Codigo_de_Transito_Brasileiro
20 pág.

Codigo_de_Transito_Brasileiro


DisciplinaDireito Penal III5.917 materiais52.255 seguidores
Pré-visualização7 páginas
propulsão que circule por seus próprios meios, e que serve 
normalmente para o transporte viário de pessoas e coisas, ou para a tração viária de veículos utilizados para o transporte 
de pessoas e coisas. O termo compreende os veículos conectados a uma linha elétrica e que não circulam sobre trilhos 
(ônibus elétrico). 
 Assim, veículo automotor é todo veículo de propulsão a motor que serve para o transporte 
viário (terrestre) de pessoas e coisas, incluindo os veículos elétricos que não circulam sobre trilhos 
(ônibus elétrico). 
 
7.4. Inexistência da elementar na via pública: 
 
Prevalece o entendimento de que o CTB é aplicável mesmo que o homicídio culposo ocorra 
em via particular. Ex. no pátio de shopping Center, estacionamento de supermercado, em uma 
Fazenda. 
Isso se dá considerando que o tipo penal não contém a elementar via pública que existe em 
alguns outros tipos penais da lei. 
 
7.5. Causas de aumento de pena \u2013 art. 302, p. ún. 
 
a) Se o agente não tem permissão ou habilitação para dirigir: 
 
Nesse caso, o infrator não irá responder pelo homicídio culposo + o crime de falta de 
habilitação. Responderá pelo homicídio culposo com a pena aumentada pela falta de habilitação ou 
permissão para condução de veículo. 
Isso quer dizer que, se ocorre homicídio, o crime de falta de habilitação deixa de ser crime 
autônomo e passa a ser causa de aumento de pena. 
 
b) Se o agente praticar o delito em faixa de pedestres ou calçada: 
 
Não merece maiores exposições. 
Direito Penal IV - Código de Trânsito Brasileiro 
 
 Página 10 
 
c) Se o agente deixar de prestar socorro quando possível fazê-lo, sem risco pessoa, à vítima do 
acidente. 
 
Não socorrendo o agente a vítima, além da possibilidade de prisão em flagrante, tem-se a 
incidência de causa de aumento de pena. 
Sucede que, se o agente não prestou socorro porque corria risco pessoal, não haverá 
incidência da majorante. 
 
d) Se o delito for cometido no exercício de sua profissão ou atividade, estiver conduzindo 
veículo de transporte de passageiros: 
 
A majorante somente se aplica se o veículo for de transporte de passageiros, mas não no caso 
em que for transporte de cargas. 
 
e) V - estiver sob a influência de álcool ou substância tóxica ou entorpecente de efeitos 
análogos. (Incluído pela Lei nº 11.275, de 2006) (Revogado pela Lei nº 11.705, de 2008) 
 
CTB \u2013 redação 
original 
CTB \u2013 alterado pela Lei 11.275/06 CTB \u2013 alterado pela Lei 11.705/08 
Não havia previsão de 
causa de aumento de 
pena no crime de 
homicídio culposo em 
razão de embriaguez. 
(Não havia o inciso V). 
Obs.: Dúvida: 
302? 
302 + 306? 
Foi acrescentado o aumento de pena do 
art. 302 em razão da embriaguez. Essa 
alteração acabou com a seguinte 
discussão: condutor embriagado que 
pratica homicídio culposo \u2013 respondia por 
homicídio culposo + embriaguez? Ou 
apenas pelo homicídio culposo? Ao ser 
acrescentado o inciso V foi dirimida a 
discussão uma vez que o agente, agora 
responderia pelo homicídio (art.302) 
majorado pela embriaguez (art. 302, p. ún. 
V). 
Revogou a causa de aumento de pena da 
embriaguez. 
E aqui renasce a discussão existente quanto 
ao CTB na redação original. E aqui surgem 
duas correntes: 
1ª Corrente: responderá o agente somente 
pelo homicídio culposo pois o crime de 
embriaguez é crime de perigo abstrato e 
menos grave que o homicídio culposo, ficando 
absorvido pelo crime de dano. Essa é a 
corrente majoritária. 
 
2ª Corrente: afirma que o condutor 
embriagado que pratica o homicídio culposo 
responde pelo homicídio culposo + 
embriaguez ao volante em concurso material. 
O fundamento dessa corrente é de que os 
crimes têm objetos jurídicos diferentes (vida e 
segurança viária), e momentos consumativos 
diferentes. 
 
 
8. Análise do art. 303 \u2013 Lesão corporal culposa: 
 
 Art. 303. Praticar lesão corporal culposa na direção de veículo automotor: 
 Penas - detenção, de seis meses a dois anos e suspensão ou proibição de se obter a permissão ou a habilitação para 
dirigir veículo automotor. 
 Parágrafo único. Aumenta-se a pena de um terço à metade, se ocorrer qualquer das hipóteses do parágrafo único do 
artigo anterior. 
Direito Penal IV - Código de Trânsito Brasileiro 
 
 Página 11 
 
 Aplica-se à lesão corporal culposa tudo que foi dito para o homicídio culposo, inclusive quanto 
às causas de aumento de pena que são as mesmas. 
Obs.: O resultado não é a morte da vítima, e sim a lesão corporal. 
 
8.1. Ação penal: 
 
Há duas situações: 
 
a) Se o crime for praticado em uma das circunstâncias do art. 291, §1º I a III, CTB: trata-se de 
ação penal pública incondicionada. 
 
b) Não sendo abrangido pelas situações acima: trata-se de ação penal pública condicionada à 
representação. 
 
8.2. Infração de menor potencial ofensivo: 
 
O crime de lesão culposa é infração de menor potencial ofensivo, salvo se incidir alguma causa 
de aumento de pena, oportunidade em que a lesão culposa deixará de ser infração de menor 
potencial ofensivo. 
 
8.3. Causa de aumento de pena: 
 
A lesão culposa tem a pena aumentada de um terço até a metade se o agente não é habilitado 
ou não tem permissão para dirigir. 
 Se a vítima não oferecer representação pelo crime de lesão corporal há possibilidade de o 
agente ser processado pelo crime autônomo de falta de habilitação? O STF e o STJ, de forma pacífica, 
entendem que não. Se a vítima não oferecer a representação, o infrator não pode ser processado 
pelo crime autônomo de falta de habilitação ou permissão para dirigir. Justifica-se esse entendimento 
porque quando ocorre a lesão, o crime de falta de habilitação perde sua autonomia e passa a ser 
causa de aumento de pena do crime de lesão corporal culposa, ou seja, passa a ser acessório que 
segue o principal. 
 
9. Dolo eventual nos acidentes de trânsito: 
 
É possível reconhecer dolo eventual nos acidentes de trânsito \u2013 homicídio e lesão corporal \u2013 
desde que fique comprovado que o agente assumiu o risco do resultado. Nesse sentido, STJ, Resp. 
719.477, 249.604. 
 
10. Análise do art. 304 do CTB \u2013 Omissão de socorro no CTB: 
 
Direito Penal IV - Código de Trânsito Brasileiro 
 
 Página 12 
 
 Art. 304. Deixar o condutor do veículo, na ocasião do acidente, de prestar imediato socorro à vítima, ou, não 
podendo fazê-lo diretamente, por justa causa, deixar de solicitar auxílio da autoridade pública: 
 Penas - detenção, de seis meses a um ano, ou multa, se o fato não constituir elemento de crime mais grave. 
 Parágrafo único. Incide nas penas previstas neste artigo o condutor do veículo, ainda que a sua omissão seja suprida 
por terceiros ou que se trate de vítima com morte instantânea ou com ferimentos leves. 
 
Somente pode praticar esse delito o condutor, na ocasião do acidente. 
Atente-se que os únicos dois crimes que envolvem acidente são o homicídio e a lesão corporal 
e nessas hipóteses a omissão de socorro já é causa de aumento de pena, pelo que não há 
possibilidade de o condutor responder por homicídio culposo ou lesão culposa com a pena 
aumentada pela omissão de socorro em concurso com o art. 304 do CTB. 
Daí que a doutrina chegou a dizer que esse delito seria inaplicável. Posteriormente, chegou-se 
a conclusão que esse delito é aplicável ao condutor que não agiu com culpa alguma o que faz crer que 
não irá responder pelo delito de homicídio ou de lesão corporal, e, omite socorro. 
 
10.1. Sujeito ativo: 
 
O sujeito ativo é o condutor do veículo envolvido no acidente. 
Ocorre que, no homicídio culposo e na lesão culposa de trânsito (únicos crimes nos quais há 
acidente
Marcelo
Marcelo fez um comentário
de que data foi esse trabalho?
0 aprovações
Carregar mais