História do Direito - dos Sumérios até a nossa Era - Aluisio Gavazzoni
210 pág.

História do Direito - dos Sumérios até a nossa Era - Aluisio Gavazzoni


DisciplinaHistória do Direito6.326 materiais285.167 seguidores
Pré-visualização45 páginas
to de pequenas desavenças; julgamento pelo cha-
mado conselho dos homens bons; com apelação para
o corte; abolição das ordálias e inclusão de investi-
gações e depoimentos.
11) A Justiça eclesiástica
Ficaram conhecidas com a adoção do processo es-
crito (decretais de Graciano), provas entendidas
como tradicionais vindas através dos séculos e as
ordálias; as decretais de Inocêncio III; a inquisitio;
a denuncia e a documentação escrita do processo, o
número de testemunhas, o sumário de culpa; os
cânones de Bonifácio III, processo secreto e suma-
rio, Segredo de justiça e a terrível nódoa da histó-
185Capítulo VII \u2014 Das Constituições
ria do direito, a criação do Tribunal do Santo Ofi-
cio de negra memória.
12) A Justiça Real.
A exigência de D. Pedro de submeter à sua aprova-
ção as encíclicas papais, a criação da casa de
suplicação, das mesas e relações; a criação da fian-
ça e a extinção dos juízos de Deus. D. Dinis e a Lei
das Sete Partidas; o recurso diretamente ao rei e a
fixação da competência ratione loci, a criação por
D. Afonso IV de juízes para fora e devassas; com D.
Fernando a implantação da plocia local e das
correcionais; com D. João I a criação das comarcas
e corregedores; a lei mental e a reserva para o rei
da nomeação de magistrados e a criação dos pro-
motores de Justiça.
13) O Brasil-Colônia
Foi regido, primeiramente, pela lei mental e pelas
Ordenações Filipinas promulgadas em 1446 pelo
Duque de Coimbra. Ordenações Manuelinas em
1521; juízes ordinários e juízes da coroa e da fa-
zenda e, a criação da primeira lei orgânica do Mi-
nistério Público, em 1565, que exigia o ingresso na
carreira por concurso publico e, por derradeiro, as
Ordenações Filipinas com seu livro 1, A Ouvidoria-
Geral do Rio de Janeiro e a Relação da Bahia ambas
em 1609 e a restauração criando a Ouvidoria-Ge-
ral de Pernambuco e do Tribunal de Relação do Rio
de Janeiro em 1751.
14) O Vice-Reino
Surge com a criação das Capitanias Gerais, das co-
marcas e dos juízes togados (ouvidores); tribunais
da relação, ouvidores de comarca, juízes ordinários,
juízes de órfãos, de vintena de sesmarias, juízes
conservadores, provedores, notários e meirinhos.
15) O Reino Unido
A mudança da Relação do Rio de Janeiro em casa
de suplicação, a criação da Relação do Maranhão; o
186 História do Direito
Conselho Supremo Militar; o Desembargo do Paço
e a Casa de Consciência e Ordens e as comarcas.
16) A constituição de 1824, o poder judicial como poder
político, o poder moderador e o poder judicial; os
tribunais de relação nas províncias e as garantias
da magistratura. O Supremo Tribunal de Justiça,
juízes e jurados. Juízes de paz e as garantias indi-
viduais bem como fixando a responsabilidade dos
juízes
17) Finalmente a República.
Surge, verdadeiramente, com a tripartição dos po-
deres e principalmente como reconhecimento da su-
premacia da jurisprudência federal e com o poder
constitucional dos estados. Nesta primeira Repú-
blica reconhece-se as duas justiças: a Federal e a
Estadual. Já na segunda República, vêm a Corte
Suprema e a Justiça Federal (1934); O Tribunal Fe-
deral de Recursos e juízes federais, a Justiça esta-
dual; os Tribunais de Apelação e juízes de direito;
a Justiça Eleitoral e a Militar (Nota do autor \u2014 em
1934 eu tinha 3 anos de idade).
18) O Estado Novo
Cria a Justiça do Trabalho, surge a quarta Repú-
blica em 1946 a Justiça em Federal e Estadual, o
Tribunal Federal de Recursos, Justiça Eleitoral e
do Trabalho, juízes militares e a organização com-
pleta do Judiciário estadual, os juízes de paz e os
Tribunais de Alçada. Surgem os atos institucionais
de números 1, 2 e 5. A reforma do Judiciário e as
emendas constitucionais. Finalmente vem a Cons-
tituição de 1988, substituindo as anteriores, sur-
gindo o Supremo Tribunal Federal como Corte Cons-
titucional, o Superior Tribunal de Justiça, Justiça
Federal, Tribunais Regionais Federais, Justiça Es-
tadual, Juizados Especiais.
Infelizmente ainda outras e numerosas virão.
187Capítulo VII \u2014 Das Constituições
Espero, honestamente, que as novas regras venham lim-
pas de casuísmo e de interesses políticos, visando, tão-so-
mente o Brasil e o seu sofrido povo.
ALUISIO GAVAZZONI,
17/03/2002
189Bibliografia
189
Bibliografia
A Bíblia Sagrada \u2014 Velho e Novo Testamento.
A. CLEMENS JOCKLE \u2014 Encyclopedia of Saints, 1995.
ADAUCTO FERNANDES \u2014 Elementos de Direito Internacional
Privado.
ADOLFO MACHADO PORTO \u2014 Manual de Filosofia, 18ª edi-
ção, Editora Educação Nacional de Portugal \u2014 Paris, 1948,
A. Cuvillier.
A. GAVAZZONI \u2014 A Nova Constituição e as Leis Penais \u2014 Dúvi-
das e Ponderações, 1988.
_________________ \u2014 Revisão Criminal \u2014 Teoria e Prática, 1984.
_________________ \u2014 Recursos no Processo Penal, 1987.
_________________ \u2014 Recursos no Processo Penal à Luz da Nova
Constituição, 1988.
_________________ \u2014 Aspectos Filosóficos da Arte e Uma Escola Bra-
sileira de Pintura, UFF, 1990.
_________________ \u2014 A História da Arte no Brasil.
_________________ \u2014 Aspectos Filosóficos da Arte e uma Escola Bra-
sileira de Pintura, publicada pela UFF em 1990.
_________________ \u2014 Breve História da Arte e seus Reflexos no Bra-
sil, Ed. Thex Editora, Biblioteca Universidade Estácio de Sá,
1998, RJ.
_________________ \u2014 A História do Direito \u2014 Dos Sumérios até a
nossa Era, Ed. Freitas Bastos, 1999, Rio.
A. H. OLIVEIRA MARQUES \u2014 Breve História de Portugal.
A. L. MACHADO NETO \u2014 Teoria Geral do Direito, 1966.
ALCEU AMOROSO LIMA \u2014 O Direito como Fato Social.
ALFRED A. KNOPF \u2014 The First Great Civilizations.
ÁLVARO DE VITA \u2014 Sociologia da Sociedade Brasileira, 7ª edi-
ção, Editora Ática, SP, 1998.
190 História do Direito
ANDRÉ ALBA \u2014 A Idade Média, 1967.
ANDRÉ FRANCO MONTORO \u2014 Revistas dos Tribunais Ltda.,
3ª edição, SP, 1999.
ANDRÉ RICHARD \u2014 A Critica de Arte, 1ª edição, SP, Editora
Martins Fontes, 1989.
ANDRÉ RICHARD \u2014 A Crítica de Arte.
ARNOLD HAUSER \u2014 História Social da Arte e da Cultura.
AURÉLIO BUARQUE DE HOLANDA FERREIRA \u2014 Pequeno
Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa, 11ª edição, 1964,
Editora Civilização Brasileira S.A., RJ.
BARK-SICHEL \u2014 Origens da Idade Média \u2014 O Renascimento.
BURCK HARDI \u2014 La Cultura del Renascimiento en ltalia.
CARLOS MAXIMILIANO \u2014 Hermenêutica e Aplicação do Direi-
to, 1933
_________________ \u2014 Direito Intertemporal.
CARNELUTTI \u2014 Lecciones.
CELSO RIBEIRO BASTOS e CARLOS AYRES DE BRITO \u2014 In-
terpretação e Aplicação das Normas Constitucionais, 1983.
CHARLES S. SINGLETON \u2014 Art, Science and History in the
Renaissence.
CNEU FLAVIO, Séc. IV, Lei das XII Tábuas
COMPILAÇÕES E NOVELAS JUSTINIANÉIAS
Ecogla Legum Compendiaria
Lex Rhodia
Prochiron Legum
Basilicas
Novellae Leonis
Synopsis Basilicorum (séc. X)
Synopsis (séc. XI)
Tipucito (sécs. XI/XII)
Synopsis Legum (séc. XI)
Espanagoge Aucta (séc. XI)
Synopsis Minor (séc. XIIl)
Promptuarium ou Manuale Legum (6 vol., séc. XI
Ordenações Afonsinas (séc. XV)
Ordenações Manuelinas (séc. XVI)
Ordenações Filipinas (séc. XVII)
Estatutos da Universidade de Coimbra (séc. XVIII)
Código Civil Brasileiro, 1917
191Bibliografia
Constituição brasileira de 1988.
Constituição do Brasil de 1946.
CUJACIO \u2014 Commentarii Iuris Civilis.
C.W. CERAN \u2014 Deuses, Túmulos e Sábios, 1953.
_________________ \u2014 O Segredo dos Hititas.
DAMÁSIO DE JESUS \u2014 Comentários ao Código Penal, I vol.,
1985.
_________________ \u2014 Código do Processo Penal Anotado.
DANIEL-ROPS \u2014 A Vida Cotidiana na Palestina no Tempo de
Jesus, 1961.
DE PURY \u2014 Revue Biblique 85, 1978.
Dictionnaire de la Peinture Française Larousse \u2014 França,
Larousse, 1989.
Documentos do Mundo da Bíblia, 1985 \u2014 Edições Paulinas.
Êxodo \u2014 Caps. XX e XXIII, Livro da Aliança.
O Corão
O Deuteronômio, Caps. XXI a XXVI.
O Talmude
O Levítico
D\u2019Orsay L\u2019exposition Whistler \u2014 Connaissance des Arts, nº hors-
série, Paris, 1995.