A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
71 pág.
IBGE   TECNICO   Conhecimentos Gerais

Pré-visualização | Página 11 de 50

monopólio real, como o comér-
cio de pau-brasil. Até a transferência do governo português para o Brasil, 
em 1808, as decisões principais provinham de Lisboa. As vilas e cidades 
eram administradas por câmaras municipais eletivas, intituladas Câmara de 
Vereadores ou, excepcionalmente, Senado da Câmara. Compunham-se de 
dois juízes ordinários, três vereadores e oficiais da Câmara. A partir de 
1796, como sintoma de maior centralização absolutista, as câmaras passa-
ram a ser presididas pelos juízes-de-fora, nomeados pelo rei. O voto e a 
vereança cabiam exclusivamente aos "homens bons", representantes da 
classe proprietária. 
O critério seletivo excluía até mesmo os comerciantes, que só tiveram 
acesso à administração municipal a partir do século XVIII. A prática das 
câmaras expressava assim os interesses dos proprietários, e servia-lhes 
como elemento legal de protesto contra as decisões metropolitanas. O 
aumento da centralização administrativa diminuiu esse poder contestatório. 
Até o século XVIII coexistiram duas práticas administrativas sob controle 
estatal: as capitanias hereditárias e as capitanias reais. Nas primeiras, o 
donatário exercia funções vitalícias e transmissíveis por herança, fixadas 
nas "cartas de doação" e nos "forais"; nas capitanias reais, o capitão-mor 
governava pelo período que conviesse ao rei. Essa unidade administrativa 
iniciou-se com a criação do governo-geral em 1548. A centralização admi-
nistrativa empreendida pelo marquês de Pombal extinguiu o regime das 
capitanias hereditárias, que passaram a ser reais. 
O governo-geral foi instituído para dar maior eficácia ao sistema coloni-
al. Regimentos reais especificavam as atribuições do governador-geral e de 
seus principais auxiliares, o ouvidor-mor e o provedor-mor. Em 1640, Filipe 
IV nomeou Jorge de Mascarenhas, marquês de Montalvão, como primeiro 
vice-rei do estado do Brasil. Somente quando a capital foi transferida de 
Salvador para o Rio de Janeiro, a dignidade do vice-rei deixou de ser 
honorífica e pessoal para se tornar uma clara função administrativa. 
Os governadores-gerais exerceram autoridade sobre todo o estado do 
Brasil até 1573, quando D. Sebastião o dividiu em repartição do norte e do 
sul, com capitais em Salvador e Rio de Janeiro respectivamente. O objetivo 
era a melhor defesa do litoral contra as investidas dos franceses em Cabo 
Frio e no Nordeste. Em 1578 restabeleceu-se a unidade, novamente rompi-
da em 1608, por outra divisão semelhante, determinada pela exploração do 
ouro em São Vicente. 
De 1612 a 1615 os franceses ocuparam a ilha do Maranhão, e comer-
ciantes holandeses e ingleses incursionaram pela embocadura do Amazo-
nas. Em vista desses riscos, em 1621, Filipe III separou o estado do Mara-
nhão, unidade administrativa que englobava a área compreendida entre o 
Ceará e o Peru atuais. Essa criação foi determinada pelo isolamento do 
extremo norte, cujas comunicações terrestres ou marítimas com o estado 
do Brasil eram precárias. Em 1737 o Maranhão passou a intitular-se estado 
do Grão-Pará e Maranhão, e a capital transferiu-se de São Luís para Be-
lém. O descobrimento de salinas e a expansão pecuarista articularam o 
extremo norte com o resto do Brasil, por meio do Piauí e do Maranhão. Na 
ocasião planejava-se o desenvolvimento da Amazônia pela atividade agrí-
cola exportadora baseada no regime da grande propriedade escravista. 
Tais elementos determinaram, em 1774, a extinção do estado do Grão-
Pará e Maranhão, que passou a integrar o estado do Brasil, sob a autorida-
de dos vice-reis no Rio de Janeiro. 
Política mercantilista. A colonização do Brasil representou o elemento 
mais importante para o processo de fortalecimento de Portugal como esta-
do moderno, capaz de superar as limitações ao desenvolvimento da eco-
nomia capitalista européia. A política colonial portuguesa integrava-se 
assim no esquema mais amplo de política econômica que orientou a ação 
estatal nos primórdios da época moderna: a política mercantilista. Era o 
coroamento de uma luta de muitos séculos, ora pela independência do 
reino em relação aos senhores feudais, ora na guerra de reconquista contra 
o invasor muçulmano, e que afirmou a supremacia do rei sobre a nobreza 
territorial e aniquilou o esboço da monarquia agrária em favor do estilo 
patrimonial. 
O capitalismo monárquico e comercial afirmou-se em torno da casa re-
al. O comércio que se expandiu a partir das navegações costeiras medie-
vais, e projetou-se na idade moderna para a África, a Ásia e a América, fez 
do tesouro régio o centro dos cuidados políticos. Para servir a essa realida-
de, nova e singular no contexto europeu, articulou-se um quadro adminis-
trativo dependente do soberano e alimentado pelos lucros e aventuras 
mercantis. 
O primeiro cuidado de Portugal foi resguardar a área do seu império 
colonial. Mas essa empresa, por demais dispendiosa, necessitava de uma 
fonte de recursos que a financiasse. Essa fonte residiu no monopólio do 
comércio colonial. Assim, a expansão mercantil e a formação do moderno 
estado português foram processos articulados. O estado centralizado, único 
capaz de mobilizar recursos em escala nacional, era o pré-requisito à 
expansão ultramarina; ao mesmo tempo, os mecanismos de exploração 
comercial e colonial do ultramar fortaleceram o estado colonizador. 
O monopólio do pau-brasil se inseriu no sistema mercantil da coroa: o 
concessionário habilitava-se à exploração comercial e em contrapartida 
defendia a terra contra a cobiça de franceses e espanhóis. A insuficiência 
de recursos dos arrendatários e a exacerbação das incursões européias 
passaram a exigir um maior policiamento da costa pelas frotas portuguesas. 
Essa preocupação levou à mudança do esquema comercial, com o estabe-
lecimento do sistema das donatarias. 
A primeira instituição comercial e administrativa da colônia foi a feitoria. 
Tratava-se na prática de instalações muito primitivas, cercadas de pau-a-
pique, que serviam de mediadoras no comércio com os índios, que forneci-
am o pau-brasil e outros bens e recebiam em troca tecidos, artefatos e 
quinquilharias, no regime de escambo. No entanto, o sistema de feitoria 
começou a ser desafiado pelo estrangeiro, com o aliciamento do indígena 
pelo concorrente francês. Para mantê-lo seria necessário proteger a costa 
com um cinto de fortalezas, empresa por demais onerosa. Tentou-se resol-
ver o impasse pela combinação da armada guarda-costas com a expedição 
colonizadora, sob as ordens de Martim Afonso de Sousa. O objetivo era 
promover a limpeza da costa e fundar núcleos de moradores permanentes. 
No entanto, o plano mostrou-se precário em vista da imensidade do territó-
rio. Era necessário ajustar o sistema das feitorias às novas necessidades, o 
que levou ao regime das capitanias hereditárias, modelo já aprovado nas 
possessões insulares do Atlântico. 
Capitanias hereditárias. A coroa portuguesa necessitava de encontrar 
um modelo de produção colonial que se ajustasse às necessidades da 
procura européia. Como não foi possível, logo no início, dedicar-se priorita-
riamente à mineração de metais nobres, a colonização teve de optar pela 
especialização em produtos agrícolas tropicais. Desses, o que avulta em 
primeiro lugar é o açúcar, cujo mercado aumentava a olhos vistos. Portugal 
já detinha know-how suficiente para empreender um projeto de larga escala 
dessa cultura, tanto no nível da produção, experimentada com êxito nas 
ilhas atlânticas portuguesas, como no de sua comercialização nas praças 
flamengas, em que vigoravam as mais adiantadas técnicas de comércio da 
época. 
A cultura da cana e o fabrico do açúcar apresentaram-se assim como a 
solução ideal, porque ao mesmo tempo que se ajustavam perfeitamente às 
regiões quentes e úmidas da colônia, integravam-na na linha do comércio 
europeu, valorizavam economicamente as terras e promoviam seu povoa-
mento