Controle aversivo
10 pág.

Controle aversivo


DisciplinaAnálise do Comportamento3.469 materiais121.319 seguidores
Pré-visualização3 páginas
Fundamentos de Psicologia Experimental	Passo 7		\ufffd PAGE \ufffd1\ufffd
FUNDAMENTOS DA PSICOLOGIA EXPERIMENTAL
PASSO 7 - Controle aversivo
Objetivo: Definir e dar exemplos de reforçamento negativo (fuga e esquiva) e punição (positiva e negativa). Descrever os procedimentos aplicados no controle aversivo e comentar alguns de seus efeitos.
No que diz respeito ao comportamento operante, estudamos no Passo 5 a relação entre o comportamento e o ambiente, enfatizando o fortalecimento da resposta através da apresentação de um estímulo reforçador contingentemente à resposta (reforçamento positivo). Você já deve ter percebido, entretanto que nem sempre nos comportamos de modo a produzir conseqüências reforçadoras. Muitas vezes nos comportamos de maneira que \u201cconseqüências prejudiciais\u201d a nós deixem de acontecer.
Também estudamos, no Passo 6, uma das maneiras de enfraquecer uma resposta operante: a extinção, ou seja, estudamos o enfraquecimento de respostas através da suspensão de conseqüências reforçadoras. Muitas vezes, entretanto, nosso ambiente físico, ou as instituições e as pessoas com quem convivemos, enfraquecem alguns de nossos comportamentos, não através da suspensão de conseqüências reforçadoras, mas através da apresentação de \u201cconseqüências prejudiciais\u201d ou \u201cdesagradáveis\u201d\ufffd para nós.
Existem, portanto, outras formas de fortalecer e enfraquecer respostas operantes, que não o reforçamento positivo e a extinção: trata-se do CONTROLE AVERSIVO.
Conforme estudamos no Passo 5, uma resposta operante (R) é reforçada quando produz um estímulo reforçador (SR). O estímulo reforçador é, por definição, o estímulo que aumenta a freqüência das respostas que o produzem e reduz a freqüência das respostas que o eliminam.
Quando dizemos que uma resposta operante foi reforçada, estamos nos referindo a um aumento na probabilidade dessa resposta voltar a ocorrer na presença da mesma condição antecedente (SD). Estamos falando, portanto, de uma contingência tríplice de REFORÇAMENTO POSITIVO\ufffd.
Uma resposta operante pode, entretanto, ser reforçada em uma contingência de REFORÇAMENTO NEGATIVO. Nesse caso, um Estímulo Discriminativo (SD) sinaliza a ocasião em que, se uma dada Resposta for emitida, terá como conseqüência a interrupção ou evitação de um Estímulo Aversivo (S\u2013). Um estímulo aversivo é, por definição, o estímulo que reduz a freqüência das respostas que o produzem e aumenta a freqüência das respostas que o eliminam. Um estímulo pode funcionar como estímulo aversivo de maneira primária (incondicionada, ou seja, sem a necessidade de uma história de condicionamento) ou secundária (condicionada, ou seja, após uma história de condicionamento). Em geral, os estímulos aversivos primários são prejudiciais ao organismo. O termo \u201ccontrole aversivo\u201d refere-se ao controle exercido sobre o comportamento pelos estímulos aversivos.
No reforçamento negativo, a tríplice contingência pode ser assim representada.
SD \u2011\u2011\u2011\u2011 R \u2011\u2011/\u2011\u2011 S\u2013
O fortalecimento da resposta operante (reforçamento) através do controle aversivo
Como já foi mencionado acima, o reforçamento positivo consiste em apresentar um estímulo reforçador contingentemente à emissão de uma dada resposta diante de um dado estímulo discriminativo. Uma resposta operante pode também ser reforçada na seguinte situação: Diante de um determinado estímulo discriminativo, se uma dada resposta for emitida, um estímulo aversivo será eliminado ou evitado. Considere o seguinte exemplo: Quando Mara está fazendo compras no comércio e começa a chover (SD), ela se dirige ao interior de uma loja (R), evitando molhar-se pela água da chuva (evitação do S\u2013). Em situação de laboratório, podemos montar a seguinte condição: quando uma luz vermelha for acionada no interior da câmara experimental (SD), o animal pressiona a barra (R) e desliga ou evita um choque elétrico (eliminação ou evitação do S\u2013). Estes são exemplos de REFORÇAMENTO NEGATIVO. Reforçamento porque a resposta é fortalecida, e negativo porque a resposta retira (subtrai, elimina, evita) estímulo(s) do ambiente.
A resposta reforçada através de um procedimento de reforçamento negativo é uma resposta de Fuga ou de Esquiva. Respostas de fuga eliminam, interrompem, terminam uma estimulação aversiva. Respostas de esquiva evitam, impedem ou pospõem a ocorrência de um estímulo aversivo. Desse modo, chamamos de esquiva se a resposta ocorre antes da apresentação do estímulo aversivo (evitando-o), e de fuga, se a resposta ocorre quando o estímulo aversivo já está presente (interrompendo-o). Apesar de ocorrer antes da presença do estímulo aversivo, a resposta de esquiva não acontece no vácuo. Ela ocorre na presença de estímulos pré-aversivos, ou seja, estímulos que sinalizam a ocorrência de estímulos aversivos. No exemplo acima, as nuvens escuras no céu poderiam ser o estímulo pré-aversivo que controla a resposta de esquiva.
Considere um exemplo de fuga em situação de laboratório: um sujeito experimental aprende a pressionar uma barra quando a resposta de pressionar a barra interrompe uma seqüência de choques que está recebendo. A resposta de pressão à barra é, neste caso, chamada de resposta de fuga, e a remoção do choque, contingente à resposta, é chamada de reforçamento negativo. Vejamos também um exemplo de esquiva em situação de laboratório: um procedimento comumente usado na pesquisa experimental com animais consiste na apresentação do estímulo \u201cpré-aversivo\u201d (por exemplo, um som) seguido da apresentação do estímulo aversivo (por exemplo, um choque elétrico). A resposta de pressão à barra, emitida durante a apresentação do estímulo "pré-aversivo" (som) pospõe (adia) a apresentação do estímulo aversivo por um determinado período de tempo. Essa é a "esquiva sinalizada". Se a resposta não ocorrer na presença do estímulo "pré-aversivo", o estímulo aversivo é apresentado após a passagem de um intervalo de tempo pré-determinado. Somente o responder numa frequência apropriada evita toda e qualquer ocorrência de estimulação aversiva.
Nosso cotidiano está repleto de exemplos de fuga e esquiva. Na parada de ônibus, procuramos uma sombra para fugir da incomodação provocada pela incidência direta dos raios solares sobre nossa pele. Quando saímos da universidade, retiramos o relógio e/ou as jóias para evitarmos assaltos. Pessoas mais tímidas deixam de ir a festas para evitar interações sociais.
O enfraquecimento de uma resposta operante através do controle aversivo
Uma resposta operante pode ser enfraquecida através de procedimentos de punição. Há duas maneiras de punir uma resposta: 1) através da apresentação do estímulo aversivo contingente à resposta (punição positiva: \u201cpunição\u201d porque a resposta é enfraquecida; \u201cpositiva\u201d porque a resposta produz - acrescenta, adiciona - um estímulo no ambiente: o aversivo); 2) através da remoção do estímulo reforçador contingente à resposta (punição negativa: \u201cpunição porque a reposta é enfraquecida; negativa porque a resposta elimina - subtrai - um estímulo do ambiente: o reforçador). Qualquer que seja o procedimento de punição adotado (positiva ou negativa), o resultado é redução da freqüência da resposta naquela situação.
Vamos a alguns exemplos.
1) Paulo é um pré-adolescente e ultimamente tem respondido com grosserias às ordens de Dona Laura, sua mãe. Um dia, já impaciente, Dona Laura mandou que Paulo fosse tomar banho (SD). Ele xingou a mãe (R) e, como conseqüência disso, levou uma surra (S-). Ao analisarmos a situação-exemplo acima podemos proceder da seguinte maneira: a) a probabilidade de Paulo voltar a responder dessa maneira na presença daquele SD aumentará ou diminuirá após esse episódio? Se chegarmos à conclusão que diminuirá, podemos dizer, então, que a resposta foi punida. b) a resposta de Paulo acrescentou ou subtraiu estímulo(s) do ambiente? Observe que a conseqüência para o comportamento de Paulo foi a surra, que não ocorreria se a resposta não tivesse sido emitida. Assim, a resposta produziu (acrescentou) a surra. Então, estamos diante de um caso de
Kemilly
Kemilly fez um comentário
Controle aversivo
0 aprovações
Aldeir
Aldeir fez um comentário
MATERIAL DE FÁCIL ENTENDIMENTO , EXCELENTE !
0 aprovações
Carregar mais