UFERSA - Aula de Dir. Empresarial ALUNO 2013.2
60 pág.

UFERSA - Aula de Dir. Empresarial ALUNO 2013.2


DisciplinaDireito Empresarial I21.540 materiais91.957 seguidores
Pré-visualização18 páginas
empresarial, sendo ligados pelo símbolo &. É possível a utilização do nome de alguns sócios ao invés de todos, colocando-se no final a expressão \u201c& Companhia\u201d, por extenso ou abreviado. Por exemplo:
Jorge Silveira, Francisco Silveira & Arnoldo Lima Comércio de Couros.
Jorge Silveira & Companhia.
Jorge Silveira & Cia.
3.2 A Sociedade em Comandita Simples.
> Na sociedade em comandita simples tomam parte sócios de duas categorias, a saber:
a) os comanditados, pessoas físicas, responsáveis solidária e ilimitadamente pelas obrigações sociais; São os comandantes ou administradores. Entram com capital e trabalho. 
b) os comanditários (pessoas físicas ou jurídicas), obrigados somente pelo valor de sua quota. São investidores, pois entram apenas com o capital. Não podem trabalhar na sociedade como empregados nem como gestores.
> O contrato deve discriminar os comanditados e os comanditários. 
> Os comanditários não podem praticar nenhum ato de gestão nem ter o nome da firma social, sob pena de ficar sujeito às responsabilidades de sócio comanditado.   
> Os comanditários, embora não possam gerir a empresa, podem participar das deliberações da sociedade e de fiscalizar suas operações.
> Estas sociedades empresariais podem usar como nome a firma ou razão social, não podendo utilizar denominação.
> No nome empresarial só podem constar os nomes pessoais dos sócios comanditados (administradores).
> A responsabilidade dos sócios:
a) Comanditados: Respondem solidária e ilimitadamente pelas dívidas da sociedade. 
b) Comanditários: Respondem pelas dívidas da sociedade somente até o limite do capital que investiram.
3.3 A Sociedade Limitada. 
3.3.1 Características:
> Nasce a partir de um contrato entre duas ou mais pessoas: o Contrato Social. 
> Na sociedade limitada, a responsabilidade de cada sócio é restrita ao valor de suas quotas, quando já integralizadas. 
> A responsabilidade patrimonial dos sócios restringe-se ao valor das suas quotas integralizadas dentro da sociedade, ou seja, o seu patrimônio pessoal fica protegido. Os sócios somente poderão perder, no máximo, as quotas já integralizadas.
> Observe que o que é limitada é a responsabilidade de cada sócio, mas não da própria sociedade, já que esta sempre responderá ilimitadamente por suas próprias dívidas.
> Mas atenção: se os sócios subscreverem quotas e deixarem de integralizá-las, os mesmos terão responsabilidade subsidiária e solidária referente ao valor que faltou integralizar. 
> Caso o capital subscrito já tenha sido integralizado, a responsabilidade dos sócios desaparece, permanecendo somente a responsabilidade da sociedade empresária.
3.3.2 Exemplo numérico:
- Suponha que três pessoas \u2013 A, B e C - se uniram para constituir uma sociedade de responsabilidade limitada, contribuindo com os seguintes valores:
	Sócio 
	Capital Subscrito
	Capital Integralizado
	A
	R$ 20,00 (20%)
	R$ 20,00
	B
	R$ 30,00 (30%)
	R$ 20,00
	C
	R$ 50,00 (50%)
	R$ 20,00
	Capital Total
	R$ 100,00 (100%)
	R$ 60,00
	Falta Integralizar
	R$ 40,00
	Dívidas contraídas pela sociedade (Respons. Ilimitada)
	R$ 160,00
	Dívida paga pela própria sociedade
	R$ 60,00
	Dívida paga pelos sócios, solidariamente
	R$ 40,00
	Dívida que ficará em aberto
	R$ 60,00 (160 \u2013 60 \u2013 40)
> Palavras-chave:
- Capital subscrito.
- Integralização.
- Responsabilidade subsidiária. 
- Responsabilidade solidária.
> Pergunta-se: Quem pagará as dívidas da sociedade caso esta não tenha patrimônio suficiente?
- Respostas:
a) Se os sócios ainda não integralizaram o capital subscrito, estes responderão solidariamente, até o limite do que faltou integralizar. A dívida que estiver além desses valores ficará em aberto.
b) Se os sócios integralizaram todo o capital subscrito, a responsabilidade deles será nula e as dívidas da sociedade ficarão em aberto.
3.3.3 Outras Características: 
> Nome Empresarial: pode usar firma/razão social ou denominação, sempre acrescido do termo \u201cLimitada\u201d ou \u201cLtda.\u201d
> Expulsão de sócio, hipóteses: 
a) sócio remisso; 
b) sócio que comete falta grave contra a sociedade, p. ex., concorrer com a própria sociedade de que faz parte.
> Administração: o gerente ou os gerentes são designados no próprio contrato social ou em ato separado. Ocorrendo escolha em ato separado, o contrato social deverá ser atualizado na Junta.
> Direito de retirada: Ocorre quando o sócio sai da sociedade e é reembolsado pela própria sociedade.
- O sócio somente pode exercer o direito de retirada ou recesso nas sociedades limitadas, quando houver: 
a) Modificação do contrato;
b) Fusão da sociedade;
c) Incorporação de outra, ou dela por outra.
3.3.4 A extinção da sociedade.
> Sua extinção ocorre em três etapas:
1ª) Dissolução, que pode ocorrer pelos seguintes motivos (art. 1.033 e 1.034, CC):
I \u2013 Por vontade dos sócios. 
II - Por decurso do prazo de duração. 
III \u2013 Falência.
IV \u2013 Unipessoalidade: admite-se a existência de um único sócio por no máximo 180 dias, sob pena de dissolução (Art. 1.033, IV, CC). 
V \u2013 Irrealizabilidade do objeto social: 
- Quando a sociedade não desperta mais o interesse dos consumidores; não há demanda.
- Quando há grave dissenso entre os sócios.
- Quando não há capital suficiente para a empresa realizar seu objeto social.
VI \u2013 Exaurimento do objeto social.
- A sociedade já cumpriu o objetivo para a qual foi criada, p. ex., já construiu a obra a que se propunha ou realizou o serviço que era seu objeto social.
VII \u2013 Extinção de autorização para funcionar.
VIII \u2013 Causas contratuais.
- O próprio contrato social pode prever causas para a dissolução da sociedade, p. ex., a redução do número de sócios abaixo de um número \u201cx\u201d, a não obtenção de percentual \u201cx\u201d de lucratividade etc.
2ª) Liquidação:
- É o meio pelo qual uma sociedade mercantil dissolvida dispõe do seu patrimônio, transformando-o em recursos para pagar suas dívidas e apurar o saldo positivo ou negativo. 
- Um dos sócios deverá ser escolhido como liquidante.
- O nome da sociedade deverá ser acrescido da expressão \u201cem liquidação\u201d.
3ª) Partilha:
- É a distribuição do saldo da sociedade entre os sócios, de forma que estes devem receber a parte que lhes cabe ou dividir entre si os prejuízos que se verificarem, contribuindo para saldar as eventuais dívidas restantes.
3.4 A Sociedade Anônima. 
3.4.1 Definição.
> É um tipo de sociedade empresarial também chamada de companhia, na qual o capital social é dividido em ações, obrigando-se cada sócio ou acionista somente pelo preço de emissão das ações que subscrever ou adquirir. 
> A sociedade anônima rege-se por lei especial (Lei n° 6.404/76 e disposições posteriores), aplicando-se, nos casos omissos, as disposições do Novo Código Civil (artigos 1.088 e 1.089). 
3.4.2 Nome.
> Somente podem utilizar nome empresarial do tipo denominação. Inviável a utilização de Firma/Razão Social.
> Somente podem utilizar um nome de fantasia ou, excepcionalmente o nome de civil de alguém que se deseje homenagear \u2013 geralmente o fundador. 
> O nome será sempre acrescido da expressão \u201cSociedade Anônima\u201d ou \u201cCompanhia\u201d, por extenso ou abreviadamente (S.A. ou Cia).
> Caso se opte pela utilização do termo \u201cCompanhia\u201d ou \u201cCia\u201d, este somente poderá ser utilizado antes da denominação, para evitar a confusão com o termo \u201c& Companhia, utilizado em outros tipos societários. Exemplos:
- Banco do Ceará S.A.
- Banco do Ceará Sociedade Anônima.
- S. A. Banco do Ceará.
- Sociedade Anônima Banco do Ceará.
- Cia. Banco do Ceará.
- Companhia Banco do Ceará.
> Inviável:
- Banco do Ceará Cia.
- Banco do Ceará Companhia.
3.4.3 A responsabilidade dos Sócios.
> Os sócios respondem somente até o limite do que falta para a integralização das ações subscritas e ainda não integralizadas.
> Significa dizer que uma vez integralizada a ação, o acionista não terá mais nenhuma responsabilidade