Prática Profissional e Interdisciplinariedade

Prática Profissional e Interdisciplinariedade


DisciplinaDireito e Legislacao Social217 materiais9.252 seguidores
Pré-visualização8 páginas
Likert é um estudo que identificou quatro tipos básicos de liderança nas 
organizações. O sistema um, o líder autoritário coercivo. O sistema dois, o líder autoritário benevolente. 
O sistema três, o líder consultivo. O sistema quatro, o líder participativo. Cada sistema apresenta suas 
características, abordadas por Likert (1979):
O Sistema 1 Autoritário Coercivo, neste caso o conflito entre as forças motivacionais enfraquecem 
a motivação para atingir os objetivos, as atitudes do grupo são hostis e sempre contraditórias aos objetivos 
da organização, este grupo demonstra medo, sofre ameaças, punições e as recompensas são ocasionais. 
O Sistema 2 Autoritário Benevolente mostra que em geral existem conflitos, às vezes as atitudes 
podem ser contraditórias aos objetivos ou não, ele puni de forma real e há recompensas. Este grupo 
demonstra responsabilidade nos níveis de administração e em níveis médios é relativamente pouca esta 
responsabilidade pelos objetivos da organização. 
O Sistema 3 Consultivo mostra moderada interação do grupo, muitas vezes e visível certa 
quantidade de confiança e crédito uns nos outros. 
Já por sua vez, no Sistema 4 Participativo, o clima é bom, a confiança é completa, a comunicação 
é excelente em todos os níveis, os funcionários pos sua vez se sentem totalmente à vontade para discutir 
esses assuntos com seus superiores. 
A cooperação é vista em toda a organização havendo assim confiança uns nos outros. São sempre 
envolvidos nas decisões relacionadas com seu trabalho. Há participação e envolvimento grupal e 
responsabilidade pessoal com todos os níveis, há pouca punição e recompensas sociais. 
Assim trabalhando com o participativo a organização apresentará alta produtividade, trabalho em 
equipe, aumenta o nível de rentabilidade e boas relações grupais. Os itens que Likert (1979) cita para 
13
Professora Ms. Amanda Boza Gonçalves
EspEcialização Em GEstão social, políticas públicas, 
REdEs E dEfEsa dE diREitos
 PRÁTICA PROFISSIONAL E INTERDISCIPLINARIDADE
alcançar maior produtividade nas relações interpessoais são uma supervisão orientada, liberdade no 
ambiente de trabalho, a confiança uns com os outros, técnicas de trabalho participativas e decisões 
consensuais. 
Likert (1979, p. 123-124) propõe que:
Emprega-se participação para estabelecer objetivos organizacionais que integrem satisfatoriamente as necessidades 
e desejos de todos os membros da organização [...] para provocar os motivos que ensejam atitudes cooperativas 
e favoráveis e não atitudes hostis, a participação e o comprometimento nas decisões fazem parte dos proces-
sos de liderança. O emprego extensivo da participação é uma das mais importantes abordagens utilizadas pelos 
administradores de alta produtividade.
Portanto, é possível verificar que a rede de interação e influência nesses sistemas consistem em 
uma estrutura de processos de liderança, na qual é fundamental para que o sistema se desenvolva de 
forma eficiente. A eficiência, nesta rede, muitas vezes ficará dependente da adequação dos processos 
de interação entre o grupo e a grande influencia do líder. 
3 \u2013 SENTIDO E DIRECIONALIDADE DA AÇÃO PROFISSIONAL: projeto soci-
etário e projeto profissional.
3.1 - O PROJETO SOCIETÁRIO
Eu tenho um projeto ético-político?
Qual é o seu projeto profissional?
Qual é o meu projeto institucional?
Qual é o meu projeto societário ?
Esse é um diálogo que cada um deve assumir para si mesmo! Falamos há pouco sobre a 
sistematização da prática profissional e, antes de efetivá-la, devemos compreender o que a categoria 
profissional e cada um, como profissionais, entendem e pensam sobre a realidade atual, sobre a dimensão 
técnico-operativa da sua profissão, sobre a linha teórica adotada, dentre outros. Qual é a sociedade que 
queremos? Desejamos a continuação desse sistema em que vivemos hoje? Com suas ações, atitudes 
políticas, opção pelo neoliberalismo, enfim, com todas as características que vivenciamos cotidianamente 
e que, no dia-dia do profissional, principalmente do que trabalham na área social, são mais evidenciadas 
ainda. 
Vivemos cotidianamente com diversas ideologias e todos assumem a sua, ampla ou singularmente. 
A opção ideológica de cada um tem uma força significativa na escolha por um projeto societário.
E por falar em visão de mundo, projetos, profissão, seres-humanos, o que vem a ser projeto societário?
Toda a atividade do ser humano, independente de ser individual ou coletiva, é composta considerando 
sempre as suas necessidades, os seus interesses, ou seja, essas ações implicam sempre em um 
determinado projeto, que, nada mais é, do que a intenção de determinadas finalidades as quais se quer 
chegar. Isso ocorre a partir de uma invocação de valores que vêm legitimar determinados meios para 
alcançar essas ações. Assim, os projetos societários são projetos coletivos, que apresentam uma imagem 
14
Professora Ms. Amanda Boza Gonçalves
EspEcialização Em GEstão social, políticas públicas, 
REdEs E dEfEsa dE diREitos
 PRÁTICA PROFISSIONAL E INTERDISCIPLINARIDADE
que deve ser construída da sociedade. Para justificar essa imagem, os projetos afirmam determinados 
valores e privilegiam alguns meios que consideram necessários, como material e cultural, a fim de 
concretizar tal imagem.
Podemos dizer que a gênese dos projetos societários acontece por meio de projetos macroscópicos, 
que trazem em seu bojo propostas para o conjunto da sociedade. Dessa forma, o projeto societário é o 
único que apresenta a característica da amplitude, o que não acontece no caso do projeto profissional, 
por exemplo.
Ao olharmos para a nossa sociedade, entenderemos que os projetos societários acabam sendo 
projetos de classe simultaneamente. Com o estado neoliberal, essa situação se objetivou cada vez mais, 
prorrogando a consecução dos antagonismos. Portanto,
A primeira questão que se deve considerar quando pensamos em projetos (individuais ou coletivos) em uma so-
ciedade de classes é o caráter político de toda e qualquer prática. Todas as formas de prática envolvem interesses 
sociais os mais diversos que se originam, através de múltiplas mediações, das contradições das classes sociais 
em conflito na sociedade. O que as movem na verdade são as necessidades sociais reais que lançam os homens 
em atividades humano-criadoras percebidas no metabolismo social (trabalho \u2013 ato fundante das relações sociais). 
As necessidades humanas, constituídas e desenvolvidas ao longo do desenvolvimento sócio-histórico do ser social, 
levam a humanidade a um processo interminável de busca de sua autorreprodução, estabelecendo, assim, um 
mundo prático-material composto de várias atividades e práticas distintas. A constituição desse mundo prático-
material desencadeia um consequente e necessário mundo prático ideal, que reproduz o primeiro no campo das 
ideias (TEIXEIRA; BRAZ, 2009, p. 186).
Se pensarmos nessa questão, também podemos analisar que no projeto societário, como em qualquer 
outro projeto coletivo, existe uma dimensão política muito forte, a qual envolve necessariamente relações 
de poder. Isso não significa que esta dimensão obriga os projetos a serem diretamente identificados com 
determinados posicionamentos partidários, por mais que reconheçamos aqui que os partidos políticos são 
considerados instituições indispensáveis e até mesmo insubstituíveis para a efetivação da democracia 
no capitalismo desses novos tempos.
Se olharmos para a história verificaremos que, como na cena contemporânea, temos a marca das 
classes sociais, e os projetos societários, por sua vez, vêm responder os interesses essenciais desses 
núcleos, além de se configurarem como estruturas flexíveis e passíveis de mudança, ao tomarem para si 
novas aspirações, e, podendo se transformar segundo a conjuntura histórica e política vigente. 
Diante disso, poderia dizer tranquilamente que na contemporaneidade,