arquitetura-1
208 pág.

arquitetura-1


DisciplinaArquitetura de Computadores4.005 materiais30.286 seguidores
Pré-visualização9 páginas
nas redes Fast Ethernet) \u2013 onde cada grupo de oito bits é codificado em um sinal 
de 10 bits \u2013 sua taxa de transferência efetiva é de 150 MB/s. Dispositivos Serial ATA 
trabalhando nesta velocidade são também conhecidos como SATA-150.
 
O padrão Serial ATA II traz novos recursos como a tecnologia Native Command 
Queuing (NCQ), além oferecer a taxa de transferência de 300 MB/s, o dobro do 
padrão SATA original. Dispositivos que podem trabalhar nesta velocidade são 
também conhecidos como SATA-300. O próximo padrão a ser lançado será o 
SATA-600. 
É também muito importante notar que o Serial ATA implementa dois caminhos de 
dados separados, um para a transmissão e outro para recepção dos dados. Na 
transmissão paralela apenas um caminho é usado, que é compartilhado tanto 
para transmissão quanto para recepção. O cabo Serial ATA é formado por 
dois pares de fios (um para transmissão e outro para recepção) usando transmissão 
diferencial:
A diferença entre esses dois sinais é ruído, o que faz com que o dispositivo 
receptor reconheça-o facilmente e descarte-o. O fio \u201c+TD\u201d significa 
\u201cTransmissão de Dados\u201d e o fio \u201c+RD\u201d significa \u201cRecepção de Dados\u201d. \u201c-TD\u201d 
e \u201c-RD\u201d são as versões \u201cespelhadas\u201d do mesmo sinal sendo 
transmitido nos fios \u201c+TD\u201d e \u201c+RD\u201d, respectivamente.
Além dos fios de transmissão e recepção, três fios terra são utilizados. O cabo 
Serial ATA usa, portanto, sete fios. 
Outra vantagem da utilização da transmissão serial é que poucos fios são 
necessários no cabo. Portas IDE tradicionais utilizam um conector de 40 pinos e 
um cabo de 80 vias. As portas Serial ATA utilizam um conector de sete pinos e 
um cabo com sete fios. Isto ajuda e muito no fluxo de ar dentro do micro, já que 
cabos mais finos não obstruem a passagem do ar.
ESTRUTURA DE SOFTWARE PARA O ACESSO AO DISCO
RAID: REDUNDANT ARRAY OF INDEPENDENT DISKS:
CONSISTE EM UM AGRUPAMENTO DE UNIDADES DE DISCOS FÍSICOS, VISTO PELO
SISTEMA OPERACIONAL COMO UMA ÚNICA UNIDADE DE DISCO LÓGICO.
2. OS DADOS SÃO DISTRIBUÍDOS PELAS UNIDADES DE DISCOS FÍSICOS DO AGUPAMENTO.
3. A CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO REDUNDANTE É UTILIZADA PARA ARMAZENAR
INFORMAÇÃO DE PARIDADE, GARANTINDO A RECUPERAÇÃO DOS DADOS EM CASO DE
FALHA DE ALGUM DISCO.
NÍVEIS DE RAID NÍVEIS DE 0 ATÉ 5 COM BACKUP E PARIDADE EM TOM CINZA.
NÃO REDUNDANTE_ Aplicações que requerem alto
Desempenho para dados não críticos.
ESPELHADO_ discos de sistema ou arquivos críticos
REDUNDÂNCIA VIA 
CÓDIGO DE HAMMING_ Acesso paralelo, todos os discos
participam de qualquer transação de E/S. Devido ao custo
 excessivo, só se justifica se ocorrer muitos erros de disco.
BIT DE PARIDADE INTERCALADO_ Acesso paralelo e
usa apenas um disco redundante, apenas um bit de paridade
simples é utilizado para cada conjunto de bits na mesma posição.
PARIDADE DE BLOCO _ Acesso independente, cada disco opera
Independente dos outros permitindo que E/S distintas possam ser
Satisfeitas em paralelo.
PARIDADE DE BLOCO DISTRIBUÍDA_ Semelhante ao 4, com a
diferença que a paridade é distribuída em todos os discos.
ESTRUTURA DE GRAVAÇÃO DE UM COMPACT DISK OU CD-ROM.
LAYOUT DOS DADOS EM UM CDROM
COMPOSTO DE PLÁSTICO E METAL
PIT _ PONTO DO CD FEITO
DE ALUMÍNIO QUE REFLETE
A LUZ.
LAND _ PONTO DO CD QUE NÃO
REFLETE A LUZ, AUSÊNCIA DE
ALUMÍNIO.
CD ROM : ESPIRAL DO EIXO CENTRAL
 ATÉ A BORDA.
ESTRUTURA DE UM DISCO CD-R:
APRESENTA UMA CAMADA DE PIGMENTO ORGÂNICO E UMA CAMADA MUITO FINA DE OURO EM UM DISCO DE POLICARBONATO. O POLÍMERO DO PIGMENTO QUANDO EXPOSTO AO FEIXE DE LASER DE GRAVAÇÃO (MUITO MAIS POTENTE QUE O FEIXE NORMAL DE LEITURA), REAGE COM O POLICARBONATO FORMANDO UMA ÁREA OPACA QUE NÃO REFLETE A LUZ.
ESTRUTURA FÍSICA DE UM COMPUTADOR PESSOAL.
ESTRUTURA LÓGICA SIMPLES DE UM COMPUTADOR PESSOAL.
ESTRUTURA LÓGICA DE UM TÍPICO COMPUTADOR MODERNO.
MONITOR DE VÍDEO:
MONITOR DE VÍDEO, CONHECIDO COMO TUBO DE RAIOS CATÓDICOS_ É UMA TELA EMISSORA DE LUZ QUE FORMA
A IMAGEM PELO CONTROLE DE DE UM FEIXE DE ELÉTRONS QUE VARRE A TELA EXCITANDO UM MATERIAL
FOSFORESCENTE DEPOSITADO SOBRE A MESMA. CADA PONTO QUE PODE SER INDEPENDENTEMENTE APAGADO
OU EXCITADO, É CHAMADO DE PIXEL.
MEMÓRIA DE VÍDEO _ É UM BANCO DE MEMÓRIA DINÂMICA COM PELO MENOS 256 KB DIVIDIDO EM QUATRO PLANOS DE COR, CADA PLANO COM 64KB, ONDE ESTÃO OS DADOS DA TELA.
CONTROLADOR GRÁFICO _ LIGA A UCP À MEMÓRIA DE VÍDEO. ELE PODE SER PROGRAMADO PARA REALIZAR
AS SEGUINTES OPERAÇÕES SOBRE OS DADOS QUE SÃO ESCRITOS NA MEMÓRIA DE VÍDEO:
SERIALIZADOR DE DADOS _ CAPTURA AS INFORMAÇÕES DA MEMÓRIA DE VÍDEO, UM OU MAIS BYTES POR VEZ, E
A CONVERTE EM UMA SEQUÊNCIA DE BITS QUE SÃO ENVIADOS AO CONTROLADOR DE ATRIBUTOS.
CONTROLADOR DE ATRIBUTOS _ DETERMINA QUE CORES SERÃO MOSTRADAS, TANTO PARA GRÁFICOS, QUANTO PARA TEXTO. O CORAÇÃO DO CONTROLADOR É A TABELA DE CORES \u2013 LUT.
CONTROLADOR DO CRT _ A MAIORIA DOS REGISTRADORES SÃO DEDICADOS A TAREFA DE GERAR OS SINAIS PARA
CONTROLAR A TEMPORIZAÇÃO DO CRT. ELES SÃO INICIALIZADOS PARA DETERMINADO MONITOR E NÃO DEVEM SER ALTERADOS. OUTRO CONJUNTO DE REGISTRADORES SERVE PARA ESPECIFICAR NÚMERO DE PIXELS POR LINHA, NÚMERO DE LINHAS, A ALTURA DOS CARACTERES, O ENDEREÇO DE INÍCIO DA MEMÓRIA DE VÍDEO, ETC.
SEQUENCIADOR _ CONTROLA A SEQUENCIALIZAÇÃO DE TODAS AS FUNÇÕES DO CONTROLADOR VGA, ALÉM DE
GERAR OS RELOGIOS QUE CONTROLAM O MONITOR, CONTROLA AS OPERAÇÕES DE LEITURA/ESCRITA NA
MEMÓRIA DE VÍDEO. 
OPERAÇÃO DE ESCRITA NO CONTROLADOR GRÁFICO
TABELA DE CORES PARA O MODO TEXTO
4 PLANOS DE COR PERMITEM
QUE 16 CORES SEJAM USADAS
SIMULTANEAMENTE
CADA INFORMAÇÃO DE COR
QUE TEM 4 BITS, É USADA PARA
ENDEREÇAR UM DOS 16 
REGISTRADORE DE PALETA,
O CONTEÚDO DESTE
REGISTRADOR VAI SER USADO PARA
INFORMAÇÃO DE COR.
CADA REGISTRADOR TEM 6 BITS
QUE GERAM 64 CORES POSSÍVEIS
OPERAÇÃO DO REGISTRADOR DE PALETA
MONITOR DE CRISTAL LIQUIDO, BASTANTE UTILIZADO NOS COMPUTADORES PORTÁTEIS _ É CONFECCIONADO POR
UM SANDUÍCHE DE CRISTAL LÍQUIDO ENTRE DUAS CAMADAS DE VIDRO COM RANHURAS DE ORIENTAÇÕES 
PERPENDICULARES. A PASSAGEM DA LUZ FAZ COM QUE O RAIO LUMINOSO ACOMPANHE O GIRO DAS MOLÉCULAS,
APLICANDO-SE UMA TENSÃO ELÉTRICA OBRIGA AS MOLÉCULAS A ALINHAREM-SE FAZENDO A LUZ PASSAR.
 PORTANTO, O FUNCIONAMENTO É BASEADO EM POLARIZAÇÃO E BLOQUEIO DA LUZ.
PORTA SERIAL:
MODULAÇÃO COMO A TÉCNICA UTILIZADA PARA A TRANSMISSÃO DE 
DADOS PARA GRANDES DISTANCIAS.
IMPRESSORA:
CILINDRO REVESTIDO DE MATERIAL FOTOSENSÍVEL RECEBE CARGA DE 1000 VOLTS. O RAIO DE LUZ DO LASER É MODULADO PARA PRODUZIR UM PADRÃO
DE LUZ E PONTOS ESCUROS. OS PONTOS ESCUROS PERDEM A CARGA ELÉTRICA. APÓS UMA LINHA SER PINTADA, O CILINDRO RODA UMA FRAÇÃO DE GRAU PARA QUE A PRÓXIMA LINHA SEJA IMPRESSA. O TONER É ATRAÍDO PARA AQUELES PONTOS QUE ESTÃO CARREGADOS.