A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
26 pág.
ACUPUNTURA E FIBROMIALGIA

Pré-visualização | Página 1 de 2

ACUPUNTURA E FIBROMIALGIA
FONTE: AUTOR
PROF. HAROLDO. 23/01/11
1
I.E.S.A
Instituto Integrado de Educação em Saúde
DEFINIÇÕES 
• É definida como um 
reumatismo não-articular
com dor 
musculoesquelética 
abrangente crônica ou 
rigidez associada à 
sensibilidade do tecido 
mole em múltiplos e 
característicos locais , na 
ausência de uma causa 
subjacente 
(Hazen et.al., 2002).
2
I.E.S.A
Instituto Integrado de Educação em Saúde
• Caracteriza-se pela dor 
que se irradia, e pontos 
de sensibilidade 
associados com: alteração 
na percepção da dor, 
padrão de sono anormal, 
serotonina cerebral 
reduzida e anormalidades 
da microcirculação e 
metabolismo energético 
muscular ( Eisinger, et.al. 
1994).
3
I.E.S.A
Instituto Integrado de Educação em Saúde
• É uma síndrome de 
etiologia desconhecida, 
caracterizada por sintomas 
diversos, como fadiga 
intensa, dor músculo-
esquelética difusa e maior 
sensibilidade em pontos 
localizados (chamados 
tender points), alterações 
do padrão de sono, cefaléia 
e rigidez. Foi constatado 
também grande ocorrência 
de parestesias, dificuldades 
de memória, palpitações, 
tonturas, sensações de 
inchaço e dor torácica. 
(Revisa Brasileira de 
Medicina, 2008)
4
I.E.S.A
Instituto Integrado de Educação em Saúde
HIPÓTESES SUGERIDAS
• Distúrbio 
neuroendócrino: 
desequilíbrio de 
hormônios tireoidianos 
( Honeyman, 1997; Lowe, 
1997);
• Desequilíbrios do 
hormônio de crescimento 
da hipófise( Moldofsky, 
1993);
5
I.E.S.A
Instituto Integrado de Educação em Saúde
HIPÓTESES SUGERIDAS
• ( Duna e Wike, 1993) propôs que o sono 
desordenado leva redução da produção de 
serotonina, e consequente redução dos 
moduladores da dor, endorfinas, aumento 
nos níveis de substância P, combinado com 
mudanças no S.N.Simpático, resultando em 
isquemia muscular e aumento da 
sensibilidade à dor.
6
I.E.S.A
Instituto Integrado de Educação em Saúde
ETIOLOGIA NA M.T.C.
• Fatores patogênicos na M.T.C.:
• Anormalidades do clima,
• Doenças infecciosas epidêmicas,
• Transtornos emocionais,
• Dieta inadequada,
• Excesso de esforço,
• Traumas musculoesqueléticos,
• Disfunções de QI, XUE, e dos ZANG-FU
7
I.E.S.A
Instituto Integrado de Educação em Saúde
ETIOLOGIA NA M.T.C.
• VENTO PATOLÓGICO:
• O vento agride o corpo através da parte externa 
penetrando através da pele,
• O vento possui natureza YANG, e caracteriza-se 
por mover-se para cima e para fora, 
frequentemente ataca a parte superior do 
corpo, pele e músculos,
• Quando o vento ataca o corpo, o início de doença 
é súbito e pode mudar rapidamente de 
localização.
8
I.E.S.A
Instituto Integrado de Educação em Saúde
EPIDEMIOLOGIA GERAL
• Em média afeta 5% da população mundial;
• É muito mais frequente no sexo feminino;
• Geralmente incide em pessoas com faixa 
etária entre 40 e 60 anos;
• Tendência de herança genética. 
9
I.E.S.A
Instituto Integrado de Educação em Saúde
10
I.E.S.A
Instituto Integrado de Educação em Saúde
POSSÍVEIS FATORES DE RISCO 
• Falta de condicionamento físico: o sedentarismo é apontado como 
o principal fator de risco. "Pouquíssimos atletas desenvolvem 
fibromialgia", diz Jamil Natour, reumatologista da Unifesp.
• Mudanças hormonais como na menopausa pode aumentar as 
chances das mulheres desenvolver o quadro: os pesquisadores 
suspeitam que as mudanças hormonais estejam entre os fatores 
que desencadeiam a doença.
• Estresse e traumas emocionais: um acidente de carro pode 
estimular o aparecimento da doença.
• Doenças infecciosas: há vários relatos de pacientes que 
desenvolveram fibromialgia depois de serem acometidos por 
doenças infecciosas.
• Hereditariedade: filhos de fibromialgicos têm mais chances de 
desenvolver a doença, mas os pesquisadores não sabem se o fator 
de risco é o estilo de vida da família ou a genética.
11
I.E.S.A
Instituto Integrado de Educação em Saúde
SINTOMAS MAIS FREQUENTES
• Dor generalizada pelo corpo por, pelo menos, três meses.
• Sono inquieto, superficial e não-restaurador (o paciente já acorda 
cansado).
• Cansaço, perda de energia e diminuição da resistência a exercícios 
físicos.
• Cólon irritado (diarréia alternada com prisões de ventre) e outras 
disfunções intestinais.
• Formigamento e dormência nos braços, pernas, rosto e, sobretudo, 
nas mãos e nos pés.
• Depressão e ansiedade crônicas.
• Cefaléia.
• Sensação de inchaço nas articulações.
• Rigidez muscular.
12
I.E.S.A
Instituto Integrado de Educação em Saúde
CRITÉRIOS DE DIAGNÓSTICO
13
TENDER 
POINTS
I.E.S.A
Instituto Integrado de Educação em Saúde
• História de dor 
generalizada por pelo 
menos 3 meses 
consecutivos,
• Dor no lado direito e 
esquerdo do corpo, 
acima e abaixo do 
umbigo.
• Dor em 11 dos 18 
pontos sensíveis 
quando submetidos à 
uma pressão digital 
envolvendo 4Kgf de 
pressão. 
• Avaliar com a polpa 
digital do dedo polegar 
ou do dedo médio. 
• Realizar uma pressão 
até a unha ficar pálida.
14
I.E.S.A
Instituto Integrado de Educação em Saúde
15
TENDER POINTS TRIGGER POINTS
Ponto sensível e provoca 
dor local.
Ponto gatilho, além da dor local, 
provoca também dor irradiada 
quando é palpado.
I.E.S.A
Instituto Integrado de Educação em Saúde
LOCALIZAÇÃO ANATÔMICA DOS PONTOS 
LOCALIZADOS POSTERIORMENTE
• Inserção dos mm. 
Suboccipitais, 
• Na região média das fibras 
transversas do m. trapézio,
• Na origem dos mm.supra-
espinhal, sobre a espinha da 
escápula,
• No quadrante superior e 
externo da região glútea, 
região do m.glúteo médio,
• Na região posterior ao 
trocânter maior do fêmur.
16
B10
ID14
B41
B53
VB30
PONTOS LOCALIZADOS 
ANTERIORMENTE
• Na região anterior do 
pescoço, nível de processo 
transverso de C5 à C7,
• No 2º espaço intercostal, 
próximo da junção 
costocondral,
• Próximo aos epicôndilos 
laterais do cotovelo,
• Na região medial dos 
joelhos.
17
IG17
R26
IG11
F8
I.E.S.A
Instituto Integrado de Educação em Saúde
CONFIRMAÇÃO DO QUADRO???
• Localização e 
confirmação dos Tender 
points( 11 no mínimo),
• Confirmar outros 
sintomas, tais como: 
• Insônia,
• Cefaléia tensional,
• Síndrome do Cólon 
irritável,
• Depressão, 
• Rigidez no corpo,
• Disfunção na 
articulação 
temporomandibular,
• Vertigem, palpitação, 
etc...
18
I.E.S.A
Instituto Integrado de Educação em Saúde
TRATAMENTO MULTIDICISPLINAR
• Exercícios físicos de baixo impacto (sobretudo caminhadas 
ou natação) para aumentar a produção da endorfina e 
melhorar a oxigenação muscular.
• Alongamentos: para aliviar a sensação de dor provocada 
pela contração muscular excessiva, comum em pacientes 
com fibromialgia.
• Acupuntura: para melhorar a qualidade do sono, estimular 
a produção de serotonina e endorfina e combater a 
depressão e a ansiedade, e diminuição da dor.
• Redução das situações de estresse procurando fazer 
pequenas pausas de descanso ao longo do dia para evitar a 
fadiga.
• Técnicas de relaxamento: ioga, meditação e hidroterapia (a 
água também ameniza a dor).
19
AVALIAÇÃO DA FIBROMIALGIA 
DENTRO DA ACP
• Anamnese;
• Inspeção da língua;
• Fisiognomonia,
• Pulsologia,
• Sono,
• Hábitos alimentares,
• Escala de dor,
• Estado emocional,
20
• Fraturas,
• Traumas 
musculoesquelético. 
I.E.S.A
Instituto Integrado de Educação em Saúde
TRATAMENTO DA FM ATRAVÉS DA 
ACUPUNTURA
• Hipóteses: 
• Estagnação geral do QI,
• Deficiência de XUE,
• Estagnação do QI do FÍGADO.
21
I.E.S.A
Instituto Integrado de Educação em Saúde
ESTAGNAÇÃO GERAL DO QI
• Surge através da obstrução ou dificuldade