Correspondencia Completa entre Jung e Freud
674 pág.

Correspondencia Completa entre Jung e Freud


DisciplinaLivros17.014 materiais92.482 seguidores
Pré-visualização50 páginas
às suas descobertas relativas 
ao instinto sexual na infância.
O primeiro núcleo significativo de interesse pela psicanálise, fora 
do círculo imediato de Freud, surgiu no Hospital Mental Burgõlzli, 
em Zurique (foto 1). Um austero conjunto de prédios a cavaleiro 
do lago de Zurique, o Burghõlzli fora fundado em 1860, na qualidade 
de hospício cantonal, e também servia de clínica psiquiátrica à Uni­
versidade de Zurique. Com Auguste Forel, que assumiu sua direção
s Ibid., 330.
4 Publicadas em The Origíns of Psychoanalysis.
5 Jones, II, 8/8. Os quatro em questão \u2014 Wilhelm Stekel, Alfred Adler, 
Rudolf Reitler, Max Kahane \u2014 gradualmente se elevaram a mais de vinte, 
dando origem, em abril de 1908, à Sociedade Psicanalítica de Viena. Os Minutes 
(ver p. 10) foram registrados, a partir de 1906, por Otto Rank.
6 Jones, II, p. 321/286.
14
em 1879, o tratamento avançado e as pesquisas garantiram-lhe uma 
reputação internacional, mantida e prolongada com Eugen Bleuler, 
que em 1898 sucedeu a Foreí.
Em 10 de dezembro de 1900, Jung chegou ao Burghõlzli para 
assumir, como médico assistente, seu primeiro posto profissional. 
Concluíra os estudos de medicina na Universidade de Basiléia, sua 
cidade natal, e recebera seu diploma em 27 de novembro, apenas 
uma quinzena antes de assumir o posto.7 A despeito da reputação 
de avant-garde do hospital, Jung mais tarde descreveu seu trabalho 
no Burghõlzli como \u201cuma submissão ao voto de acreditar apenas no 
que era provável, mediano, convencional, destituído de sentido, um 
voto de renúncia ao estranho e significativo, de redução do extra­
ordinário ao banal. Por conseguinte havia apenas. . . estreitos hori­
zontes opressivos e o deserto infindo da rotina\u201d .8 Num tal contexto, 
a tomada de contato de Jung com Freud há de ter sido duplamente 
excitante. \u201cJá em 1900, escreveu ele, eu havia lido A Interpretação 
de Sonhos, de Freud. Na ocasião pusera o livro de lado por ainda não 
entrar em sintonia com e le . . . Retomei-o em 1 9 0 3 ... e descobri 
então que tudo se concatenava às minhas próprias idéias.\u201d 9 Numa 
entrevista de 1957, Jung disse que em 1900 Bleuler lhe pedira para 
apresentar um parecer sobre A Interpretação de Sonhos numa \u201creu­
nião noturna\u201d da equipe.30
Antes de Jung \u201cpôr o livro de lado\u201d em 1900 (ou 1901), ele já 
digerira suficientemente as \u201cinvestigações oníricas\u201d de Freud para 
citá-las, por sua relevância para suas próprias descobertas experimen­
tais, em sua tese de doutoramento, publicada em 1902.11 A maioria 
das demais publicações de Jung nos anos 1902-190512 contém cita­
ções do trabalho de Freud (se bem que não de suas teorias sexuais).
7 Para os anos de lung no Burghõlzli, ver Memories, Dreams, Reflections, 
p. 111-13/113-15, e c. IV; e Ellenberger, c. 9. As datas da carreira acadêmica de 
Jung foram confirmadas por Franz Jung.
8 Memories, p. 111/113.
9 Ibid., p. 146 S./144 s.
10 R. I. Evans, Conversations with Carl Jung {Princeton: Van Nostrand, 
1964); também, como transição corrigida, em CW 18. Nos papéis póstumos de 
Jung foi descoberto um original datilografado, com data de 25 de janeiro de 
1901, que constitui um parecer não sobre Die Traumdeutung mas sib sobre Über 
den Traun ( \u201cSobre os Sonhos\u201d, Ed. Standard Bras., V ), um sumário daquele 
que Freud publicou em Grenzfragen des Nerven-und Seelenlebèns, ed. L. Lõwen- 
feld e H. Kurella (Wiesbaden, 1901). Para o parecer de Jung, ver Spring, 
1973, p. 171-79, e CW 18.
11 On the Psychology and Pathology of So-called Occult Phenomena (CW
1). O título de doutor em medicina foi concedido a Jung pela Universidade de 
Zurique, em 17 de julho de 1902.
12 \u201cA Case of Hysterical Stupor in a Prisoner in Detention\u201d (1902), 
\u201cOn Simulated Insanity\u201d (1903), \u201c On Hysterical Misreading\u201d (1904), \u201cCryp-
15
Jung passou o semestre de inverno de 1902-1903 no Salpêtrière 
de Paris, assistindo às palestras de Janet sobre psicopatologia teórica. 
Em 14 de fevereiro de 1903, logo após voltar para Zurique, casou-se 
com Emma Rauschenbach e os dois se instalaram num apartamento 
no prédio central do Burgholzli, acima do que era ocupado pela 
família Bleuler.13 A equipe de residentes no hospital, no tempo de 
Jung, incluía também Karl Abraham, Franz Riklin, Max Eitingon 
e Herman Nunberg. Além disso, visitantes estrangeiros \u2014 em espe­
cial A. A. Brill \u2014 aí passavam períodos de observação e estudo.
Ao que parece, o primeiro contato direto de Freud com o 
Burgholzli foi a correspondência a que ele e Bleuler deram início em 
setembro de 1904 e que se prolongaria, de maneira mais ou menos 
esporádica, até pelo menos 1925.14 Em suá autobiografia, Jung diz 
que ele de fato \u201cfoi o primeiro a tomar a defesa de Freud, num 
congresso em Munique, onde um orador discutia as neuroses obsessi­
vas, mas propositadamente se abstinha de mencionar seu nome\u201d .15 
Seja como for, Fragmento da Análise de um Caso de Histeria, de 
Freud, apareceu em 1905 e Jung não perdeu tempo em se aproximar 
dele em seu estudo \u201cPsychoanalysis and Association Experiments\u201d 
(CW 2), preparado nesse mesmo ano e publicado no seguinte. Jung 
apresentava um caso de neurose obsessiva do qual havia tratado em 
junho de 1905, sujeitando a paciente ao teste de associações e, 
depois, à psicanálise \u2014 sessões de uma hora e meia a duas horas, 
em dias alternados, por três semanas. Jung dispensara a paciente, 
sem propriamente lhe dar alta, mas em novembro ela voltara a 
procurá-lo, dizendo-se curada. Ao sumarizar o caso, Jung declarava 
que o teste de associações poderia ser útil \u201cpara facilitar e abreviar 
a psicanálise de Freud.\u201d
tomnesia\u201d (1905) \u2014 todos em CW 1; os primeiros quatro estudos sobre asso­
ciação de palavras (1904-5) e \u201cThe Psychological Diagnosis o f Evidence\u201d 
(1905) \u2014 todos em CW 2.
13 Aí Freud visitou os Jung por quatro dias, em setembro de 1908, e 
tomou contato com pelo menos um dos casos clássicos de Jung (Memories, 
125 s . / 126). Em junho de 1909, quando a família Jung se transferiu para sua 
nova casa em Kiisnacht, Jung se demitiu da equipe do Burgholzli.
14 Alexander e Selesnick, p. 6, 8. O Dr. Manfred Bleuler acredita que houve 
contatos entre seu pai e Freud mesmo antes, na década de 1890 (comunicação 
pessoal). D e fato, em 1896, E. Bleuler escreveu uma resenha sobre os Studien 
über Hysterie-, cf. Jones, I, p. 278/253. (As cartas de Freud a Bleuler em 
poder de M. Bleuler acham-se atualmente impedidas de publicação.)
15 Memories, p. 148/147. O congresso não foi identificado e pode ser que 
haja aqui uma confusão com o Congresso de Neurologistas e Psiquiatras Alemães 
do Sudoeste, em Baden-Baden, 27 de maio de 1906, no qual Aschaffenburg 
atacou o \u201cFragment of an Analysis of a Case of Hysteria\u201d, de Freud, e Jung 
se ergueu para replicar com vigor. Tanto a intervenção de Aschaffenburg 
quanto a réplica de Jung (CW 4) foram publicadas por um periódico de 
Munique \u2014 Miinchener medizinische Wochenschrift, LL1I:37 e 47 (setembro e 
novembro de 1906). (Cf. 2 J, 6 J).
16
Esse estudo encerrava, ou coroava, o volume dos Diagnostk 
Assocéation Studies16 que Jung enviou a Freud em abril de 1906, 
iniciando assim sua correspondência. O livro tinha a força de uma 
mensagem direta, pois nos estudos escritos quer por Jung, quer por 
Bleuler, havia citações da obra de Freud que demonstravam ampla­
mente a aceitação encontrada pela psicanálise no Burghõlzli. A pri­
meira verdadeira carta partiu de Freud em 11 de abril de 1906: um 
agradecimento caloroso pelo livro que, ansioso por ler, ele já com­
prara. Como a cortesia não impunha uma resposta de Jung, passa- 
ram-se quase seis meses sem qualquer novidade. Em junho Freud 
fez uma conferência que contém seus primeiros comentários publi­
cados sobre Jung, os experimentos de associação e a teoria dos com­
plexos.17 Durante o verão, Jung completou sua monografia sobre 
A Psicologia da Demência Precoce, para a qual