Aprender Antropologia - François Laplantine
172 pág.

Aprender Antropologia - François Laplantine


DisciplinaAntropologia Geral e Juridica50 materiais2.212 seguidores
Pré-visualização44 páginas
deste, o que so´ e´ poss´\u131vel porque esse objeto e´, tanto
quanto ele, sujeito.
Trabalhando inicialmente com uma abordagem semelhante a` de Durkheim,
a reflexa\u2dco da Mauss desembocou, como vemos, em posic¸o\u2dces muito diferen-
tes. Estamos longe do distanciamento sociolo´gico que supo\u2dce a metodologia
durkheimiana, e pro´ximos da pra´tica etnogra´fica de Malinowski. Este u´ltimo
ponto merece alguns comenta´rios.
Os Argonautas do Pac´\u131fico Ocidental, de Malinowski, e o Ensaio sobre o
Dom, de Mauss, sa\u2dco publicados com um ano de intervalo (o primeiro em
1922, o segundo em 1923). As duas obras sa\u2dco muito pro´ximas uma da ou-
tra. A segunda supo\u2dce o conhecimento dos materiais recolhidos pelo etno´-
grafo. A primeira exige uma teoria que sera´ precisamente constitu´\u131da pelo
antropo´logo. Os Argonautas sa\u2dco uma descric¸a\u2dco meticulosa desses grandes
circuitos mar´\u131timos transportando, nos arquipe´lagos melane´sicos, colares e
pulseiras de conchas: a kula. O Ensaio sobre o Dom e´ uma tentativa de
esclarecimento e elaborac¸a\u2dco da kula, atrave´s da qual Mauss na\u2dco apenas vi-
sualiza um processo de troca simbo´lica generalizado, mas tambe´m comec¸a
a extrair a existe\u2c6ncia de leis da reciprocidade (o dom e o contradom) e da
comunicac¸a\u2dco, que sa\u2dco pro´prias da cultura em si, e na\u2dco apenas da cultura tro-
briandesa. Enquanto Os Argonautas, a obra menos teo´rica de Malinowski,
evidencia o que Leach chama de \u201dinflexa\u2dco biolo´gica\u201d, o Ensaio sobre o Dom
ja´ expressa preocupac¸o\u2dces estruturais.
71
O fato de poder ser abordada de diferentes maneiras, de suscitar inter-
pretac¸o\u2dces mu´ltiplas, ou mesmo vocac¸o\u2dces diversas, e´ pro´prio de toda obra
importante, e a obra de Mauss esta´ incontestavelmente entre estas. Muitos
mestres da antropologia do se´culo XX (estou pensando particularmente em
Marciel Griaule, fundador da etnografia francesa, em Claude I.e´vi-Strauss,
pai do estruturalismo, em Georges Devereux, fundador da etnopsiquiatria)
o consideram como seu pro´prio mestre. Mauss ocupa na Franc¸a um lugar
bastante compara´vel ao de Boas nos Estados Unidos, especialmente para to-
dos os que, influenciados por ele, procuraram promover a especificidade e a
unidade das cie\u2c6ncias do homem.
72 CAPI´TULO 5. OS PRIMEIROS TEO´RICOS DA ANTROPOLOGIA:
Parte II
As Principais Tende\u2c6ncias Do
Pensamento Antropolo´gico
Contempora\u2c6neo
73
Cap´\u131tulo 6
Introduc¸a\u2dco:
Com o trabalho efetuado pelos pais fundadores da etno-grafia \u2013 Boas, Ma-
linowski, Rivers. . . \u2013 e pelos primeiros teo´ricos da nova cie\u2c6ncia do social
\u2013 Durkheim e Mauss \u2013, podemos considerar que a antropologia entrou em
sua maturidade. O que examinaremos agora sa\u2dco os desenvolvimentos contem-
pora\u2c6neos. Na\u2dco se trata evidentemente de apresentar aqui um panorama com-
pleto desse per´\u131odo que cobre mais de meio se´culo (1930-1986), ta\u2dco grande e´ a
diversidade e a riqueza do campo antropolo´gico explorado, e tambe´m porque
nos falta dista\u2c6ncia para fazer o balanc¸o dos trabalhos que nos sa\u2dco propria-
mente contempora\u2c6neos. Contentar-nos-emos, mais modestamente, em abrir
algumas trilhas (mais pro´ximas da trilha do que da auto-estrada) que per-
mitam destacar as tende\u2c6ncias dominantes do pensamento e da pra´tica dos
antropo´logos de nossa e´poca. Podemos fazer isso de tre\u2c6s diferentes maneiras.
6.1 Campos De Investigac¸a\u2dco
A primeira via, que me recusarei a adotar por razo\u2dces que comec¸aram a ser
expostas no in´\u131cio desse livro, consistia em levantar as a´reas de investigac¸a\u2dco
e estudar os resul tados obtidos em cada uma ou em algumas delas. O
desenvolvimento do pensamento cient´\u131fico implica uma diferen ciac¸a\u2dco cres-
cente dos campos do saber. A antropologia na\u2dco apenas tende a progredir
por disjunc¸a\u2dco em relac¸a\u2dco a` filosofia, sociologia, psicologia, histo´ria. . . (po-
dendo manter paralelamente canais e espac¸os de articulac¸a\u2dco e confronto),
mas avanc¸a, dentro de sua pro´pria pra´tica, especializando-se e instaurando
ate´ subespecialidades.1
1Especialidades: antropologia das tecnologias, antropologia econo\u2c6mica, antropologia
dos sistemas de parentesco, antropologia pol´\u131tica, antropologia religiosa, antropologia
art´\u131stica, antropologia da comunicac¸a\u2dco, antropologia urbana, antropologia industrial. ..
75
76 CAPI´TULO 6. INTRODUC¸A\u2dcO:
Se deixamos de lado essa primeira forma poss´\u131vel de exposic¸a\u2dco do campo
antropolo´gico contempora\u2c6neo, e´ porque consideramos que uma disciplina
cient´\u131fica (ou que pretende se\u2c6-lo) na\u2dco deva ser caracterizada por objetos
emp´\u131ricos ja´ constitu´\u131dos, mas, pelo contra´rio, pela constituic¸a\u2dco de objetos
formais. Ou seja, a u´nica coisa pass´\u131vel, a nosso ver, de definir uma disciplina
(qualquer que seja), na\u2dco e´ de forma alguma um campo de investigac¸a\u2dco dado
(a tecnologia, o parentesco, a arte, a religia\u2dco. . .), muito menos uma a´rea
geogra´fica ou um per´\u131odo da histo´ria, e sim a especificidade da abordagem
utilizada que transforma esse campo, essa a´rea, esse per´\u131odo em objeto ci-
ent´\u131fico.
6.2 Determinac¸o\u2dces Culturais
Uma segunda via, que apenas esboc¸aremos aqui, consistiria em mostrar o
que a pesquisa do antropo´logo deve a` cultura a` qual ele pro´prio pertence.
As condic¸o\u2dces histo´ricas e sociais de produc¸a\u2dco do saber antropolo´gico sa\u2dco
eminentemente diversificadas, e na\u2dco seria satisfato´rio relaciona´-las a`penas ao
\u201dOcidente\u201d, como se este fosse um bloco homoge\u2c6neo e Imuta´vel. Mostrare-
mos quais foram os caracteres culturais distintivos que marcavam profunda-
mente e continuam influenciando va´rias sociedades nas quais o pensamento e
a pra´tica (antropolo´gicas esta\u2dco hoje particularmente desenvolvidos. Limitur-
nos-emos a tre\u2c6s: a antropologia americana, a brita\u2c6nica h francesa.
A antropologia americana:
Tendo tido um crescimento ra´pido com o impulso especialmente do evolu-
cionismo e de seu principal teo´rico Lewis Morgan, pode ser caracterizada da
seguinte maneira:
1) trata-se de um tipo de pesquisa que destaca a diversidade das culturas-
, as variac¸o\u2dces praticamente ilimitadas que aparecem quando se comparam
as sociedades entre si. Esse estudo, conduzido mais a partir da observac¸a\u2dco
dos comportamentos individuais do que do funcionamento das instituic¸o\u2dces,
visa evidenciar a especificidade das personalidades culturais, bem como das
produc¸o\u2dces culturais caracter´\u131sticas de uma etnia ou nac¸a\u2dco. Disso decorre a
Subespecialidades: etnolingu¨´\u131stica, etnomedicina, etnopsiquiatria, etnomusicologia, de que
so´ se domina a pra´tica para uma a´rea geogra´fica limitada.
6.2. DETERMINAC¸O\u2dcES CULTURAIS 77
importa\u2c6ncia, nos Estados Unidos, das relac¸o\u2dces da etnologia com a psicologia
ou a psicana´lise:
2) a antropologia americana na\u2dco se interessa apenas pelos processos de in-
terac¸a\u2dco entre os indiv´\u131duos e sua cultura, mas tambe´m entre as pro´prias1
culturas: forjou, em especial, o conceito de \u201daculturac¸a\u2dco\u201dao qual voltaremos
mais adiante;
3) nunca foi confrontada, ao contra´rio do que ocorreu na Franc¸a e na Ingla-
terra, aos processos da colonizac¸a\u2dco e descolonizac¸a\u2dco, mas, em contrapartida,
aos problemas colocados por suas pro´prias minorias (negra, \u131´ndia e portorri-
quenha);
4) acrescentemos finalmente que se a antropologia americana contribuiu muito
cedo em grande parte (Boas) para po\u2c6r um fim a` arroga\u2c6ncia das reconstituic¸o\u2dces
histo´ricas especulativas, reatualizou e renovou ao mesmo tempo, em seus de-
senvolvimentos contempora\u2c6neos, a abordagem evolucionista sob a forma do
que e´ hoje chamado neo-evolucionismo
A antropologia brita\u2c6nica:
Seu crescimento, tambe´m muito ra´pido, como nos Estados Unidos, deve ser
relacionado a` importa\u2c6ncia de seu impe´rio colonial. Pode ser caracterizada da
seguinte maneira:
1) e´ uma antropologia antievolucionista, que se constituiu desde Malinowski
em oposic¸a\u2dco a uma compreensa\u2dco histo´rica do social (as reconstruc¸o\u2dces hi-
pote´ticas dos esta´gios, indo