UFERSA - Aula de Dir. Empresarial ALUNO 2013.2
60 pág.

UFERSA - Aula de Dir. Empresarial ALUNO 2013.2


DisciplinaDireito Empresarial I21.277 materiais91.711 seguidores
Pré-visualização18 páginas
sem relevante razão jurídica, levado a efeito por oficial público, a requerimento do titular de um documento representativo de crédito líquido e certo. 
> Deve ser feito no cartório de protestos. 
> É só a constatação autêntica do não-pagamento.
> Ele é necessário porque o vencimento de uma obrigação sem pagamento, por si só, não traduz a inadimplência cambial. É necessário que se prove tanto o vencimento do débito, quanto a mora do devedor.
> Efeitos: 
- Torna público o título.
- Atesta a inadimplência.
- Comprova que o credor tentou receber o crédito. 
- Prova a impontualidade.
- Constitui o devedor em mora.
- \u201cSuja\u201d o nome do devedor, dificultando seu crédito na praça. 
4.6.4 Endosso.
> É o ato cambiário através do qual se opera a transferência do crédito representado no título \u201cnominativo à ordem\u201d (chamado de endosso próprio).
> É uma forma de transmissão dos títulos de crédito, através do lançamento da assinatura do proprietário do título no verso ou no anverso do documento. > Somente o credor ou titular do documento pode realizar o endosso.
- Espécies de Endosso:
a) Endosso em preto ou completo.
> É aquele em que o endossante (pessoa que dá o endosso) expressamente identifica o nome do endossatário.
> É o que contém indicação do beneficiário (endossatário). Ex. \u201cEndosso em nome de Francisco José\u201d e assina, ou \u201cPague-se a fulano de tal\u201d e assina.
> Endosso em preto pode ser lançado no verso ou no anverso.
b) Endosso em branco ou ao portador.
> É aquele em que o endossante não identifica a pessoa do endossatário.
> Consiste na simples assinatura do titular sem qualquer dizer, lançada obrigatoriamente no verso do título.
> Endosso em branco deve ser lançado no verso do documento para não se confundir com o aceite, que é feito no anverso.
> Faz com que um título nominal passe a circular como se fosse título ao portador.
c) Endosso parcial.
> É aquele que transfere apenas uma parte do valor do título.
> É nulo no direito brasileiro.
d) Endosso condicional.
> É aquele que transfere o crédito somente se cumprida determinada condição imposta. 
> Não é aceito no direito brasileiro.
e) Endosso mandato. 
> Quando junto ao endosso vem a expressão \u201cpor procuração\u201d, ou \u201cpara cobrança\u201d, ou \u201cvalor a cobrar\u201d, traduz um mandato, para que o endossatário possa agir em nome do endossante afim de receber o valor representado entregando-o ao endossante. Não transmite os direitos da cártula, mas tão somente a posse.
> É uma espécie de endosso impróprio porque não transfere a titularidade, mas apenas legitima a posse.
f) Endosso caução.
> É aquele em que o título é onerado por penhor em favor de credor do endossante, de modo que, cumprida a obrigação garantida pelo penhor, o título retorna ao endossante. 
> O endosso-caução não transfere a titularidade do crédito. Somente na eventualidade de não cumprimento da obrigação garantida, é que o endossatário por endosso-caução apropria-se do crédito representado pelo título. 
> Vem acompanhado dos termos:
\u201cPague-se a fulano, este valor em garantia\u201d ou 
\u201cPague-se a fulano este valor em penhor\u201d.
> É uma espécie de endosso impróprio porque não transfere a titularidade de imediato, mas apenas num segundo momento, caso não tenha sido cumprida a obrigação assumida, que foi garantida pelo título dado por endosso caução.
> O endosso deve ser lançado no próprio título (Princípio da Literalidade e da Cartularidade), mas a negociação subjacente deve estar especificada em contrato assinado pelas partes.
> Garante obrigação extracartular.
> Não pode o endossatário pignoratício transferir o título a outra pessoa na qualidade de proprietário.
> Representando caução ou garantia de uma obrigação principal entre o devedor-endossante e o credor endossatário, o endosso-caução (endosso-garantia ou endosso pignoratício) cessará o seu efeito jurídico se houver o adimplemento dessa obrigação pelo endossante, quando haverá o dever de restituição da posse da caução representada pelo título de crédito; caso contrário, se a obrigação principal caucionada pelo título de crédito for inadimplida pelo endossante, a propriedade do título de crédito será consolidada em favor do endossatário, que passará a dispor juntamente da posse e da propriedade do título de crédito.
g) Endosso sem garantia.
> É uma exceção aos efeitos do endosso próprio, pois significa que o endossante está transferindo o título ao endossatário, mas não se responsabiliza pelo seu pagamento, caso devedor principal não o pague.
> Por ser exceção tem que ser expresso, através da inclusão do dizer: \u201cPague-se a fulano, sem garantia\u201d. 
h) Endosso póstumo.
> É o endosso feito depois do protesto por falta de pagamento. 
> Produz efeito de cessão ordinária ou cessão civil de crédito, ou seja, sem as garantias cambiárias, de forma que o endossante não fica coobrigado ao pagamento do título.
- Efeitos do endosso próprio ou translativo. 
- Em regra, o endosso feito antes do protesto produz os seguintes efeitos jurídicos:
a) Transfere a titularidade da cártula;
b) Transforma o endossante em coobrigado pelo pagamento do crédito, gerando uma nova garantia de pagamento, pois o endossante passa a ser responsável solidariamente pelo pagamento do crédito, junto com o emitente, o aceitante, o avalista e os outros endossantes se houver.
- O devedor que paga sua dívida com a simples tradição do título (Título ao portador), sem endossá-lo, não se responsabiliza solidariamente pelo pagamento da cártula emitida por terceiros. 
4.6.5 Aval. 
> É garantia cambiária utilizada nos títulos de crédito, em que um terceiro, denominado o avalista, garante o pagamento do título de crédito.
- Avalista: é a pessoa que presta o aval. Para isso, basta a sua assinatura, em geral, na frente do título, precedida do termo \u201cPor aval\u201d. 
- O avalista assume RESPONSABILIDADE SOLIDÁRIA pelo pagamento da obrigação, o que significa que se o título não for pago no dia do vencimento por seu devedor principal, o credor poderá cobrá-lo diretamente do avalista, se assim o desejar. 
- Avalizado: é o devedor que se beneficia do aval, tendo sua dívida garantida perante o credor. 
- Se o avalizado não pagar o título, o avalista terá que fazê-lo. 
- Se o avalista for obrigado a pagar o título no lugar do seu devedor principal, terá este avalista o direito de cobrar posteriormente do avalizado aquilo que pagou por ele. 
- Aval parcial: É possível, pois o avalista pode optar em avalizar o valor total do crédito ou somente uma parte dele.
- Se o aval for parcial, o avalista deverá expressamente especificar no aval lançado no título, o valor pelo qual está disposto a se comprometer.
- Aval em preto: aquele que identifica o nome do avalizado.
- Aval em branco: aquele que não identifica o nome do avalizado. 
- Obs.:
- O aval tem que ser por escrito, no próprio título, no verso ou no anverso. 
- Deve conter a expressão: \u201cPor aval\u201d ou \u201cBom para aval\u201d, seguido da assinatura do avalista.
- Aval X Fiança.
> O Aval é concedido somente nos títulos de crédito, enquanto a fiança é prestada nos contratos.
> Na fiança, é possível ser evocado o chamado benefício de ordem, enquanto no Aval isto não é possível.
> Exige-se a outorga do cônjuge do avalista, exceto se casados no regime de separação total de bens
4.6.6 Pagamento.
> Pagamento é a forma de extinção de uma, algumas ou todas as obrigações representadas em um título de crédito.
> O pagamento feito pelo devedor principal extingue todas as obrigações contidas em um título.
> O pagamento de um título cambial (ou de crédito) deve cercar-se de cuidados. O devedor que paga deve exigir que lhe seja entregue o título original, com quitação dada na própria cártula. 
4.7 Ação Cambial.
> É a ação judicial de cobrança de título de crédito quando este não foi espontaneamente liquidado.
4.8 Principais Títulos de Crédito.
> Os principais títulos de crédito são:
1. Letra de câmbio;
2. Nota promissória.