A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
261 pág.
Não Chame Ninguém de Mestre - Joyce Collin-Smith

Pré-visualização | Página 14 de 50

com o nome de Editiones Sol, que mostra seu estranho estado mental pouco 
antes de morrer.
Ouspensky morreu no dia 2 de outubro de 1947 em sua cama em Lyne Place, 
na presença de várias pessoas. Algumas horas antes, disse a todos que o rodeavam:
— Abandono o sistema. Comecem novamente por si mesmos.
Rodney me disse que ele estava segurando O. em seus braços quando este 
morreu. Logo depois de dar o último suspiro, de ser posto sobre a cama e coberto, 
Rodney deixou o lacrimoso grupo e entrou no vestíbulo ao lado. Trancou a porta. Ficou 
lá por um período de três, quatro ou seis dias, conforme a versão, sem responder a 
batidas na porta ou chamados. Enquanto isso, o corpo de Ouspensky foi removido do 
quarto e devidamente enterrado na igreja de Lyne.
Janet me disse que, após vários dias de tristeza e caos na casa, o dr. Francis 
Roles, pneumologista da rua Wimpole, amigo e seguidor fiel de Ouspensky há anos, 
assumiu o comando do grupo.
Eles começaram a se perguntar se deveriam mesmo "abandonar o sistema" ou 
se estas teriam sido apenas as palavras de alguém que já não estava mais no 
comando de seus pensamentos.
Ao mesmo tempo, a ansiedade em torno de Rodney, fechado, silencioso, sem 
responder a ninguém e sem emitir um único som de dentro do pequeno vestíbulo, 
causava uma crescente agitação. A pedido de Francis Roles, foi colocada uma escada 
que chegava até a janela do cômodo, e alguém começou a subir na tentativa de ver o 
que estava acontecendo. O silêncio prolongado já alarmava a todos, a ponto de alguns 
acharem que Rodney teria morrido.
Subitamente, a veneziana se abriu. A mão de Rodney apareceu e, com um 
violento empurrão, arremessou a escada para o jardim.
Janet disse:
— Pelo menos, todos viram que estava vivo. Tentei persuadir Francis a deixá-
lo sozinho em sua vigília, e depois disso ele concordou.
Em certo instante, o sino que Ouspensky costumava tocar para chamar a 
atenção soou alto, continuamente, na cozinha do porão. Ninguém sabia exatamente o 
que esperar. Janet foi enviada e entrou no vestíbulo, encontrando Rodney sentado 
com as pernas cruzadas sobre a cama de Ouspensky, a barba por fazer, o rosto 
magro, sujo.
De acordo com Janet, ele não comeu nem bebeu nada durante essa longa 
vigília, e ela afirma que não havia água no vestíbulo. Outros dizem que sim, e que ele 
não teria sobrevivido sem líqüido durante o período em que supostamente teria se 
isolado. De qualquer maneira, estava extremamente sedento. Pediu um pouco de suco 
de lima, e Janet o levou.
— Ele parecia muito estranho, infantil — ela me disse. — Tive dificuldade para 
me comunicar com ele. Disse-lhe que devia se lavar e fazer a barba. Levei-lhe um 
pente e o pus em sua mão. Ele ficou sentado por um bom tempo, olhando para o 
pente de todos os ângulos. Ele disse: "Este é o pente mais bonito que já vi".
Os comentários que Rodney fez naquele dia e nos seguintes soam quase que 
exatamente como os de alguém bastante drogado. Aldous Huxley disse, em seu The 
doors of perception (As portas da percepção), que quando fez experiências com a 
mescalina passou um longo tempo examinando o tecido de tweed de suas calças, 
achando que seu desenho era uma criação muito bonita e notável.
Ao me falar da vigília anos depois, no México, Rodney disse que O. tinha, de 
algum modo, invadido seu ser. Que teria sentido sua presença e achado que estava 
recebendo mensagens diretas, de um extraordinário poder e profundidade. Nada mais 
importava, exceto prestar atenção consciente naquela experiência interior, minuto a 
minuto. Ele sabia que não poderia ser perturbado enquanto tudo não acabasse.
Ele percebeu quatro níveis interpenetrantes da existência, que mais tarde 
chamou de "quatro mundos", usando-os como a base de A teoria da vida eterna. 
Seriam o mundo mineral, que reagia a um processo evolutivo muito, muito lento, 
funcionando em vibrações vagarosas; pensou que deveria ser o Inferno. O mundo 
celular, o mundo da carne, que reagia a uma escala de tempo diferente, a vibrações 
mais rápidas, representaria a Terra. O mundo molecular, o mundo dos aromas e da 
percepção sensorial, corresponderia ao Paraíso. E o mundo eletrônico, igualando-se à 
velocidade da luz, seria licenciosamente chamado de Céu. Os mundos não seriam 
apenas interligados e interpenetrantes; seriam unidos por uma escala de tempo 
logarítmica, através da qual a essência natural do homem e seu desenvolvimento do 
nascimento até a morte ou o julgamento poderiam ser medidos.
Quando escreveu A teoria da vida eterna, Rodney pintou os quatro mundos 
como quatro círculos girantes coloridos de vermelho, verde, azul e dourado, tocando-
se num ponto central, e superpôs a escala de tempo logarítmica numa série crescente 
de padrões tubulares. Richard Giatt a pintou novamente mais tarde, mas raramente é 
reproduzida em cores, e causa pouco impacto sem cor e claridade. Uma cópia em 
tamanho grande do original de Giatt adorna a parede de meu estúdio, e sempre 
chama a atenção daqueles que a identificam.
Em anos mais recentes, Tad Mann, astrólogo americano, tomou a teoria da 
escala de tempo logarítmica de Rodney Collin e a usou como base de seu próprio 
trabalho astrológico em livros como Round art of astrology (A arte circular da 
astrologia), Life time astrology (Astrologia da vida e do tempo) etc. Ele é um homem 
muito inteligente, cujo trabalho prezo bastante. Ele acha que a teoria é provável em 
termos astrológicos, talvez até científicos.
Logo após sair do quarto de Ouspensky, Rodney pediu para falar com os 
membros do grupo. Houve muitas versões deste evento que causou vivo interesse em 
alguns, e espanto ou dissabor em outros. A julgar pelos relatos, ele ainda estava 'alto'.
Logo depois, manifestou o desejo de sair de Lyne Place. Janet encontrou e 
alugou uma casa na rua St. James, em Londres, e eles se mudaram para lá.
— Finalmente, O. me deu material para escrever — disse.
E enquanto Janet mantinha a distância muitos visitantes importunos, curiosos 
ou insistentes, ele se trancou em seu estúdio e começou.
 4
Na época em que Rodney Collin nos visitou em Westerham, A teoria da vida 
eterna e A teoria da influência celeste já tinham sido publicados, e ele contava com um 
bom número de seguidores.
Francis Roles tinha assumido o que restara do grupo de Ouspensky em Lyne 
Place, bem como os seguidores londrinos, que estavam acostumados a assistir às 
palestras na sede de Ouspensky, próxima à Escola do Royal Ballet em Colet Gardens. 
Lá, as diversas disciplinas destinadas a produzir o desenvolvimento do potencial 
humano ainda eram seguidas, além de diversos detalhes e complementos 
acrescentados de tempos em tempos pelo próprio dr. Roles.
Ouspensky formara e registrara uma empresa chamada Sociedade para o 
Estudo do Homem Normal, depois alterada para Sociedade para o Estudo da 
Psicologia Normal por Francis Roles. Este título de aspecto inócuo, dando a seus 
estudos e obra uma imagem aceitável, baseava-se numa idéia de Ouspensky: a de 
que o homem se desvia continuamente da 'norma', que, em tese, deveria ser o estado 
de equilibrada serenidade e inteligência sagaz.
Gurdjieff ainda estava ensinando em Paris que o "homem é como uma casa 
dotada de instalação elétrica, mas ainda não ligada à rede". Grandes, até violentos 
esforços seriam necessários para fazer com que parasse de tatear às escuras em sua 
propriedade pessoal e "acendesse os cômodos", podendo assim começar a usar suas 
plenas possibilidades.
Vê-se, até hoje, que apenas uma pequena parte