Fundamentos da adm.
30 pág.

Fundamentos da adm.


DisciplinaIntrodução à Administração29.886 materiais747.424 seguidores
Pré-visualização9 páginas
constituem as necessidades primárias porque se referem à própria sobrevivência do indivíduo, enquanto as demais necessidades que estão na parte superior da hierarquia são necessidades secundárias e, portanto, mais ligadas ao comportamento do indivíduo sob o ponto de vista psicológica e social. São as necessidades que motivam o comportamento, dando-lhe direção e conteúdo.
Necessidade de auto-realização: Auto-realização, auto-desenvolvimento e auto-satisfação. 
Necessidade de estima: Orgulho, auto-respeito, progresso, confiança, necessidades de status, reconhecimento, apreciação, admiração pelos outros. 
Necessidades Sociais: Relacionamento, aceitação, afeição, amizade, compreensão, consideração. 
Necessidade de Segurança: Proteção contra perigo, doença, incerteza, desemprego, roubo. 
Necessidades Fisiológicas: Alimento, repouso, abrigo, sexo. 
Abrahan Maslow
\u2022 Satisfeito necessidade inferior \u2013 outra superior surge no comportamento. 
\u2022 Nem todas as pessoas chegam ao topo da pirâmide. 
\u2022 Cada pessoa possui sempre mais que uma motivação. 
\u2022 Comportamento motivado é canal satisfação de necessidades. 
\u2022 Se há frustração em uma necessidade \u2013 ocorre uma ameaça e leva a reações de emergências no comportamento. 
Estilos de ADMINISTRAÇÃO
As organizações são dirigidas por administradores \u2013 como presidentes, diretores, gerentes, supervisores \u2013 que adotam determinados estilos para lidar com seus subordinados. Os humanistas verificam que a administração das organizações é fortemente condicionada pelos estilos adotados, pelos administradores que nelas dirigem o comportamento das pessoas. Os estilos de administração dependem das convicções que os administradores têm a respeito do comportamento humano na organização. Essas convicções moldam não apenas a maneira de conduzir as pessoas, mas também a maneira como se divide o trabalho e como se planejam, organizam e controlam as atividades. Assim, podemos definir dois estilos de administração: teorias X e Y.
Teoria X e Teoria Y 
McGregor, um dos mais famosos autores da Administração ficou também conhecido pela sua obra The Human side of Enterprise, que explica bem as teorias que iremos conhecer, McGregor preocupou-se em comparar dois estilos opostos e antagônicos de administração: de um lado, um estilo baseado na teoria tradicional, excessivamente mecanicista (a que deu nome de Teoria X) e, de outro, um estilo baseado nas concepções modernas a respeito do comportamento humano (a que denominamos Teoria Y). 
Teoria X 
É a concepção tradicional de administração e se baseia em convicções errôneas e incorretas sobre o comportamento humano, como, por exemplo: 
O homem é indolente e preguiçoso por natureza, ele evita o trabalho
Falta-lhe ambição, não gosta de assumir responsabilidades. O homem é egocêntrico. 
A sua própria natureza o leva a resistir às mudanças. 
A sua dependência o torna incapaz de autocontrole e autodisciplina. 
Em função dessas concepções e premissas a respeito da natureza humana, a Teoria X reflete um estilo de administração duro, rígido e autocrático e que se limita a fazer as pessoas trabalharem dentro de certos esquemas e padrões previamente planejados. 
Toda vez que um administrador imponha arbitrariamente e de cima para baixo um esquema de trabalho e passe a controlar externamente o comportamento de trabalho de seus subordinados, ele estará fazendo Teoria X. O fato de ele impor autocraticamente ou impor suavemente não faz diferença segundo McGregor. 
A teoria X se fundamenta em uma série de pressuposições errôneas acerca do comportamento humano e apregoa um estilo de administração onde a fiscalização e o controle externo rígido, constituem mecanismos para neutralizar a desconfiança da empresa quanto às pessoas que nela trabalham. 
Segundo esta teoria o único estímulo para o trabalho é somente pelo salário, se o estímulo salarial não vem, o trabalho não sai. 
Teoria Y
O trabalho é uma coisa tão natural quanto o lazer e o descanso. Punições e ameaças não são as únicas 		 Douglas McGregor
formas de obter a cooperação e a participação do indivíduo. É a moderna concepção de administração, de acordo com a teoria comportamental. A teoria Y se baseia em concepções e premissas atuais e sem preconceitos a respeito da natureza humana. É um estilo oposto à teoria X. Considera que o homem não evita o trabalho, que é, na verdade, uma fonte de satisfação. A resistência existente no homem não é natural, mas sim resultado de experiências negativas que possam ter condições não só de assumir responsabilidades, mas também de procurar por mais responsabilidades em seu trabalho, ter auto-controle e auto-disciplina para cumprir suas tarefas sem necessitar de constante supervisão.
Segundo McGregor, a motivação, o potencial e a capacidade de assumir responsabilidades estão presentes em cada pessoa. A empresa, porém, precisa criar condições para que elas desenvolvam essas características. O procedimento para tanto consiste em criar oportunidades, dar vazão ao potencial e remover os obstáculos.
A Teoria Y desenvolve um estilo de administração muito aberto e dinâmico, extremamente democrático, através do qual administrar é um processo de criar oportunidades, liberar potencialidades, remover obstáculos, encorajar o crescimento individual e proporcionar orientação quanto a objetivos. 
	Pressuposições da Teoria X
	Pressuposições da Teoria Y
	As pessoas são preguiçosas e indolentes.
	As pessoas são esforçadas e gostam de ter o que fazer.
	As pessoas evitam o trabalho.
	O trabalho é uma atividade tão natural como brincar ou descansar.
	As pessoas evitam a responsabilidade, a fim de se sentirem mais seguras.
	As pessoas procuram e aceitam responsabilidades e desafios.
	As pessoas precisam ser controladas e dirigidas.
	As pessoas podem ser automotivas e autodirigidas.
	As pessoas são ingênuas e sem iniciativa.
	As pessoas são criativas e competentes.
CONCLUSÃO
As Teorias criadas por Mc Gregor apresentam diferentes abordagens e são reflexos de fenômenos históricos, culturais, econômicos, tecnológicos e sociais de uma época onde não havia estudos específicos sobre o comportamento humano. 
Muitas teorias novas foram criadas, vários estudos foram realizados, mas fica claro o uso ainda das teorias criadas por Mc Gregor em várias organizações. Em algumas organizações é utilizado o sistema X, enquanto que em outras, fica evidente o sistema Y, ou ainda, em outras, notamos fortes traços das duas teorias. Certamente não existe uma fórmula perfeita para se obter resultados positivos com os recursos humanos, mas os estudos realizados apontam que, para se obter uma administração de qualidade, necessita-se de recursos bem aplicados. O maior capital existente em uma organização está intrinsecamente ligado aos recursos humanos e a sua capacidade de se desenvolver. Não podemos descartar as teorias existentes e os êxitos alcançados no passado e presente. Todos os estudos realizados demonstram que a administração cientifica ainda desenvolve grandes resultados em várias organizações.
Notamos que, em determinadas empresas que adotam a teoria X, muito embora as mesmas alcancem alguns objetivos, o nível de satisfação dos seus colaboradores fica seriamente comprometido. Não podemos confundir a teoria Y com liberdade excessiva ou falta de controle nas organizações. A teoria é uma forma diferenciada de administrar os recursos humanos dentro do ambiente organizacional e muitas empresas alcançam grandes êxitos com ela. As teorias X e Y, desenvolvidas na década de 50, podem ser grandes fontes de estudo para aprimorar os recursos humanos utilizados até os dias atuais em várias organizações.
EMPREENDEDORISMO 
Conceito: Empreendedorismo é o processo de iniciar um negócio, organizar os recursos necessários e assumir seus respectivos riscos e recompensas. 
A palavra empreendedor tem origem francesa (entrepreneur), que quer dizer aquele que assume riscos e começa algo