Edema Agudo de Pulmão Medicinanet
10 pág.

Edema Agudo de Pulmão Medicinanet


DisciplinaPatologia dos Processos Gerais em Medicina17 materiais1.453 seguidores
Pré-visualização4 páginas
é de bolus intravenoso de 2 mcg/kg, seguido 
da infusão contínua de 0,01 mcg/kg/min. Pode-se suprimir a dose de ataque para evitar 
hipotensão. 
 
Considerações Finais sobre o Tratamento 
Mais do que uma simples regra de atendimento emergencial, o médico deve estar 
atento a diferentes situações clínicas que levem ao EAP. Pacientes com EAP, nos quais 
a causa da descompensação seja atribuída a taquiarritmias, devem ser prontamente 
submetidos à sedação e à cardioversão elétrica sincronizada. Seguindo o mesmo 
raciocínio, caso o paciente apresente-se com síndrome coronariana aguda, esta deve ser 
tratada com todo o arsenal medicamentoso (AAS, clopidogrel, heparina) e invasivo 
disponível, além do tratamento para EAP descrito anteriormente. Vale lembrar 
novamente, que uma minoria de pacientes (menos que 5%) apresenta-se com sinais de 
baixo débito, hipotensão e congestão pulmonar associada, sendo caracterizado um 
quadro de choque cardiogênico. Nesses casos, a abordagem terapêutica tem outro foco e 
baseia-se no uso de medicações vasoconstritoras (noradrenalina e dopamina) e 
inotrópicas positivas (dobutamina e levosimendana), visando reestabelecer a pressão 
arterial e a perfusão orgânica periférica. Em alguns casos, é necessário o uso de suporte 
e monitoração hemodinâmica invasivos, como balão intra-aórtico e cateter de artéria 
pulmonar. 
 
ALGORITMO 
Algoritmo 1. 
 
 
Clique na imagem para ampliar 
 
EAP = edema agudo de pulmão; FR = frequência respiratória; FC = frequência cardíaca; PA = pressão arterial; SatAO2 = saturação arterial 
de oxigênio; T = temperatura; PP = perfusão periférica; ECG = eletrocardiograma; PCR = parada cardiorrespiratória EOT = entubação 
orotraqueal; SCA = síndrome coronariana aguda; FiO2 = fração inspirada de oxigênio; CVES = cardioversão elétrica sincronizada; PAM = 
pressão arterial média; PAS = pressão arterial sistólica; BIA = balão intra-aórtico; CAP = cateter de artéria pulmonar; DU = débito urinário; 
SatVO2 = saturação venosa de oxigênio; IV = intravenoso. 
 
BIBLIOGRAFIA 
1. Acute congestive heart failure in the emergency department. Cardiol Clin. 2006;24:115-23. 
2. Canadian Cardiovascular Society Consensus Conference Recommendations on Heart Failure Update 2007: prevention, management 
during intercurrent illness or acute descompensation, and use of biomarkers. Can J Cardiol. 2007;23(1):21-45. 
3. Effect of non-invasive positive pressure ventilation (NIPPV) on mortality in patients with acute cardiogenic pulmonary edema: a meta-
analysis. Lancet. 2006;367:1155-63. 
4. Noninvasive mechanical ventilation in the treatment of acute cardiogenic pulmonary edema. Clinics. 2006;61(3):247-52. 
5. Noninvasive ventilation for critical care. Chest. 2007;132:711-20. 
6. Noninvasive ventilation in acute cardiogenic pulmonary edema: systematic review and meta-analysis. JAMA. 2005;294(24):3124-30. 
7. Pavanello R, Bacal F. Tratamento da insuficiência cardíaca aguda descompensada. In: Serrano Jr. CV, Timerman A, Stefanini E. Tratado 
de cardiologia SOCESP. 2.ed. Barueri: Manole; 2009. 9(4):1055-64. 
8. Seguro LFBCS, Oliveira Jr. MT. Insuficiência cardíaca aguda: tratamento. In: Nicolau JC, Tarasoutchi F, Rosa LV, Machado FP. 
Condutas práticas em cardiologia. Barueri: Manole; 2010. 49:412-20. 
9. Teerlink JR. Diagnosis and managment of acute heart failure. In: Braunwald E, Zipes DP, Libby P, Bonow RO, Mann DL. Heart disease: 
a textbook of cardiovascular medicine. 8.ed. United States of America: W.B. Saunders; 2008. 24:583-610. 
10. Vilas-Boas F, Follath F. Tratamento atual da insuficiência cardíaca descompensada. Arq Bras Cardiol. 2006;87:1-9.