Aula 07. Câncer de pênis (B Daphne)
3 pág.

Aula 07. Câncer de pênis (B Daphne)


DisciplinaUrologia538 materiais1.174 seguidores
Pré-visualização1 página
Urologia - Aula 10 
Câncer de Pênis 
Caderno da Babi 
 
Raro em países desenvolvidos. Associado à má higiêne 
 
1. Fatores de Risco: 
\uf0b7 Fimose 
\uf0b7 HPV (16 e 18) 
\uf0b7 Metaplasia 
\uf0b7 BXO: balonite xerótica obliterante (lesão pré-maligna) 
\uf0b7 SWA: sex with animals 
\uf0b7 Tabagismo 
\uf0b7 Baixo nível educacional 
\uf0b7 Promiscuidade (?) 
 
obs: os dois principais fatores de risco são fimose e HPV 
 
2. Epidemiologia: 
\uf0b7 Carcinoma epidermóide (95%) - mais frequente (50/60 anos de idade) 
\uf0b7 Melanoma, Paget, Sarcoma, metástase, etc 
\uf0b7 6ª década de vida 
 
3. Diagnóstico: 
\uf0b7 Leucoplasia: elevado com espículas, não exsudativo, bordas bem delimitadas, 
de crescimento progressivo, indolor, normalmente, na glande e prepúcio. 
\uf0b7 Condiloma: não cura HPV, paciente pode desenvolver câncer em qualquer 
etapa da vida. Literatura não recomenda a vacina para previnir câncer de 
pênis. 
\uf0b7 Condilomatose: quando o paciente tem baixa imunidade, há maior fator de 
risco para câncer de pênis 
\uf0b7 Eritroplasia de Queyrat: lesão avermelhada na glande, bordas bem 
delimitadas, indolor, crescimento progressivo, área mais vascularizada com 
pontinhos hemorrágicos (neovascularização) - pode haver sangramento. 
Diagnóstico diferencial de balanopostite. É uma lesão pré maligna. 
obs: leucoplasia ou eritroplasia tem que fazer biopsia 
condiloma gigante 
\uf0b7 Doença de Bowen: pode ocorrer em todo o corpo; sua característica e que ela 
se espalha. diagnóstico por biópsia. e uma lesão pré maligna. 
carcinoma epidermóide clássico; bordas elevadas, sangram ao toque. 
A lesão vai crescendo e invadindo, ultrapassa o prepúcio 
Geralmente da metástase para linfonodos inguinais; raríssimas vezes da metástase 
hematogênica. 
balanopostite de zoon não é cancer: o pct tem uma lesão suapeita de eritroplasia, mas 
quando faz a biópsia não e câncer. ocorre muito lesão em espelho. vermelho vivo, 
exsudativo, doloroso. tto circuncisão. 
Balanite xerotica obliterante: reação inflamatoria no prepúcio e glande, 
seca/quebradiço. tem períodos de agudização e remissão. Pode surgir em cima da 
lesão um carcinoma epidermóide. 
 
linfonodomegalia inguinal: é mandatório palpar a regiao inguinal; procurar as 
características dos linfonodos. 
hemi-hipertrofia: linfonodomegalia que se espalha para linfonodos pelvicos... 
 
4. Estadiamento 
 
 
\uf0b7 alto risco > T1G3 
\uf0b7 baixo risco: Tis, pTaG1-2, pT1G1-2 (T1G1para baixo). 
 
Tomografia para fazer estadiamento do Tumor 
N1: 1 linfonodo inguinal superficial 
N2: múltiplos ou bilaterais 
N3: massa fixa, inguinal profundo ou pélvicos 
obs: quando tem linfono acometido o prognóstico é muito ruim (diminui a curva de 
sobrevida) 
 
5. Tratamento: 
5.1. Baixo Risco (Tis, Ta-1, G1-2) 
\uf0b7 5- fluorouracil, imiquimod, laser (Tis) 
\uf0b7 Desepitelização (tis e Ta) 
\uf0b7 Excisão 
\uf0b7 Circuncisão 
\uf0b7 Glandectomia 
\uf0b7 Amputação peniana parcial 
\uf0b7 Rxt 
 
5.2. Alto Risco (T1 G3, \u2265 T2) 
\uf0b7 Glandectomia 
\uf0b7 Amputação peniana parcial 
\uf0b7 Amputação peniana total 
\uf0b7 Emasculação 
\uf0b7 Rxt 
 
obs: História natural do câncer de pênis o paciente morre de hipovolemia aguda, 
invade os vasos femorais e o paciente sangra até a morte. O controle local da doença é 
extremamente importante para evitar isso. 
 
 
Caso Conceito: 
Homem, 45 anos, mestre de obra 
"Balanopostite" de repetição 
Tratamento tópico com antifúngico, antibiótico e corticóides