aula_intro_controle
54 pág.

aula_intro_controle


DisciplinaControle de Processos253 materiais1.194 seguidores
Pré-visualização4 páginas
www.professores.deq.ufscar.br/ronaldo/cp1 DEQ/UFSCar 38 / 49
Leitura II
Knegtering, B., Pasmanb, H. J.
Safety of the process industries in the 21st century: A changing
need of process safety management for a changing industry.
Journal of Loss Prevention in the Process Industries, 22, 162\u2013168,
2009.
Introdução ao Controle de Processos (CP1) www.professores.deq.ufscar.br/ronaldo/cp1 DEQ/UFSCar 39 / 49
Termopar
Sensor
Elementos dedicados que transformam determinada variável de pro-
cesso em uma grandeza passível de manipulação. Geralmente a va-
riável de interesse é transformada em uma grandeza elétrica.
Transdutor
Sistemas que atuam junto com sensores e constituídos por algum dis-
positivo elétrico, eletrônico ou eletromecânico. O transdutor é na ver-
dade um complemento de um sensor com o objetivo de tornar possível
a medição de determinada grandeza ou mesmo melhorar as condições
de medições de um sensor.
Introdução ao Controle de Processos (CP1) www.professores.deq.ufscar.br/ronaldo/cp1 DEQ/UFSCar 40 / 49
Termopar
continuação
Um termopar é formado por dois condutores metálicos, de natureza
distinta, na forma de metais puros ou de ligas homogêneas. Os fios
são soldados em um extremo chamado de junta quente ou junta de
medição. As outras extremidades dos fios são levadas ao instrumento
de medição de f.e.m. (força eletromotriz), fechando um circuito elétrico
por onde flui a corrente.
Esse outro extremo dos fios que formam o termopar se conecta
ao instrumento de medição, sendo chamado de junta fria ou junta de
referência.
O aquecimento da junta quente gera o aparecimento de uma
f.e.m. Este princípio é conhecido por Efeito Seebeck.
Introdução ao Controle de Processos (CP1) www.professores.deq.ufscar.br/ronaldo/cp1 DEQ/UFSCar 41 / 49
Termopar
continuação
Figura: Esquema de conecção de um termopar.
Introdução ao Controle de Processos (CP1) www.professores.deq.ufscar.br/ronaldo/cp1 DEQ/UFSCar 42 / 49
Termopar
continuação
Figura: Termopar industrial com flange.
Volta
Introdução ao Controle de Processos (CP1) www.professores.deq.ufscar.br/ronaldo/cp1 DEQ/UFSCar 43 / 49
Célula de Pressão Diferencial
Sensor Capacitivo ou Célula Capacitiva é o sensor mais utilizado em
transdutores de pressão. Nele dois diafragmas de medição se movem
com relação a um diafragma fixo. Entre o diafragma fixo e os móveis,
existe um líquido de enchimento que funciona como um dielétrico.
Como um capacitor de placas paralelas é constituído por duas pla-
cas paralelas separadas por um meio dielétrico, ao sofrer o esforço de
pressão, o diafragma móvel (que vem a ser uma das placas do capa-
citor) tem sua distância em relação ao diafragma fixo modificada. Isso
provoca alteração na capacitância de um circuito de medição, e então
tem-se a medição da pressão.
Introdução ao Controle de Processos (CP1) www.professores.deq.ufscar.br/ronaldo/cp1 DEQ/UFSCar 44 / 49
Célula de Pressão Diferencial
continuação
Estes instrumentos, quando utilizados em medição de nível, medem
diferenciais de pressão que são provocados pela coluna líquida
presente nos equipamentos cujo nível se deseja medir.
O lado de alta pressão do transdutor de pressão diferencial é ligado
pela tomada da parte inferior do tanque e o lado de baixa pressão é
aberto para a atmosfera. Visto que a pressão estática do líquido é
diretamente proporcional ao peso do líquido, este pode ser obtido pela
medida do primeiro.
Introdução ao Controle de Processos (CP1) www.professores.deq.ufscar.br/ronaldo/cp1 DEQ/UFSCar 45 / 49
Célula de Pressão Diferencial
continuação
Figura: Esquema de uma célula
capacitiva.
Figura: Célula capacitiva.
Introdução ao Controle de Processos (CP1) www.professores.deq.ufscar.br/ronaldo/cp1 DEQ/UFSCar 46 / 49
Célula de Pressão Diferencial
continuação
Figura: Sensor/transdutor de pressão
diferencial.
Figura: Nível de tanque medido por
pressão diferencial.
Volta
Introdução ao Controle de Processos (CP1) www.professores.deq.ufscar.br/ronaldo/cp1 DEQ/UFSCar 47 / 49
Válvula de Controle
Qualquer que seja a natureza do sistema de controle utilizado
(pneumático, elétrico, eletrônico ou hidráulico), uma válvula de controle
automática é, na maioria das vezes, o elemento final de controle usado.
Isso porque a forma mais comum de influenciar o comportamento
de processos químicos é modificando as vazões de escoamento das
correntes de processo. Normalmente, uma resistência variável é
colocada da corrente de interesse, a qual influenciará a sua vazão
de escoamento conduzindo o processo a um comportamento desejado.
Em alguns casos a resistência da válvula tem que ser ajustada (uma
pessoa ajusta a sua abertura). Porém em muitos casos a resistência
da válvula é determinada por um controlador automático, com a válvula
projetada a aceitar e executar o sinal emitido pelo controlador.
Introdução ao Controle de Processos (CP1) www.professores.deq.ufscar.br/ronaldo/cp1 DEQ/UFSCar 48 / 49
Válvula de Controle
continuação
Figura: Esquema de uma válvula
pneumática.
Figura: Válvula pneumática.
Volta
Introdução ao Controle de Processos (CP1) www.professores.deq.ufscar.br/ronaldo/cp1 DEQ/UFSCar 49 / 49
	Incentivos ao Controle de Processos
	Principais Objetivos Operacionais
	Planta Química
	Exemplo
	Objetivos do Sistema de Controle
	Suprimir a Influência de Perturbações Externas
	Realimentação Antecipatório
	Assegurar a Estabilidade do Processo
	Otimizar o Desempenho do Processo
	Justificativa Econômica para o Controle de Processos
	Atividades Complementares
	Apêndice
	Apêndices
	Termopar
	Célula de Pressão Diferencial
	Válvula de Controle