105875194-TGDP-Mauro-Cappelletti-Bryant-Garth-Acesso-a-Justica
18 pág.

105875194-TGDP-Mauro-Cappelletti-Bryant-Garth-Acesso-a-Justica


DisciplinaTeoria Geral do Processo11.535 materiais215.158 seguidores
Pré-visualização6 páginas
resumem o movimento de Acesso à Justiça, porque elas correspondem a um esforço 
criativo, abrangente e multifacetado para reestruturar a máquina judiciária envolvida com 
essas causas. Elas estão atendendo ao desafio crucial de criar órgãos eficazes para a 
defesa dos direitos do cidadão comum, isto é, para assegurar que os novos e importantes 
direitos dos indivíduos \u2014 especialmente, até agora, consumidores e inquilinos \u2014 sejam 
transpostos dos códigos para o mundo real. Encontramos, aqui, órgãos informais, acessíveis 
e de baixo custo que oferecem a melhor fórmula para atrair indivíduos cujos direitos tenham 
sido feridos.
2 \u2014 Tribunais de \u201cVizinhança\u201d ou \u201cSociais\u201d para Solucionar Divergências na 
Comunidade
Um componente do movimento tendente a implantar ou reformar tribunais de 
pequenas causas tem sido, como já enfatizamos, o desejo de instalar tribunais para as 
pessoas comuns e suas demandas. Antes de partir para instituições mais especializadas é 
interessante examinar outro aspecto desse desejo a tendência recente para instalar \u201ctribunais 
vicinais de mediação\u201d, a fim de tratarem de querelas do dia-a-dia, principalmente questões 
de pequenos danos à propriedade ou delitos leves, que ocorrem entre indivíduos em 
qualquer agrupamento relativamente estável de trabalho ou de habitação.
3 \u2014 Tribunais Especiais para Demandas de Consumidores
Ainda mais diretamente relacionadas ao movimento de pequenas causas são as 
reformas \u2014 de iniciativa pública ou privada \u2014 que criam organismos e procedimentos 
especiais para demandas de consumidores (276). Sem dúvida, o evidente fracasso da maior 
parte dos tribunais de pequenas causas no sentido de promover uma solução eficaz para os 
consumidores prejudicados tem desencadeado essa atitude, 
a) Mecanismos que enfatizam a persuasão mais que a coerção \u2013 solução das 
demandas dos consumidores através dos meios de comunicação.
b) Arbitragem privada de demandas do consumidor.
Os esquemas de arbitragem para demandas dos consumidores também têm 
proliferado em resposta às demandas do público, por dispositivos acessíveis de solução de 
litígios. Muitos dos mais importantes desses esquemas são promovidos pelas empresas, 
baseando-se, para sua eficácia, \u201cno próprio interesse dos empresários, em termos de 
prosperidade e reputação no seio da comunidade empresarial\u201d (280). 
c) Programas governamentais de solução dos conflitos de consumidores.
As recentes experiências de proteção aos consumidores demonstram que a 
arbitragem governamental das demandas deles podem evitar os problemas básicos dos 
programas particulares \u2014 relacionados à legitimidade e ao grau de participação das partes 
interessadas \u2014 ao mesmo tempo em que assegura as vantagens de baixo custo, celeridade e 
especialização. As vantagens do envolvimento público já são, de fato, reconhecidas 
nas experiências particulares mencionadas acima. As agências governamentais 
encorajam e, até certo ponto, supervisionam os programas particulares, pelo menos no 
Canadá e nos Estados Unidos .
4 \u2014 Mecanismos Especializados para Garantir Direitos \u201cNovos\u201d
a) Causas relativas ao meio-ambiente \u2014 as experiências japonesas em outras áreas 
do Direito
A análise dos tribunais de pequenas causas, tribunais populares e orgãos de proteção 
aos consumidores sublinha os aspectos principais e cobre grande parte da recente atividade 
reformista envolvidos no esforço de criar mecanismos novos para os tipos de demandas que 
se tornaram o ponto focal do movimento de acesso à justiça. 
b) Litígios entre inquilinos e proprietários \u2014 A experiência canadense.
Na área dos locadores e locatários, merecem referência muitas inovações recentes, 
destinadas a assegurar que a regulamentação jurídica, em constante evolução, seja 
implementada na prática (317). A primeira é o instituto canadense de \u201cRentaisman\u201d 
(Homem dos Aluguéis), criado em 1971 em Manitoba (318), e em 1974, na Colúmbia 
Britânica (319), com o objetivo de proporcionar um órgão eficiente, acessível e barato para 
os litígios entre senhorios e inquilinos. 
c) Os Litígios de Inquilinato \u2014 O Tribunal de Habitação da Cidade de Nova lorque.
A ênfase que se verifica na experiência canadense, onde se prefere utilizar a 
conciliação em vez do arbitramento ou das decisões, é também compartilhada pelo 
interessante Tribunal de Habitação da Cidade de Nova lorque, estabelecido no final do ano 
de 1973 (324). Embora sua competência não seja exclusiva (o que significa que uma das 
partes pode deslocar o caso para os tribunais regulares), com a concordância das partes ele 
pode resolver todos os tipos de questões que surgem entre inquilinos e locadores na cidade 
de Nova lorque.
d) Litígios de Direito Administrativo \u2014 A proliferação da Instituição do 
Ornbudsman.
Os litígios entre os indivíduos e o governo a respeito de temas tais como o direito a 
certos benefícios sociais, são de interesse óbvio no \u201cestado de bem-estar social\u201d(328). Essas 
causas geralmente levantam o problema da \u201cjustiça discricionária\u201d: como controlar a 
conduta dos administradores e promover remédios para as vítimas de abusos da 
arbitrariedade administrativa. 
e) Litígios Individuais do Trabalho \u2014 a Reforma Italiana de 1973.
Tal como no Direito Administrativo, existe uma renovada atenção em muitos países 
para o problema de fazer valer os direitos individuais no campo trabalhista, seja contra uma 
empresa, um governo ou mesmo um sindicato. Embora as várias tentativas, discutidas nos 
relatórios nacionais para o Projeto de Florença (341), não possam ser enfocadas aqui (342), 
é preciso mencionar a importante reforma trabalhista de 1983, porque \u2014 ao contrário das 
dificuldades encontradas na implementação de outras reformas na Itália, especialmente nos 
campos do aconselhamento jurídico e do procedimento civil em geral( 343)\u2014 ela ilustra um 
esforço dramático para melhorar as condições de acesso à justiça em uma área do 
Direito.Essa reforma contrasta como procedimento civil comum, porque ela se concentra no 
procedimento de primeira instância, utiliza um só juiz (o pretor), dá-lhe amplos poderes e 
simplifica os procedimentos. 
D \u2014 MUDANÇAS NOS MÉTODOS UTILIZADOS PARA A PRESTAÇÃO DE 
SERVIÇOS JURÍDICOS
Essas reformas reconhecem que, apesar dos esforços (tornados necessários pelas 
dificuldades econômicas e outras razões) para minimizar a necessidade de atuação de 
advogados para a defesa dos direitos do cidadão comum, a assistência e a representação 
continuarão a ser importantes em muitos casos complicados. Além disso, a assistência 
jurídica significa mais do que a simples representação perante os tribunais. Ela implica 
auxílio para tornar as pessoas mais ativamente participantes das decisões básicas, tanto 
governamentais quanto particulares, que afetam suas vidas. 
Dois enfoques básicos à reforma da prestação dos serviços jurídicos já foram vistos 
nesse relatório. Um enfoque, cada vez mais evidente, nos procedimentos 
especializados que discutimos, consiste em desenvolver substitutos mais especializados e 
menos dispendiosos que os advogados individuais. Muitos tribunais de pequenas causas, por 
exemplo, proporcionam aconselhamento jurídico que torna desnecessária a presença de 
advogados (348). Um fenômeno importante e que merece maior atenção, é a proliferação de 
pessoal para-profissional. Um segundo enfoque, que já apareceu quando examinamos o 
sistema sueco de assistência jurídica, está em encontrar