Fundamentos da adm.
30 pág.

Fundamentos da adm.


DisciplinaIntrodução à Administração23.382 materiais697.542 seguidores
Pré-visualização9 páginas
gerais de administração sugeridos por Henri Fayol são ainda considerados, por grande parte dos administradores, úteis na prática administrativa contemporânea. São as regras básicas de conduta do administrador para conduzir a direção. Constituem a base da ciência da administração. Estes princípios, escritos em 1916, estão apresentados na ordem desenvolvida por Fayol, com as respectivas explicações. São eles:
1. Divisão de trabalho \u2013 entre grupos e indivíduos, para garantir que esforço e atenção
estejam focados em porções especiais da tarefa; Fayol propôs a especialização do
trabalho como a melhor maneira de usar os recursos humanos da organização;
2. Autoridade e Responsabilidade \u2013 a autoridade é definida como \u201co direito de dar ordens e o poder para a exata obediência\u201d; responsabilidade envolve ser confiável e, deste
modo, está naturalmente associada à autoridade;
3. Disciplina \u2013 depende de obediência, aplicação, comportamento e respeito aos acordos estabelecidos; 
4. Unidade de Comando \u2013 os trabalhadores nas organizações deveriam receber ordens de um \u201cgerente\u201d somente, para evitar conflitos e mal-entendidos;
5. Unidade de Direção \u2013 a organização toda deveria estar se movendo em direção a um
objetivo comum, numa direção comum;
6. Subordinação do interesse individual ao interesse geral \u2013 os interesses de uma pessoa (ou grupo) não deveriam prevalecer sobre os interesses da organização como um todo;
7. Remuneração do Pessoal \u2013 o pagamento deveria ser justo \u2013 não-explorativo \u2013 e deveria recompensar bom desempenho; deveriam ser usados vários modos de pagamento, tais como tempo, trabalho, razão de produção etc.; recompensas não-financeiras também deveriam ser usadas;
8. Centralização \u2013 segundo a definição de Fayol, a centralização era como \u201ca diminuição
da importância do papel do subordinado\u201d, enquanto a descentralização era a elevação
desta importância; os graus de centralização/descentralização adotados dependem de
cada organização específica na qual o \u201cgerente\u201d está trabalhando;
9. Cadeia Escalar ou Hierarquia \u2013 definida por Fayol como linha de autoridade, queria significar certa quantidade de autoridade correspondente à posição hierárquica, mas significava também que níveis mais baixos de administradores deveriam sempre manter os níveis mais altos informados das suas atividades;
10. Ordem \u2013 para o bem da eficiência e coordenação, todos os materiais e pessoas
relacionadas a um tipo específico de trabalho deveriam ser designados à mesma
localização geral na organização; um lugar para cada um no seu lugar;
11. Eqüidade \u2013 que Fayol diferenciava de justiça, era pôr em execução as convenções
estabelecidas \u2013 mas as convenções não poderiam prever tudo e, então, precisavam ser
interpretadas, ou suas inadequações, complementadas; todos os empregados deveriam
ser tratados o mais \u201cigualmente\u201d possível;
12. Estabilidade do pessoal no cargo \u2013 a retenção dos trabalhadores mais produtivos
deveria ser alta prioridade da administração; custos de recrutamento e seleção, bem
como de defeitos, estão associados normalmente à contratação de novos empregados;
13. Iniciativa \u2013 os administradores deveriam encorajar a iniciativa do trabalhador, que pode ser definida como \u201cuma nova ou adicional atividade empreendida por vontade própria\u201d;
14. Espírito de equipe \u2013 os administradores deveriam enfatizar a harmonia e a boa vontade geral entre os empregados, como grandes forças da organização.
Henri Fayol, a respeito dos princípios gerais da administração, ressaltou: \u201cNão existe nada rígido ou absoluto, quando se trata de problemas da administração; é tudo uma questão de proporção\u201d.
Críticas à Teoria Clássica 
Obsessão pelo comando - Tendo como ótica a visão da empresa a partir da gerência administrativa, Fayol focou seus estudos na unidade do comando, autoridade e na responsabilidade. Em função disso, é visto como obcecado pelo comando. 
A empresa como sistema fechado - A partir do momento em que o planejamento é definido como sendo a pedra angular da gestão empresarial, é difícil imaginar que a organização seja vista como uma parte isolada do ambiente. 
Manipulação dos trabalhadores - Bem como a Administração Científica, fora tachada de tendenciosa, desenvolvendo princípios que buscavam explorar os trabalhadores. 
Funções Gerenciais X Princípios Científicos 
A Teoria da Administração Científica (Taylor) estudava a empresa privilegiando as tarefas de produção enquanto a Teoria Clássica da Administração (Fayol) a estudava privilegiando a estrutura da organização. Ambas as teorias buscavam alcançar o mesmo objetivo: maior produtividade do trabalho e a busca da eficiência nas organizações. Se a Administração Científica se caracterizava pela ênfase na tarefa realizada pelo operário, a Teoria Clássica se caracterizava pela ênfase na estrutura que a organização deveria possuir para ser eficiente. A conseqüência destas Teorias foi uma redução no custo dos bens manufaturados. Aquilo que fora um luxo acessível apenas aos ricos, como automóveis ou aparelhos domésticos, tornou-se disponível para as massas. Mais importante, foi o fato de que a teoria tornou possível o aumento dos salários, ao mesmo tempo em que reduzia o custo total dos produtos.
Henri Fayol
ABORDAGEM HUMANÍSTICA DA ADMINISTRAÇÃO 
TEORIA DAS RELAÇÕES HUMANAS 
Precursor: Elton Mayo;
Ênfase: Pessoas;
Conclusões da Experiência de Hawthorne (1927-1932);
Necessidade de se humanizar e democratizar a Administração;
O desenvolvimento das ciências humanas (Psicologia e Sociologia);
Enfoque: Organização informal, Motivação, liderança, comunicações e dinâmica de grupo.
Foi um movimento de resposta contrária à Abordagem Clássica da Administração, considerada pelos trabalhadores e sindicatos como uma forma elegante de explorar o trabalho dos operários para benefício do patronato. Essa alta necessidade de se humanizar e democratizar a Administração nas frentes de trabalho das indústrias aliado ao desenvolvimento das ciências humanas \u2013 psicologia e sociologia, dentre outros \u2013 e as conclusões da Experiência de Hawthorne fez brotar a Teoria das Relações Humanas. 
A Teoria das Relações Humanas surgiu nos Estados Unidos, como conseqüência das conclusões da Experiência de Hawthorne, desenvolvida por Elton Mayo e colaboradores. A experiência de Hawthorne foi um movimento de reação e oposição à Teoria Clássica da Administração, desligada totalmente da preocupação anterior, que era voltada para as tarefas e para a estrutura, ela tinha agora como preocupação maior as pessoas. Foi um experimento relacionado com a luminosidade no ambiente de trabalho e a eficiência dos operários, em relação a sua produção. Após os primeiros resultados, a pesquisa logo se estendeu ao estudo da fadiga, dos acidentes de trabalho, da rotação do pessoal e do efeito das condições físicas de trabalho sobre a produtividade dos operários.
Foi verificado pelos pesquisadores que os resultados da experiência eram prejudicados por variáveis de natureza psicológica. A partir daí, eles tentaram eliminar ou neutralizar o fator psicológico, então estranho e impertinente, motivo pelo qual a experiência se prolongou até 1932, quando foi suspensa devido à crise de 1929. A fábrica da Western Electric Company, já desenvolvia uma política de pessoal voltada para o bem estar dos seus operários e com a experiência pretendia, não o aumento da produção, mas sim, conhecer melhor os seus empregados.Com as conclusões iniciais tomadas a partir da Experiência de Hawthorne, novas variáveis são acrescentadas ao já enriquecido dicionário da administração:
\u2022 A integração social e comportamento social dos empregados;
\u2022 As necessidades psicológicas e sociais e a atenção para novas formas de recompensa e sanções não-materiais;
\u2022 O estudo de grupos informais e da chamada organização formal;
\u2022 O despertar para as relações humanas dentro das organizações;
\u2022 A ênfase nos aspectos emocionais e não-racionais do comportamento