como_fazer_um_projeto_de_pesquisa
9 pág.

como_fazer_um_projeto_de_pesquisa


DisciplinaMetodologia Científica Aplicada70 materiais740 seguidores
Pré-visualização2 páginas
COMO FAZER UM PROJETO DE PESQUISA
(Martha de O. Guerra e Nancy C. de Castro)
Definição: projeto de pesquisa é um trabalho científico em que se organizam as diversas etapas de uma proposta teórica, a ser formulada a respeito de um determinado assunto. 
Requisitos básicos para a elaboração de um projeto de pesquisa:
o pesquisador dever ter conhecimentos em profundidade sobre a área que pretende pesquisar;
o pesquisador precisa definir o assunto que abordará na sua atividade de pesquisa;
o pesquisador precisa conhecer os tipos de raciocínios que aplicará sobre o assunto, para que sejam geradas as hipóteses que serão desenvolvidas na investigação sistemática dos fatos ou fenômenos investigados.
Tipos de raciocínios que podem ser utilizados pelo pesquisador:
 
dedutivo
as teorias e as leis são o ponto de partida para a justificativa do fato, ou do fenômeno, surgindo daí as hipóteses (conexão descendente);
indutivo
parte do fato, ou do fenômeno, e vai acumulando informações cada vez mais abrangentes, até atingir, em linha ascendente, as teorias e as leis (conexão ascendente);
hipotético-dedutivo
formula a possibilidade de uma lacuna em um determinado nível de conhecimento, lança hipóteses que a possam preencher e, dedutivamente, testa as hipóteses.
Etapas de desenvolvimento do projeto
Pesquisa de fontes
Identificação de fontes documentais
Documentos audiovisuais, documentos cartográficos e documentos textuais
Análise da acessibilidade das fontes
Levantamento de informações
Identificação das idéias que dão conteúdo semântico ao documento
(
				 fichamento:	por palavra-chave 
por referência bibliográfica
Fichamento por palavra chave
A palavra-chave é colocada no topo da ficha, seguindo-se as obras referenciadas, sem a preocupação de ordem alfabética ou de ano de publicação. Anota-se na ficha a fonte documental onde a palavra-chave é encontrada, na ordem em que é encontrada.
 		 Exemplos:
	VALORAÇÃO AMBIENTAL
MITCHELL, R. e CARSON, R. Using Surveys to value public goods: the contingent valuation method. Washington: Resources for the Future, 1989.
PEARCE. D. e MARKANDYA, A. The Benefits of Environmental Policy: Monetary Valuation. Paris: OECD, 1989.
ARROW, K. J.; SOLOW, R.; PORTNEY, P.; LEAMER, E.; RADNER, R. E SCHUMAN, H. Report of the NOAA on Contingent Valuation. Federal Register 58(10), p.4601-4614, 1993.
	ECONOMIA DOS RECURSOS NATURAIS
DASGUPTA, P. e HEAL\u2019S, G. Economic Theory and Exhaustible Resources. Cambridge: Cambridge University Press, 1979.
RANDALL, A. Resource Economics: an Economic Approach to Natural Resource and Environmental Policy. 2nd ed. New York: John Wiley & Son, 1987.
A ficha de palavra-chave pode ser prolongada indefinidamente, sendo sempre atualizada.
Fichamento de referência bibliográfica
A ficha de referência bibliográfica organiza-se a partir da ficha de palavra-chave, fazendo-se uma ficha para cada obra referenciada.
Exemplos:
	
	DASGUPTA, P. e HEAL\u2019S, G. Economic Theory and Exhaustible Resources. Cambridge: Cambridge University Press, 1979.
Pode-se utilizar a parte inferior da ficha de referência bibliográfica para reproduzir a palavra-chave e, a critério do pesquisador, esmiuçar mais sobre as idéias-chave contidas na obra referenciada.
Exemplo:
	DASGUPTA, P. e HEAL\u2019S, G. Economic Theory and Exhaustible Resources. Cambridge: Cambridge University Press, 1979.
ECONOMIA DOS RECURSOS NATURAIS
 
Para ambas as fichas, quando se pretende com elas constituir um arquivo, deve-se fazer uso de siglas e/ou numerações, situadas na parte superior da ficha, nos lado esquerdo e direito, respectivamente.
Exemplo:
	
REC. NAT. 05
DASGUPTA, P. e HEAL\u2019S, G. Economic Theory and Exhaustible Resources. Cambridge: Cambridge University Press, 1979.
ECONOMIA DOS RECURSOS NATURAIS
 
A sigla REC. NAT., à esquerda, refere-se à palavra-chave ECONOMIA DOS RECURSOS NATURAIS. O número 05, à direita, significa que esta é a quinta ficha, em ordem alfabética de autor, sobre a palavra-chave.
Cabe ao autor tomar decisões quanto ao armazenamento de informações, usando siglas, desenhos, números etc., a seu critério, para facilitar a identificação e o manuseio das informações contidas na ficha.
Análise e Seleção do Material Coletado
Leitura e organização do material obtido
O que ler?
Primeiramente: as fontes documentais gerais ou os trabalhos específicos de aplicação teórica?
Como ler?
Bom leitor = 	capacidade de fixação no texto;
			bom vocabulário
velocidade adequada à leitura de diversos textos
	
O ato de leitura deve ser acompanhado de técnicas de armazenamento (fichamento). O fichamento sofrerá, em outro estágio, o processo de seleção e organização do material, quando se constituírem os arquivos específicos para determinado assunto de projeto de pesquisa.
Após a leitura das obras identificadas através das fichas de palavra-chave, há duas possibilidades de fichamento:
Ficha de citação/transcrição:
Extraem-se trechos citados ou transcritos da fonte documental, colocando-se a localização dos mesmos (páginas).
Citação: trecho de até 3 linhas de matéria textual retirada da fonte consultada.
Transcrição: trecho de mais de 3 linha de matéria textual retirada da fonte consultada.
	Exemplo:
	ECO, H. Como se Faz uma Tese. São Paulo: Editora Perspectiva, 1977.
 \u201cApenas uma coisa cumpre ter presente: um trabalho de compilação só tem utilidade científica se ainda não existir nada se parecido naquele campo.\u201d (p. 22)
 \u201cPortanto, o sistema mais cômodo é o de um pequeno arquivo de fichas. À medida que vou encontrando os livros, uma ficha é aberta para cada um.\u201d (p.46)
Numa primeira instância, a ficha de citações/transcrições pode ser elaborada ao longo da leitura da obra.
Seqüencialmente pode servir à elaboração de outras fichas de citações/trancrições, por exemplo, juntando-se o mesmo assunto da citação ou transcrição, de obras diferentes, do mesmo autor, ou de autores diversos.
A diversidade do arquivo de citações/transcrições fica a critério da criatividade do pesquisador.
Ficha-resumo
Procura resumir o conteúdo da fonte documental pesquisada.
Tem como cabeçalho a referência bibliográfica completa.
Poderá conter o resumo por capítulo ou o resumo do texto integral.
Exemplo:
	ECO, H. Como se Faz uma Tese. São Paulo Editora Perspectiva, 1977.
RESUMO
A técnica da paráfrase, ou seja, a reprodução do desenvolvimento do texto de uma fonte documental, conservando-se as idéias originais, é a técnica ideal para que se obtenha um resumo adequado.
A ficha-resumo resultará em fichamentos por assunto e em fichamentos por autor.
A aplicação da técnica de fichamento não está superada pela utilização dos computadores.
FORMULAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA
Estrutura geral (básica em todo projeto):
INTRODUÇÃO
MATERIAL E MÉTODOS
CRONOGRAMA
ORÇAMENTO
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Introdução
Introduzir significa apresentar.
O pesquisador deve apresentar o problema, isto é, deve explicar quais os fatos ou motivos o levaram a criar uma hipótese de trabalho.
Perguntas que podem servir como roteiro:
o que estudar?
como surgiu tal dúvida?
quais foram as observações que despertaram a curiosidade para aquele determinado problema?
quais os autores consultados que trabalharam com idéias semelhantes e que tenham contribuído para a hipótese? (quem já publicou sobre o assunto?)
para que serve o que se vai estudar?
			(
A Introdução é a parte crucial do projeto. Através dela o pesquisador