Aula 11. Tumores de testículo (B Daphne)
5 pág.

Aula 11. Tumores de testículo (B Daphne)


DisciplinaUrologia670 materiais1.370 seguidores
Pré-visualização1 página
Urologia - Aula 11 
Tumores de Testículos 
 
Caderno da Babi 
 
 
1. Introdução: 
Tumores malignos do testículos - 1% de todoas as neoplasias do sexo masculino 
5.000 novos casos ao ano 
Germinativos x Não germinativos 
 
2. Tipos de Tumores Germinativos: 
Seminonas (45 a 50%) 
Clássicos ou puros: 80% 
.... 
 
Não Seminomatosos: 34 a 45% 
Carcinoma embrionário 
Teratocarcinoma 
Teratoma 
... 
 
3.Tumores de células Não Germinativos: 
3.1. Primários: 
Células de Leydig 
Células de Sertolo 
Sarcomas 
 
3.2.Secundários 
Linfomas 
.... 
 
Epidemiologia: 
Faixa etária: 15 a 34 anos (3ª causa de morte neste grupo etário) 
10x mais frequentes em brancos 
População rural mais comunm 
Mais comum do lado direito - criptorquia 
 
Etiologia: 
Criptorquia 
50x > indivíduos normais 
Até 30% dos CA - Testículo criptorquídico 
5% - Testículo contralateral 
Testículo abdominal (4x) versus testículo inguinal 
 
Criptorquia <------X---------> Orquiopexia 
Papel indefinido 
Ectopia (aumento da temperatura)? 
Fatores endócrinos? 
Alterações disgenéticas instrínsecas 
Recomendação: corrigir de 1 a 2 anos de idade 
 
História Natural: 
Doença Localizada: 60% 
Extensão regional: 23% 
Doença Metastática: 15% 
Bilateral: 1,5 a 5% 
 
Crescimento e Disseminação: 
Celocidade de crescimento rápida 
Tempo de duplicação celular: 
Não seminomatosos: duplicação celular de 10 a 30 dias 
Seminomatosos: duplicação mais lenta 
 
Disseminação: 
Por Contiguidade: 
Albugínea 
Epidídimo 
Cordão espermático 
 
Linfática: linfonodos retroperitoniais 
Lado Direito: Frente da veia cava e entre a cava e a aorta (23 a 88% passam para os 
linfonodos contralaterais) 
Lado esquerdo: frente a aorta... (disseminação para o lado direito mais rara) 
 
Hematogênica: pulmão, fígado e cérebro 
 
Abordagem Inicial: 
História Clínica: 
Exame Físico 
Exame de imagem: USG com doppler de bolsa escrotal 
Estadiamento TNM: RNM ou TC com contraste de tórax e abdome ( para ver 
metástase) 
Marcadores tumorais: 
 
Exame Físico: 
Epidídimo normal 
Espessamento de cordão (10 a 15%) 
Hidrocele (10 a 35%) 
Massas abdominais 
Gânglios supra-claviculares 
Ginecomastia 
 
Exame Físico do Testículo: 
Aumentado 
Indolor 
Aumento do volume 
Áreas nodulares 
Aumento de peso 
Vai mais pra baixo 
 
Diagnóstico Diferencial: 
Orquiepididimite 
Hidrocele exclusiva 
Hérnia 
Torção testicular 
Orquite granulomatosa 
 
Diagnóstico: 
Exame Físico 
Marcadores Tumorais: DHL / AFP/ ßHCG) 
USG com doppler 
RX de tórax / TC / RNM (estadiamento) 
Inguinotomia exploradora (abre o canal inguinal e faz a biópsia) 
 
Estadiamento dos Tumores 
 
 
T1: 
 
Nx: Linfonodos não podem ser avaliados 
N0: sem metástases para linfonodos 
N1: 
N2: 
N3: > 5cm 
 
M 
 
 
Marcadores Tumorais: (ß HCG e alfa feto proteína são os melhores para 
acompanhamento): 
ßHCG: 
Meica vida de 36 horas 
Coriocarcinoma: aumenta o ßHCG em 100% 
... 
... 
 
Outras causas de aumento de beta HCG: Cirrose, ...,... 
 
Alfa Feto Proteína: 
Meia vida de 5 dias 
Seminoma puro e coriocarcinoma puro não produzem alfa feto proteína 
Falsa Elevação: crianças < 1 ano 
 
Marcadores Tumorais: 
1) Marcadores: 
Elevados: câncer de testículo 
Normais: não exclui 
 
2) Sem metástases: marcadores normalizam 
 
3) AFP aumentada e BHCG aumentada após a orquiectomia: tumor residual 
 
4) .... 
 
Metástases: 
Porpedêutica Básica: 
RX de tórax 
TC de abdome 
 
 
Tratamento: 
Tipo Histológico 
Estadiamento (TNM) 
Marcadores Tumorais (Níveis séricos) 
 
Tratamento Tumor Primário: 
Orquiectomia radical 
Incisão inguinal alta 
Clampeamento do cordão 
Evitar violação tumoral 
 
Excepcional: Quimioterapia prévia / Orquiectomia secundária 
Não deve ser feito biópsia primária do testículo porque piora o prognóstico. 
 
 
Fatores de risco elevam as taxas de metástases e recorência ganglionar de 10% para 
aproximadamente 50% 
 
Tratamento dos Seminomas: 
Localizado (T1-T4, N0, M0) Estádio I 
Pacientes com pT1 ou pT2 e sem fatores de risco 
Orquiectomia + Vigilância ativa (recorrência de 15 a 18%)