A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
83 pág.
NBR 8926 Reles Proteção Chumbadores

Pré-visualização | Página 6 de 17

externa msxima, proporcionando corn isso o desl rqamento 
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN 
20 NBR 8926/1985 
instantZne0 para altas falt8S interC!S. On& forem usados ~16s de sobrecorren- 
te CO~O prow& de transformadores, devem ser esperados danos extensiyos aa 
transformador, devido a uma falta interna ao mesmo. 
0s ajustes dos reles de sobrecorrente de fase para transformadores envslvem um 
compromisso entre as necessidades de serviGo e de prot@o dos mesms. Se Po r 
um lado o ajuste para a opera$ao do rel6 dew ser suficientemente alto para we 
Gjo haja desligamento por sobrecarga intentional do transformador, por outro la - 
do quanto maior for 0 ajuste, menor sera o grau de prote&. Um ajuste cOIllumen - 
te utilizado 6 o de 200 % a 300 % acima da capacidade nominal corn resfriamento 
natural do transformador, sendo algumas vezes utilizados valores de ajuste ainda 
maiores do que esses. 
OS ajustes de tempo sao usualmente escolhidos para coordena$o corn rel<s dos e- 
quipamentos adjacentes. Entretanto, existe urn limite para o ajuste superior de 
tempo dos rel6s de sobrecorrente, em funqso da caracterrstica tempo x corrente 
dos enrolawntos do transformador. Numa protesao de retaguarda adequada, OS re 
1;s devem operar para uma faita externa antes que os enrolamentos sejam danifica - 
dos por altas correntes. Muitas dessas curvas caracteristica de aquecimento dos 
transformadores 5.k disponiveis, por seus fabricantes, por&n se n;io o forem po - 
de ser ddotada a curva da Figura .I do Anexo A. 
0 titodo mais simples para se determinar o ajuste de tempo do rels 6 desenhar 
superpondo as curvas tempo x corFente dos reles das I inhas ou al imentadores adja - 
centes sobre a curva de aquecimento do transformador. Devem tamb;m ser marcados 
os valores esperados das correntes de falta nas barras adjacenres e rewta. 
0s necess6rios ajustes de tempo podem, assim, set- determinados e marcados. Obvia 
mente , para a mel hor coordena@o, a curva dos rel<s de sob,recorrente do trans 
formador dew ter a mesma forma geral que a dos rel& adjacentes. (ver Figura 5 
do Anexo A). 
Se for usada uma un i dade i nstantsnea, esta deve ser ajustada para operar em urn 
valor de torrente superior ao valor tiximo de corrente de falta passante (Ifal ta 
externa), que G normalmente a corrente passante de falta externa trifssica ds 
lado de baixa ten&o do transformador. De mode a garant i r suficiente margem de 
seguranqa,no sentido de evitar desligamentos indesejsveis para fa,ltas no barra - 
mento e, ao mesmo tempo, garantir o ndximo de prote$so para o transformador CO! 
tra altas faltas internas, 6 necesssrio urn ajuste de opera$o de 125 pov cent0 
da corrente calculada de curto-circuit0 sim?trico maxima ou de 8 vezes a corren 
te de plena carga dos transformadores. Em muitos cases as unidades instantsneas 
Go podem ser usadas devido am ajustes necessaries serem maiores do que as 
correntes de falta, ou do que a deriva& m.kima disponive! do rel6. 
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN 
NBR 8926D985 21 
Quando o transformador e parte do sistema de transmissao,o ajuste dos reles de 
sobrecorrente temporizados se torna dificil devido aos possiveis al imentadores 
provocarem grandes varia$es nas correntes de falta, acarretando total varia@o 
nos tempos de oper&o de urn mesmo rele para a mesma falta. Para esse problema, 
uma solu~$o simples consiste em ajustar os reles do transformador em urn tempo 
fixo de 0,ss a 1 ,os. para as faltas nas barras adjacentes, podendo ser ne- 
cessSrIos dols conjuntos de reles, urn do lado da alta tensao e outro do lado da 
ba ixa tensso. Outra solugao simple5 consiste em considerar OS relgs de sobre- 
corrente coma urn Gltimo recurso de prote$o,e adotar urn ajuste de tempo apenas 
ligeiramente mais rspido do que o da curva tempo x corrente de aquecimento do 
t ransformador. Esta solu@o apresenta a vantagem de nso exigir nenhum dado de 
curto-ci rcuito, sendo necessarlos tzo somente o valor da corrente a pl.ena ca rga 
do transformador e o valor de ajuste de operasso do relg. A melhor coordena$o 
6 normalmente obtida, corn urn rele de caracteristica inversa. OS reles ajustados 
de acordo corn esse criteria, operario somente para condi@es muito incomuns, pro - 
vavelmente devido a falha de operagao de outro equipamento, embora o transforma- 
dor esteja quase tao bem protegido contra faltas externas quanta se o rele fos- 
se de operagao extremamente rapida. 
0 enrolamento terciario de urn autotransformador ou de urn transformador de tres 
enrolamentos tern, normalmente, muito menos capacidade em kVA do que os en ro!sa- 
mentos principais e, assim, os relcs de sobrecorrente ajustados para proteger 
os enrolamentos principais oferecem quase nenhuma prote@o ao terciSri,o. Al&m 
disso, durante as faltas para a terra podem circular correntes muito altas Pe- 
10s enrolamentos terciarios. Nestes cases, deve ser prevista prote$o de sobre - 
corrente terciaria que pode ser urn finico rele ligado a urn transformador de cot-- 
rente em serie corn urn dos enrolamentos do delta. Se houver carga no terCiSr(O 
devem ser usados trgs transformadores de corrente, sendo urn para cada enrolamen - 
to. 
0 rele 6 ligado aos treks secundarios dos transformadores de corrente ligados em 
paralelo. Entretanto, tal ligagso fornece protegao apenas contra sobrecarga de 
seqiiencia zero, Go protegendo contra correntes de sobrecarga de seq%ncia p~si- 
tiva ou negativa. Este rele operara’ para fal,tas nos enrol,amentos terciHrios,nos 
seus terminais, ou para faltas para, a terra no sistema. Se Q terciZr(o Go pos- 
sui r carga, esta protegao poder5 ser ajustada para, valores relativamente baixos. 
A saida desnecessaria, do si,stema. de urn transformador importante, devido 5 ope- 
rac$o desta prote& pela ocor&cia de uma, falta externa fase-terra deve ser 
evitada por meio de urn ljltimo recurso: colocam-se dois rel;S cog! suas boblnas 
C6pia impressa pelo Sistema CENWIN 
22 NBR 892611985 
em s&rie e setI5 contatos em paralelo, urn tendo uma caracteristica inversa e o 
outro tendo uma caracteristica de tempo longo. A curva de aquecimento para o 
tercizrio 6 trasada considerando-o corn0 urn enrolamento de urn transformador de 
dois enrolamentos corn uma capacidade nominal a resfriamento natural a capacidade 
nominal do tercisrio. 0 rele corn caracteristica de tempo longo 6 usado pa ra 
faltas de baixo valor, ajustando-o para “ma baixa corrente de operasso, baseada 
na corrente nominal, ou inferior 5 do terciario. 0 rel6 corn caracteristica de 
tempo inverse G ajustado para uma corrente de operafao maior, de 300 por cento ou 
mais da corrente nominal do terciario, esperando-se sua operasso para valores de 
corrente de falta de moderadas a altas. Essas caracteristicas combinadas forne- 
cem excelente proteGao de retaguarda contra faltas para a terra. (,ver Figura 6 
do Anexo A). 
6.4 Prote@o contra fdtas pma a terra 
A detecq% sensivel de faltas para a terra pode ser obtjda por mejo de reles di - 
ferenciais ou de rel& de sobrecorrente destinados especificamente a esse fim, 
Varies esquemas Go viaveis, dependendo das liga@es do transformador, da dispo- 
nibilidade de transformadores de corrente,da fonte de corrente de seqU^encia Ze- 
ro, do projeto do sistema e da pratica de operaGao. 
6.4.1 FaLtas em enrohmentos de transformadores ligados em delta 
Quando for disponivet uma fonte externa de corrente de seq&cia zero, um rele 
residual coma indicado na Figura 7 do Anexo A, detectars faltas para a terra den - 
tro do enrolamento delta do transformador e nos condutores de fase entre os trans - 
formadores de corrente e o enrolamento. Podem ser usados rel6s de sobrecorrente 
instantaneos mas, neste case, 0s ajustes sensiveis