Resumo de CO g1
13 pág.

Resumo de CO g1


DisciplinaComportamento Organizacional6.099 materiais58.421 seguidores
Pré-visualização3 páginas
dos funcionários, com certeza resultará na melhoria da eficácia organizacional.
Capítulo 5 e 4 
Personalidade e emoções
Personalidade - é a soma total das maneiras como uma pessoa reage e interage com as demais. Ela é a mais frequentemente descrita com traços mensuráveis exibidos por um individuo. Podemos \u201csimplificar\u201d a definição de personalidade como sendo a soma de todas as formas como reagimos e interagimos com as pessoas que nos cercam.
Determinantes da personalidade
Hereditariedade \u2013 se refere aos fatores determinados pela genética de um individuo. A abordagem hereditária argumenta que a explicação definitiva para a personalidade de um indivíduo está na estrutura molecular de seus genes, localizada nos cromossomos.
Ambiente \u2013 o ambiente onde o indivíduo se encontra, seja trabalho, local de estudo ou mesmo em casa.
Situação \u2013 se refere a determinada situação que o individuo esteja passando.
Tipologia de personalidade
Tipos de Myers-Briggs (MBTI): teste de personalidade que avalia como as pessoas agem ou se sentem em determinadas situações.
- E ou I \u2013 extrovertidos ou introvertidos, onde os indivíduos extrovertidos são expansivos e assertivos. Os introvertidos são quietos e tímidos.
- S ou N \u2013 Bom senso ou intuitivos, onde os sensoriais são pragmáticos e preferem ordem e rotina. Os intuitivos confiam em processos inconscientes, são mais criativos e tem visão ampliada das situações.
- T ou F \u2013 Racionais ou emocionais, onde racionais usam a lógica e o raciocínio para lidar com os problemas, tomando decisões objetivas. Os emocionais tomam as decisões baseadas em valores pessoais e sentimentos acerca do assunto.
- P ou J \u2013 Perceptivos ou julgadores \u2013 Os perceptivos são flexíveis e espontâneos e tendem a sentirem-se ansiosos e inseguros ao tomar decisões. Os julgadores gostam de ter controle e querem ter seu mundo estruturado e organizado. 
	O que se pode afirmar é que se trata de uma ferramenta valiosa para auto-avaliação e que pode servir para a orientação de carreiras. Não se relacionam com o desempenho no trabalho, esse instrumento não deve ser utilizado como teste para seleção de candidatos a emprego.
Modelo Big Five \u2013 modelo de personalidade de cinco fatores que englobam as variações mais significativas da personalidade humana.
		- extroversão \u2013 dimensão que se refere ao nível de conforto de uma pessoa com seus relacionamentos. Identifica alguém sociável, agregador e acertivo;
		- amabilidade \u2013 dimensão que se refere à propensão de um indivíduo em acatar as ideias dos outros. Se refere a alguém de boa índole, colaborador e confiável.
		- conscienciosidade \u2013 uma medida de confiabilidade. Descreve um individuo responsável, persistente e organizado.
		- estabilidade emocional \u2013 se refere a capacidade de uma pessoa para lidar com o estresse. Caracteriza-se a pessoas calmas, autoconfiantes e seguras.
		- abertura para experiências \u2013 se refere ao interesse de uma pessoa e seu fascínio por novidades.
Os modelos MBTI e BigFive não cobrem todos os traços de personalidade. Existem outros atributos da personalidade que influenciam o comportamento organizacional.
	- autoavaliação básica;
	- Maquiavelismo
- Auto-estima (narcisismo?)
- Automonitoramento
- Assumir riscos
- Competitividade
- Proatividade 
Emoções \u2013 expressões afetivas intensas dirigidas e alguém ou alguma coisa. Podemos dizer que as emoções são uma súbita ruptura do equilíbrio afetivo de uma pessoa. ESTOU ZANGADO COM MEU CHEFE.
	Afeto \u2013 engloba grande variedade de sensações, inclusive emoções e sentimento;
Sentimentos (humores) \u2013 não estão direcionados a algo, são sentimentos mais \u201cgenéricos\u201d, e geralmente menos intensos que as emoções. HOJE ESTOU IRRITADO.
	Esforço emocional \u2013 a expressão de emoções desejadas pela organização feita pelos funcionários durante os relacionamentos interpessoais no trabalho.
Emoções sentidas x emoções demonstradas
	Emoções sentidas \u2013 as emoções genuínas de uma pessoa
Emoções demonstradas \u2013 são aquelas requeridas pela organização e considerada apropriadas para um determinado cargo. Estas não são inatas, são aprendidas.
São inúmeras as emoções que uma pessoa pode vivenciar (variedade), podendo variar de intensidade, frequência e duração.
Influências organizacionais e culturais podem limitar ou alterar as emoções e sentimentos.
A teoria dos eventos afetivos demonstra que os trabalhadores reagem emocionalmente às coisas que lhe acontecem no trabalho, e isso afeta seu desempenho e sua satisfação .
Inteligência emocional \u2013 é a capacidade da pessoa de:
	Ser autoconsciente do seu estado afetivo (reconhecer suas próprias emoções quando se sente);
	Detectar as emoções nos outros;
	Administrar as pistas e informações transmitidas pelas emoções.
As pessoas que conhecem suas próprias emoções e são boas em interpretar pistas emocionais \u2013 por exemplo, saber porque estão irritadas e como se expressar sem violar as normas \u2013 são provavelmente mais eficazes.
Capítulo 6
Percepção e tomada de decisão
Percepção \u2013 pode ser definida como o processo pelo qual os indivíduos organizam e interpretam suas impressões sensoriais com a finalidade de dar sentido ao seu ambiente. Entretanto, o que uma pessoa percebe pode ser substancialmente diferente da realidade objetiva.
O comportamento das pessoas baseia-se em sua percepção da realidade.
	Teoria da atribuição \u2013 foi proposta para explicar porque julgamos as pessoas de modo distinto, dependendo do significado que atribuímos a um dado comportamento. Basicamente, a teoria sugere, quando observamos o comportamento de alguém, tentamos determinar se a causa deste e interna ou externa.
Causas internas \u2013 são aqueles vistos como sob o controle do indivíduo.
Causas externas \u2013 é aquele que imaginamos ter sido provocado por uma situação enfrentada pelo individuo.
Causas internas e externas em relação a diferenciação, consenso e coerência:
	Diferenciação \u2013 se refere a questão de o indivíduo mostrar ou não, comportamentos diferentes em situações diversas.
	Consenso \u2013 se todas as pessoas que enfrentam determinada situação, responde de maneira semelhante.
	Consistência ou coerência \u2013 essa pessoa reage sempre da mesma forma. Quanto mais consistente o comportamento, mais inclinado fica o perceptor a atribuí-lo a causas internas.
Erros e vieses podem distorcer as distribuições
Erro fundamental de atribuição \u2013 tendência de subestimar a influência dos fatores externos e superestimara influência dos fatores internos ao julgar os comportamentos dos outros.
Viés de auto conveniência (oportunismo) \u2013 tendência de os indivíduos atribuírem o próprio sucesso e fatores internos e colocarem a culpa dos fracassos em fatores externos.
Simplificações no julgamento das outras pessoas
Ao julgarmos os outros, usamos simplificações:
- percepção seletiva \u2013 tendência que as pessoas têm de interpretar seletivamente o que veem, com base nos próprios interesses, experiências e atitudes. 
- efeito halo \u2013 tendência de formar uma impressão geral de alguém com base em única característica.
- efeitos de contraste \u2013 tendência de comparar as características de um indivíduo com as de outras pessoas.
- estereotipagem \u2013 julgamento de uma pessoa com base na percepção sobre o grupo ao qual ela pertence.
Tomada de decisão 
Modelo racional de tomada de decisão \u2013 um modelo que descreve como indivíduos devem de comportar para maximizar determinados resultados.
Definir o problema
Identificar critérios para decisão
Atribuir pesos a cada um dos critérios
Desenvolver alternativas
Avaliar alternativas
Escolher a melhor alternativa
Racionalidade limitada \u2013 processos de tomar decisões construindo modelos simplificados que extraem os aspectos essenciais dos problemas sem capturar toda a sua complexidade.
Como nossa racionalidade é limitada, em cada um dos passos do modelo, a solução final vai representar uma solução satisfatória, mas não a ideal.
Tomada de decisão intuitiva \u2013 processo cognitivo inconsciente gerado pelas experiências vividas.
Entra em campo, para COMPLEMENTAR