativamente subjetivas e devem segui-las em cada empresa. 
 
Dentro dessa forma preconizada de se proceder, só são atribuídos custos aos Co-
produtos, o que simplifica bastante os problemas da Contabilidade de Custos. 
 
PONTO DE SEPARAÇÃO 
 
O valor de mercado de cada Co-produto pode ser possível apenas para ele na forma 
de totalmente acabado, ou seja, depois que tenha passado por processamentos 
adicionais e subseqüentes, ou pode ser encontrado para a fase de 
semiprocessamento (no ponto de separação), que ocorre logo após ter sido 
fabricado pelo processo conjunto. 
 
Após o ponto de separação, os custos adicionais serão apropriados individual e 
especificamente em cada Co-produto. 
 
No quadro a seguir, podemos observar alguns contextos em que ocorre o chamado 
\u201cponto de separação\u201d. 
 
C 
Professor Cleber Batista de Sousa 37
Centro Universitário Newton Paiva 
Curso Administração de empresas 
Disciplina: Análise de Custos 
 
 
INDÚSTRIA 
 
PRODUTOS NO PONTO DE SEPARAÇÃO 
AGRICULTURA 
Bovinos 
Leite in natura 
Aves 
 
INDUSTRIA EXTRATIVA 
Carvão 
Minério de ferro 
Petróleo 
Sal 
 
INDÚSTRIA DE SEMICONDUTORES 
Fabricação de Chips de Silício 
 
 
Corte de carne, tripas, couro, ossos, gordura. 
Nata, Leite desnatado. 
Peitos, asas, coxas, pernas, papo, penas, e farinha. 
 
 
Coque, gás, benzeno, piche, amônia. 
Cobre, prata, chumbo, zinco. 
Óleo cru, gasolina, GLP Bruto, graxa. 
Hidrogênio, cloro, soda cáustica. 
 
 
Chips de memória de diversas características como: 
capacidade, velocidade, expectativa de vida e 
tolerância de temperatura. 
 
 
 
EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO 
 
1) Uma indústria de calçados e bolsas, os quais são fabricados a partir do mesmo tipo de 
couro, conseguiu produzir, no mês de janeiro/11, 1.200 bolsas e 1.800 pares de calçados e 
teve os seguintes custos conjuntos: 
 
Item Valor em Reais 
Matéria-prima consumida 15.000,00 
Energia elétrica consumida 12.000,00 
Mão-de-obra direta 13.000,00 
Custos Indiretos de fabricação 12.500,00 
 
Após o ponto de separação, as bolsas recebem mais um total de $ 2.500,00 de custos e os 
calçados mais $ 2.900,00. 
 
O método utilizado para separar os custos conjuntos é o faturamento 
 
. 
C 
Professor Cleber Batista de Sousa 38
Centro Universitário Newton Paiva 
Curso Administração de empresas 
Disciplina: Análise de Custos 
 
 
Além dos produtos principais citados acima,