Da Contabilidade à Controladoria
22 pág.

Da Contabilidade à Controladoria


DisciplinaContabilidade / Ciências Contábeis75.943 materiais514.420 seguidores
Pré-visualização12 páginas
e não poder agir). Entretanto,
se tal executivo souber que seu comportamento decisorial está sendo avaliado pelo Board através dos relatórios de desempenho da Controladoria, vai pensar duas vezes
antes de descartar ou desconhecer tais relatórios.
22
 A revista Fortune numa pesquisa sobre a origem dos CEOs das \u201cOne Thousand\u201d, as 1.000 maiores empresas americanas, admitiu sua surpresa ao verificar que eram da
Controladoria que provinha a maior parte deles (aproximadamente 27%, contra 21% de Marketing e 19% da Produção). Um exemplo de Controller bem sucedido como CEO
foi Welch da General Electric, um dos executivos mais talentosos e de maior projeção no cenário internacional, nos últimos 15 anos (Welch se aposentou da GE em 2001).
25DA CONTABILIDADE À CONTROLADORIA: A EVOLUÇÃO NECESSÁRIA
Revista Contabilidade & Finanças - USP, São Paulo, n. 28, p. 7 - 28, jan./abr. 2002
da própria visão que, ao menos do Brasil, os diri-
gentes de empresas têm do Contador. (Porque, a
não ser numa empresa especializada em auditoria
ou planificação tributária, se daria oportunidade a
um expert em demonstrativos financeiros para fins
fiscais de fazer parte da equipe de Direção?) Mas
o maior obstáculo, na opinião do autor, vem da pró-
pria postura, percepções, atitudes e excesso de
especialização na área tributária que caracterizam
a \u201cmentalidade típica do contador fiscal\u201d, que é al-
tamente limitante e está bastante generalizada en-
tre os contadores, o que, de certa forma, é natural,
uma vez que, como já foi dito acima, mais de 80%
deles no Brasil se dedicam exclusivamente à con-
tabilidade financeira. Esta mentalidade é o fator que,
de fato, mais está restringindo a sua capacidade de
se tornarem Controllers23. A Figura 4 demonstra as
características que distinguem a Controladoria da
Contadoria Financeira.
As transformações da contabilidade gerencial que es-
tão ocorrendo no mundo e que procuram colocá-la em
sintonia com as transformações recentes no panorama
mundial dos negócios têm imensas implicações para o
ensino e a formação de Controllers. A mais importante
delas é que, se se deseja preparar Controllers, não se
deve mais formar especialistas em contabilidade, já que
as atribuições da Controladoria abrangem a contabilida-
de financeira ou externa, mas vão muito além. O Controller,
como foi demonstrado acima, precisa ser por excelência
um generalista, com uma capacidade de entender profun-
damente sua empresa e seu ramo de negócios, além de
saber entender, manejar e criticar métodos, instrumentos
de pesquisa e análise e formas de atuação de um grande
número de especialistas funcionais.
23
 Num levantamento informal feito pelo autor em 27 Controladorias de grandes empresas no Brasil, apenas sete (aproximadamente ¼ delas) estão sendo comandadas por
antigos contadores, apesar de que, em todas, a contabilidade financeira está incluída entre as atribuições da Controladoria (vide o Anexo 1). Na maior parte delas, onze
para ser exato, o Controller é um Engenheiro (embora seis deles tivessem procurado adicionar Administração (quatro) ou Contabilidade (dois) à sua formação).
Figura 4: Análise Comparativa Contadoria vs. Controladoria
CONTROLADORIA
VOLTADA PARA FORA
JULGAMENTAL
CRIAÇÃO DE VALOR
RETORNO ADEQUADO
VOLTADA PARA O FUTURO
PREVISÕES
POTENCIAL
INTANGÍVEL
REGIME DE RISCO
PLANEJAMENTO &
CONTROLE DE DESEMPENHO
PROATIVA
ESPECÍFICA
ANALÍTICA E INVESTIGATIVA
RELEVÂNCIA
DESEMPENHO COMPETITIVO NA
DUPLA PRODUÇÃO DE VALOR
CONSCIÊNCIA ESTRATÉGICA
CONTABILIDADE FINANCEIRA
VOLTADA PARA DENTRO
VERIFICÁVEL
CUSTOS
MANUTENÇÃO DO CAPITAL
VOLTADA PARA O PASSADO
OBJETIVIDADE
SOMENTE O REALIZADO
TANGÍVEL
REGIME DE CERTEZA
DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS
PARA FINS EXTERNOS
 PASSIVA
 PADRONIZADA
 DESCRITIVA
 PRECISÃO
 DESEMPENHO
 EXCLUSIVAMENTE FINANCEIRO
INSENSÍVEL AO AMBIENTE
DOS NEGÓCIOS
26
Revista Contabilidade & Finanças - USP, São Paulo, n. 28, p. 7 - 28, jan./abr. 2002
Revista Contabilidade & Finanças - USP ARTIGO
24
 Seria, na verdade, o único generalista funcional da empresa.
25
 O autor reuniu uma vasta bibliografia composta de livros, artigos, atas de conferência e até relatórios internos, que lhe foram cedidos por empresas. Pela sua extensão
e, em alguns casos, pela exigência de sigilo, tal bibliografia não pode ser inteiramente citada. Ficou, então, limitada aos livros e artigos mais importantes. O autor pede
desculpas a todos que contribuíram tão generosamente para sua pesquisa por nem sempre terem suas opiniões ou seus trabalhos citados expressamente.
ADAIR, C. B. & MURRAY, B. A., Revolução Total dos Proces-
sos, Nobel, São Paulo, 1994.
ALBRECHT, K., Radar Corporativo, Makron Books, 2000.
ANSOFF, I., Implanting Strategic Management, Prentice-
Hall International, 1984.
ANUPINDI, R. ET AL., Managing Business Process Flows,
Prentice-Hall, 1999.
AZZONE, G. ET AL., \u201cMeasuring resources for supporting
resource-based competition\u201d, Management
Decision, V. 33, N. 9, 1995, pp. 57-62.
BEST, R. J., Market-Based Management, Prentice-Hall,
2000, 2nd. Edition.
BOGLIOLI, F., La Création de Valeur, Éditions d\u2019Organisation,
2000.
BONTEMPO, M. T., Análise Comparativa dos Métodos de
Construção de Cenários Estratégicos no Planejamen-
to Empresarial, dissertação de mestrado apresenta-
da à FEAC-USP, em 1999.
BOULTON, R. E. S. ET AL., Cracking the Value Code, Harper
Business, 2000.
BRETHAUER, D. M., The Power of Strategic Costing, American
Management Association, 2000.
BRIMSON, J. A. & ANTOS, J., Activity-Based-Management,
John Wiley & Sons, 1994.
BRITO, O. S., Contribuição ao Estudo do Modelo de
Controladoria de Risco-Retorno em Bancos de Ata-
cado, tese de doutorado apresentada à FEAC-Uni-
versidade de São Paulo, 2000.
CANO, N. C., A Formação do Contador como um C.F.O.,
Relatório ao Departamento de Contabilidade, FEAC,
USP, 1994.
CANO, N. M., \u201cA redução estratégica de custos\u201d, Revista de
Contabilidade do CRC-SP, Dez/99, pg. 6/21.
CARR, D. K. ET AL., Business Process Redesign, Coopers &
Lybrand, 1992.
CHURCHILL, G. A., Marketing Research \u2013 Methodological
Foundations, The Dryden Press, 1999, 7th Edition.
CLELAND, A. S. & BRUNO, A. V., The Market Value Process,
Jossey-Bass Publishers, 1996.
COKINS, G., Activity-Based Cost Management, Irwin, 1996.
COLLINS, D.J. & MONTGOMERY, C.A., \u201cCompeting on resources\u201d,
Harvard Business Review, Jul/Aug, 1995, pp. 118/128.
CULP, C. L., The Risk Management Process, John Wiley &
Sons, 2001.
DANIEL, M. H., World of Risk, John Wiley & Sons, 2000.
DAVENPORT, T. H., Process Inovation: Reengineering Work
Through Information Technology, Harvard Business
School Press, 1993.
DOHERTY, N. A., Integrated Risk Management, McGraw Hill,
2000.
DONLEAVY, G. D., Cash Flow Accounting, Routledge, 1994.
DRUCKER, P. F., Management: Tasks, Responsibilities,
Practices, Harper Business, 1993.
DRUCKER, P. F., Managing for Results, Harper & Row
Publishers, 1964.
ECCLES, R. G. ET AL., The Value Reporting Revolution, J.
Wiley & Sons, 2001.
ENRIQUEZ, E., A Organização em Análise, Vozes, 1997.
FOSS, N. J., EDITOR, Resources, Firms and Strategies, Oxford
University Press, 1997.
FRANKS, R., Implementing an Accounting System \u2013 a
Practical Guide, Kogan Page, 1995, Revised Edition.
GEORGE, A. M., Protecting Shareholder Value, Richard D.
Irwin, 1996.
GODET, M., Prospective et Planification Stratégique,
Economica, 1985.
GOLDBERG, J. & NITZSCH, R. VON, Behavioral Finance, J. Wiley
& Sons, 2001.
GRANT, R. M., Contemporary Strategy Analysis, Basil
Blackwell, 1991.
BIBLIOGRAFIA CITADA25
Para formar um Controller, no currículo didático da
área acadêmica de contabilidade deveria ser incluído,
portanto, um elenco de outras disciplinas (que não
seria muito grande, como pode parecer