EBC15 - O Cenário Político do Governo Juscelino (1956-1961)
2 pág.

EBC15 - O Cenário Político do Governo Juscelino (1956-1961)


DisciplinaEconomia Brasileira Contemporânea I250 materiais1.107 seguidores
Pré-visualização1 página
23/10 - O Cenário Político do Governo Juscelino (1956-1961) 
 
1 - Governo Café Filho (1954-1955) 
\uf0b7 Com a morte de Vargas (24/08/1954), assumiu a presidência o advogado potiguar Café 
Filho, pertence ao Partido Social Progressita, liderado por Ademar de Barros 
\uf0b7 Café Filho era mais conservador que Vargas 
\uf0b7 Ministério com diversos membros da União Democrática Nacional (UDN) 
\uf0b7 Eugênio Gudin (Ministério da Fazenda); Eduardo Gomes (Ministro da Aeronáutica); 
\uf0b7 Na área econômica, o ortodoxo Gudin (agosto 1954 - abril 1955) propôs um plano de 
estabilização interna que visava conter o aumento da inflação e uma mudança no 
regime cambial que melhorasse o saldo da balança de pagamentos 
\uf0b7 1954: inflação em torno de 30% e preços de café em queda nos Estados Unidos 
\uf0b7 Novo regime cambial (27/01/1955): com poucas divisas e sem muito apoio dos 
empréstimos norte-americanos, foi instituída a Instrução 113 da SUMOC 
(Superintendência da Moeda e Crédito) 
\uf0b7 A Cacex do BB podia emitir licenças de importação sem cobertura cambial 
(sem ter necessidade de compra de moeda estrangeira) para a importação 
de máquinas e equipamentos 
\uf0b7 Benefício que se voltava às firmas com unidades no Brasil. 
\uf0b7 Inflação: Gudin conforme visão ortodoxa, identificava o problema da inflação com 
duas causas: aumento do déficit público e do crédito na economia brasileira, 
ambos financiados via emissão primária de moeda 
\uf0b7 Medidas monetárias contracionistas: aumentou o nível dos depósitos 
compulsórios dos bancos comerciais; aumentou a taxa de redesconto; 
colocou limites aos empréstimos das carteiras do Banco do Brasil 
\uf0b7 Resultado: crise de liquidez que afetou os bancos (falências) e a indústria 
(queda nos investimentos) e queda de Gudin em 04/04/1955, assumindo o 
banqueiro paulista José Maria Whitaker 
\uf0b7 Whitaker: reviu os pontos da política monetária, retomando a concessão de 
crédito às atividades produtivas, diminuindo o nível dos compulsórios 
\uf0b7 Resultados econômicos do Governo Café Filho (1954-1955) foram bons, indicando que 
o processo de ISI continuou 
\uf0b7 Crescimento do PIB em 1954: 7,8% com a indústria crescendo 9,3% (enquanto a 
agricultura aumentou sua produção em 7,9%) 
\uf0b7 Crescimento do PIB em 1955: 8,8% com a indústria crescendo 11,7% (enquanto a 
agricultura aumentou sua produção em 7,7%) 
\uf0b7 Indústria: cresceu apesar das medidas contracionistas de Gudin 
\uf0b7 Inflação: caiu de 30% em 1954 para 13,1% em 1955, queda devido não só à 
política contracionista de gudin, pois fatores estruturais colaboraram com esta 
queda (queda dos preços agrícolas) 
 
2 - A Eleição de JK (outubro de 1955) 
\uf0b7 Partido Social Democrático (PSD) lançou o médico mineiro Juscelino Kubitschek, então 
governador de Minas Gerais 
\uf0b7 03/10/1955: JK ganha 
\uf0b7 O vice-presidente, eleito com 500 mil votos a mais que Juscelino, foi João Goulart (PTB) 
\uf0b7 UDN: não aceitava o resultado eleitoral indicando que o JK não obteve maioria 
absoluta (50% +1) e planejava um golpe para impedir a posse de JK e Jango 
\uf0b7 11/11/1955: o general Lott - ex-ministro da Guerra de Café Filho - iniciou um 
movimento que reuniu os militares para garantir a manutenção da legalidade 
\uf0b7 Militares ocuparam prédios públicos, estações de rádios e jornais 
\uf0b7 Depôs o presidente interino Carlos Luz, assumindo Nereu Ramos (Presidente do 
Senado), que saiu do Rio de Janeiro junto com Carlos Lacerda e outras lideranças 
golpistas 
\uf0b7 Decretado Estado de sítio até a posse de JK e Goulart em 31/01/1955. 
 
3 - O Governo Nacional-Desenvolvimentista de JK (1956-1960) 
\uf0b7 Segundo JK, um líder ambicioso e entusiasta da nação, o destino do Brasil era o caminho 
do desenvolvimento entendido como industrialização 
\uf0b7 Síntese deste projeto: Plano de Metas (investimentos em energia, transporte) 
\uf0b7 JK tinha o apoio dos industrias, trabalhadores, agricultores e intelectuais 
\uf0b7 A oposição vinha da UDN e da classe média urbana, espantada com os males do 
desenvolvimentismo de JK: corrupção, gastos excessivos para construção de Brasília. 
\uf0b7 Mérito de JK para conter a oposição e os militares: não misturou populismo esquerdista 
com nacionalismo desenvolvimentista. Além disso a aliança PSD-PTB tinha maioria no 
Congresso.