03_-_01_-_A_verdade_-_Ignorancia_e_verdade
4 pág.

03_-_01_-_A_verdade_-_Ignorancia_e_verdade


DisciplinaLógica I9.311 materiais138.977 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Convite à Filosofia 
De Marilena Chaui 
Ed. Ática, São Paulo, 2000. 
Unidade 3 
A verdade 
Capítulo 1 
Ignorância e verdade 
A verdade como um valor 
\u201cNão se aprende Filosofia, mas a filosofar\u201d, já disse Kant. A Filosofia não é um conjunto 
de idéias e de sistemas que possamos apreender automaticamente, não é um passeio 
turístico pelas paisagens intelectuais, mas uma decisão ou deliberação orientada por um 
valor: a verdade. É o desejo do verdadeiro que move a Filosofia e suscita filosofias. 
Afirmar que a verdade é um valor significa: o verdadeiro confere às coisas, aos seres 
humanos, ao mundo um sentido que não teriam se fossem considerados indiferentes à 
verdade e à falsidade. 
Ignorância, incerteza e insegurança 
Ignorar é não saber alguma coisa. A ignorância pode ser tão profunda que sequer a 
percebemos ou a sentimos, isto é, não sabemos que não sabemos, não sabemos que 
ignoramos. Em geral, o estado de ignorância se mantém em nós enquanto as crenças e 
opiniões que possuímos para viver e agir no mundo se conservam como eficazes e úteis, 
de modo que não temos nenhum motivo para duvidar delas, nenhum motivo para 
desconfiar delas e, conseqüentemente, achamos que sabemos tudo o que há para saber. 
A incerteza é diferente da ignorância porque, na incerteza, descobrimos que somos 
ignorantes, que nossas crenças e opiniões parecem não dar conta da realidade, que há 
falhas naquilo em que acreditamos e que, durante muito tempo, nos serviu como 
referência para pensar e agir. Na incerteza não sabemos o que pensar, o que dizer ou o 
que fazer em certas situações ou diante de certas coisas, pessoas, fatos, etc. Temos 
dúvidas, ficamos cheios de perplexidade e somos tomados pela insegurança. 
Outras vezes, estamos confiantes e seguros e, de repente, vemos ou ouvimos alguma 
coisa que nos enche de espanto e de admiração, não sabemos o que pensar ou o que 
fazer com a novidade do que vimos ou ouvimos porque as crenças, opiniões e idéias que 
possuímos não dão conta do novo. O espanto e a admiração, assim como antes a dúvida 
e a perplexidade, nos fazem querer saber o que não sabemos, nos fazem querer sair do 
estado de insegurança ou de encantamento, nos fazem perceber nossa ignorância e 
criam o desejo de superar a incerteza. 
Quando isso acontece, estamos na disposição de espírito chamada busca da verdade. 
O desejo da verdade aparece muito cedo nos seres humanos como desejo de confiar nas 
coisas e nas pessoas, isto é, de acreditar que as coisas são exatamente tais como as 
percebemos e o que as pessoas nos dizem é digno de confiança e crédito. Ao mesmo 
tempo, nossa vida cotidiana é feita de pequenas e grandes decepções e, por isso, desde 
cedo, vemos as crianças perguntarem aos adultos se tal ou qual coisa \u201cé de verdade ou é 
de mentira\u201d. 
Quando uma criança ouve uma história, inventa uma brincadeira ou um brinquedo, 
quando joga, vê um filme ou uma peça teatral, está sempre atenta para saber se \u201cé de 
verdade ou de mentira\u201d, está sempre atenta para a diferença entre o \u201cde mentira\u201d e a 
mentira propriamente dita, isto é, para a diferença entre brincar, jogar, fingir e faltar à 
confiança. 
Quando uma criança brinca, joga e finge, está criando um outro mundo, mais rico e mais 
belo, mais cheio de possibilidades e invenções do que o mundo onde, de fato, vive. Mas 
sabe, mesmo que não formule explicitamente tal saber, que há uma diferença entre 
imaginação e percepção, ainda que, no caso infantil, essa diferença seja muito tênue, 
muito leve, quase imperceptível \u2013 tanto assim, que a criança acredita em mundos e 
seres maravilhosos como parte do mundo real de sua vida. 
Por isso mesmo, a criança é muito sensível à mentira dos adultos, pois a mentira é 
diferente do \u201cde mentira\u201d, isto é, a mentira é diferente da imaginação e a criança se 
sente ferida, magoada, angustiada quando o adulto lhe diz uma mentira, porque, ao 
fazê-lo, quebra a relação de confiança e a segurança infantis. 
Quando crianças, estamos sujeitos a duas decepções: a de que os seres, as coisas, os 
mundos maravilhosos não existem \u201cde verdade\u201d e a de que os adultos podem dizer-nos 
falsidades e nos enganar. Essa dupla decepção pode acarretar dois resultados opostos: 
ou a criança se recusa a sair do mundo imaginário e sofre com a realidade como alguma 
coisa ruim e hostil a ela; ou, dolorosamente, aceita a distinção, mas também se torna 
muito atenta e desconfiada diante da palavra dos adultos. Nesse segundo caso, a criança 
também se coloca na disposição da busca da verdade. 
Nessa busca, a criança pode desejar um mundo melhor e mais belo que aquele em que 
vive e encontrar a verdade nas obras de arte, desejando ser artista também. Ou pode 
desejar saber como e por que o mundo em que vive é tal como é e se ele poderia ser 
diferente ou melhor do que é. Nesse caso, é despertado nela o desejo de conhecimento 
intelectual e o da ação transformadora. 
A criança não se decepciona nem se desilude com o \u201cfaz-de-conta\u201d porque sabe que é 
um \u201cfaz-de-conta\u201d. Ela se decepciona ou se desilude quando descobre que querem que 
acredite como sendo \u201cde verdade\u201d alguma coisa que ela sabe ou que ela supunha que 
fosse \u201cde faz-de-conta\u201d, isto é, decepciona-se e desilude-se quando descobre a mentira. 
Os jovens se decepcionam e se desiludem quando descobrem que o que lhes foi ensinado 
e lhes foi exigido oculta a realidade, reprime sua liberdade, diminui sua capacidade de 
compreensão e de ação. Os adultos se desiludem ou se decepcionam quando enfrentam 
situações para as quais o saber adquirido, as opiniões estabelecidas e as crenças 
enraizadas em suas consciências não são suficientes para que compreendam o que se 
passa nem para que possam agir ou fazer alguma coisa. 
Assim, seja na criança, seja nos jovens ou nos adultos, a busca da verdade está sempre 
ligada a uma decepção, a uma desilusão, a uma dúvida, a uma perplexidade, a uma 
insegurança ou, então, a um espanto e uma admiração diante de algo novo e insólito. 
Dificuldades para a busca da verdade 
Em nossa sociedade, é muito difícil despertar nas pessoas o desejo de buscar a verdade. 
Pode parecer paradoxal que assim seja, pois parecemos viver numa sociedade que 
acredita nas ciências, que luta por escolas, que recebe durante 24 horas diárias 
informações vindas de jornais, rádios e televisões, que possui editoras, livrarias, 
bibliotecas, museus, salas de cinema e de teatro, vídeos, fotografias e computadores. 
Ora, é justamente essa enorme quantidade de veículos e formas de informação que 
acaba tornando tão difícil a busca da verdade, pois todo mundo acredita que está 
recebendo, de modos variados e diferentes, informações científicas, filosóficas, políticas, 
artísticas e que tais informações são verdadeiras, sobretudo porque tal quantidade 
informativa ultrapassa a experiência vivida pelas pessoas, que, por isso, não têm meios 
para avaliar o que recebem. 
Bastaria, no entanto, que uma mesma pessoa, durante uma semana, lesse de manhã 
quatro jornais diferentes e ouvisse três noticiários de rádio diferentes; à tarde, 
freqüentasse duas escolas diferentes, onde os mesmos cursos estariam sendo 
ministrados; e, à noite, visse os noticiários de quatro canais diferentes de televisão, para 
que, comparando todas as informações recebidas, descobrisse que elas \u201cnão batem\u201d 
umas com as outras, que há vários \u201cmundos\u201d e várias \u201csociedades\u201d diferentes, 
dependendo da fonte de informação. 
Uma experiência como essa criaria perplexidade, dúvida e incerteza. Mas as pessoas não 
fazem ou não podem fazer tal experiência e por isso não percebem que, em lugar de 
receber informações, estão sendo desinformadas. E, sobretudo, como há outras pessoas 
(o jornalista, o radialista, o professor, o médico, o policial, o repórter) dizendo a elas o 
que devem saber, o que podem saber, o que podem e devem fazer ou sentir, confiando 
na palavra desses \u201cemissores