A.R.Luria-Curso de Psicologia geral - Vol. 1
120 pág.

A.R.Luria-Curso de Psicologia geral - Vol. 1


DisciplinaLivros14.595 materiais90.341 seguidores
Pré-visualização33 páginas
representativa. De modo semelhante, as formas superiores de atividade 
consciente, de atenção ativa, memorização arbitrária e pensamento lógico que são específicas do homem 
não podem ser consideradas produto natural da evolução do cérebro, sendo o resultado da forma social 
específica de vida, que é característica do homem. Para explicar por via causai as funções psíquicas 
superiores do homem, é necessário ir além dos limites do organismo e procurar-lhes as fontes não no 
recôndito da ahna ou nas peculiaridades do cérebro mas na história social da humanidade, nas formas 
de linguagem e trabalho social que se constituíram ao longo da história da sociedade e trouxeram para a 
vida tipos mais aperfeiçoados de comunicação e novas formas de atividade consciente. 
Ao procurar tornar-se ciência autêntica, a Psicologia deve estudar a origem socialmente histórica das 
formas superiores de atividade consciente e assegurar uma análise científica das leis que lhes servem de 
base. 
6 
Essas teses básicas mudam radicalmente as tradições da psicologia dualista e delineiam 
nitidamente o objeto de uma Psicologia científica. 
A Psicologia do homem deve ocupar-se da análise das formas complexas de representação da 
realidade, que se constituíram ao longo da história da sociedade e são realizadas ]ielo cérebro 
humano. Ela deve substituir a anterior descrição subjetiva das formas complexas de atividade 
consciente por uma análise científica objetiva dessas formas, sem substituir essa tarefa pelo 
estudo dos processos fisiológicos que lhes servem de base nem limitar-se à descrição exterior 
dos mesmos. É essa a tarefa da ciência psicológica, que deve estabelecer as leis da sensação e 
percepção humana, regular os processos de atenção e memorização, de realização do 
pensamento lógico, formação das necessidades complexas e da personalidade, considerando 
todos esses fenômenos como produto da história social e sem separar esse estudo da análise dos 
mecanismos fisiológicos que lhes servem de base. É isto que constituirá a essência da Psicologia 
geral no todo e da psicologia do homem no particular. 
A Psicologia e outras ciências 
A Psicologia só pode desenvolver-se em estreita ligação com outras ciências, que não a 
substituem mas lhe asseguram informação importante para que ela possa ser bem-sucedida na 
elucidação do seu próprio objeto. 
A biologia é a primeira ciência com a qual a Psicologia deve manter a mais estreita ligação. 
Se a Psicologia animal opera com as formas de comportamento dos animais que se desenvolvem 
no processo de interação deles com o meio, torna-se absolutamente claro que a completa 
interpretação das leis do comportamento animal é impossível sem o conhecimento das formas 
básicas de vida que constituem o objeto da biologia. É necessário ter uma noção suficientemente 
nítida das diferenças que existem na vida dos vegetais e animais para perceber o principal que 
distingue todo tipo de comportamento ativo, baseado na orientação no meio circundante, das 
formas de vida que se esgotam com os processos de metabolismo e podem ocorrer fora das 
condições de uma orientação ativa na realidade. É necessário ter uma noção precisa do que 
muda 
7 
nas condições de vida com a transição da existência de unicelu-lares num meio aquático homogêneo a 
formas incomparavelmente mais complexas de vida multicelular, sobretudo nas condições de existência 
terrestre, que apresenta exigências imensas à orientação ativa baseada nas condições do meio, orientação 
essa que é a única que pode assegurar sucesso na obtenção de alimentos e conjuração de perigos. É 
necessário conhecer bem a diferença de princípios de vida entre o mundo dos insetos, com sólidos 
programas congênitos que asseguram uma sobrevivência bem-sucedida em condições estáveis e são 
capazes de conservar a espécie até em condições de mudança, e o mundo dos vertebrados superiores com 
seus poucos descendentes, que podem sobreviver somente com a evolução de novas formas 
individualmente mutáveis de comportamento, que garantem a adaptação ao meio em mudança. Sem esses 
conhecimentos dos princípios biológicos gerais de adaptação não se pode assegurar nenhuma 
compreensão nítida das peculiaridades do comportamento dos animais e qualquer tentativa de interpretar 
as complexas formas de atividade psíquica do homem perderá sua base biológica. 
Eis porque é absolutamente necessário para a Psicologia científica levar em conta as leis básicas da 
biologia e novas partes delas como a ecologia (doutrina que estuda as condições do meio e suas 
influências) e a etologia (doutrina das formas congênitas de comportamento). É natural que os fatos 
constituintes do objeto da ciência psicológica não podem, em hipótese nenhuma, reduzir-se a fatos 
biológicos. 
A segunda ciência com a qual a Psicologia deve manter a mais estreita ligação é a jisiologia, sobretudo a 
parte referente à atividade nervosa superior. 
A fisiologia trata dos mecanismos que exercem diferentes funções no organismo, ocupando-se da 
atividade nervosa superior dos mecanismos de trabalho do sistema nervoso que concretizam o 
"equilíbrio" do organismo com o meio. 
É fácil perceber a absoluta necessidade de conhecer o papel desempenhado nesse último processo pelas 
diferentes fases do sistema nervoso, de conhecer as leis pelas quais realiza-se a regulação dos processos 
de metabolismo no organismo, pelas quais se regulam as leis de funcionamento do tecido nervoso, que 
materializa os processos de excitação e inibição, e das complexas formações nervosas que executam os 
processos de análise e síntese, de confluência das conexões nervosas, e asseguram os processos de 
irradiação e concentração da excitação; é igual- 
8 
mente importante o^ conhecimento das formas básicas de trabalho das células nervosas, que se encontram 
em estado normal ou inibido (fásico). Tudo isso é absolutamente necessário para que o psicólogo, que 
estuda os tipos principais de atividade psíquica do homem, não se limite à simples descrição desses tipos 
mas saiba em que mecanismos se baseiam essas formas altamente complexas de atividade, conheça os 
dispositivos que as executam, os sistemas em que elas ocorrem. Desconhecer as leis da fisiologia 
implicaria em privar a Psicologia de uma das fontes mais importantes de conhecimento científico. Para a 
Psicologia, tem importância decisiva a sua ligação com as ciências sociais. 
As formas principais de atividade psíquica do homem surgem nas condições da história social, 
desenvolvem-se no processo de atividade material surgido ao longo da história, baseiam-se nos meios 
que se formaram no processo de trabalho, de emprego dos instrumentos de trabalho e da linguagem. Se 
não usasse os instrumentos de trabalho e a linguagem, o homem não disporia sequer de uma ínfima parte 
das possibilidades de que dispõe o seu comportamento concreto, ficaria privado da comunicação com o 
meio ambiente, evoluiria à margem das condições do mundo material \u2014 surgido no processo da história 
da sociedade \u2014 nem assimilaria a experiência de toda a humanidade, que é transmitida por meio da 
linguagem, esse receptáculo da informação. É natural que as formas de'atividade do homem são 
executadas pelo cérebro e se apoiam nas leis dos seus processos nervosos superiores. Por si mesmo 
nenhum sistema nervoso é capaz de assegurar a formação da capacidade de usar instrumentos de trabalho 
e linguagem e explicar o surgimento das formas altamente complexas de atividade humana, surgidas no 
processo da história social. 
A verdadeira relação entre a Psicologia e a fisiologia consiste em que a primeira estuda as formas e meios 
de atividade que surgiram no processo da história social e determinam o comportamento, enquanto a 
fisiologia da atividade nervosa superior estuda os mecanismos
Renata
Renata fez um comentário
H
0 aprovações
Brenda
Brenda fez um comentário
Muito obrigada!
3 aprovações
Carregar mais