APOSTILA RESUMIDA (Racionalismo e Empirismo)
3 pág.

APOSTILA RESUMIDA (Racionalismo e Empirismo)


DisciplinaFundamentos Epistêmicos da Psicologia387 materiais2.306 seguidores
Pré-visualização1 página
\u2013 RACIONALISMO E EMPIRISMO \u2013
\u2022 Qual é a importância de estudarmos os fundamentos epistêmicos da psicologia?
			 Esta disciplina nos ajudará a identificar quais os pressupostos em jogo na delimitação do seu objeto de estudo e a reconhecer as raízes nas quais as abordagens psicológicas se apoiam.
\u2013 RACIONALISMO: Descartes, Leibniz, Spinoza.
\u2013 EMPIRISMO: Bacon, Locke, Berkeley, Hume (empirista mais radical).
\u2022 ARGUMENTO RACIONALISTA: há verdades intemporais que nenhuma experiência nova poderá modificar.
\u2022 ARGUMENTO EMPIRISTA: quando nascemos a mente é uma espécie de folha em branco que adquire conhecimento mediante a experiência sensorial.
			 Os empiristas negaram as IDEIAS INATAS de Descartes, alegando que os seres humanos não estão equipados, ao nascerem, com qualquer espécie de conhecimento.
*(PARA DESCARTES: RAZÃO = ALMA; ESPÍRITO; MENTE)
Ainda para Descartes, \u201cnenhuma ideia merece o qualitativo de verdadeira se não for objeto de um questionamento radical (...)\u201d
Para ele, a razão é o que torna os homens iguais, e o que os diferencia é a OPINIÃO.
*Enquanto a razão iguala oh homens, as opiniões os diferenciam.
Esse filósofo sugeriu que a razão dá origem a duas espécies de ideias: as IDEIAS DERIVADAS e as IDEIAS INATAS.
\u2022 IDEIAS DERIVADAS: ideias produzidas pela aplicação direta de um estímulo externo, são produtos das experiências sensoriais.
		\u2022 IDEIAS INATAS: são aquelas que independem das experiências sensoriais, eu já nascem com o indivíduo.
 \u2013 MÉTODO PARA A BUSCA DA RAZÃO \u2013
	\u2022 1ª REGRA: não aceitar nada como verdadeiro sem antes ter passado pelo crivo da razão (dúvida e questionamento)
	\u2022 2ª REGRA: dividir o problema complexo em partes simples. Ao focar em um problema simples e delimitado, a razão tem mais facilidade de resolvê-lo.
	\u2022 3ª REGRA: remontar o problema complexo, organizando os problemas simples de forma ordenada para que nenhuma informação seja prejudicada ou perdida.
	\u2022 4ª REGRA: o procedimento pode ser retomado e repetido para maior aproximação da verdade.
\u2013 John Locke; Empirista \u2013
Apesar de tomarmos o filósofo inglês Francis Bacon como um dos pioneiros do Empirismo britânico, é certamente o trabalho acurado e primoroso do também filósofo inglês John Locke que assinala o início formal desse grande movimento filosófico
Locke alega que os seres humanos não estão equipados, ao nascerem, com qualquer espécie de conhecimento. Ele renova a máxima aristotélica segundo a qual não há nada no intelecto que não tenha passado antes pela experiência sensível e explica o caráter inato das ideias em termos de aprendizagem e de hábito, como reforçará Hume posteriormente. 
Ao supor ser a mente um papel em branco sem quaisquer ideias, Locke se pergunta: como pode ela ser preenchida? Locke responde essa pergunta com uma só palavra: a experiência. Nela está fundado todo o nosso conhecimento.
Locke reconhecia dois tipos de experiências: as provenientes das sensações e as da reflexão. As ideias que advêm da estimulação sensorial direta causada por objetos físicos no ambiente, são impressões sensoriais simples. Sobre essas, a mente poderia exercer forte influência reflexiva de modo a gerar outras ideias. Provém da sensação a possibilidade de que outras ideias sejam produzidas.
Locke propôs também a existência de duas ideias para a compreensão do entendimento humano: as ideias simples e as ideias complexas. As ideias complexas seriam compostas a partir das ideias simples podendo, em contrapartida, serem decompostas em ideias simples.	
Ele concebeu as qualidades primárias e qualidades secundárias. As primeiras seriam inerentes ao objeto percebido, como, por exemplo, o tamanho e a dimensão de um objeto, as segundas, decorreriam da percepção, como a cor e o odor. 
		 \u2013 Georges Berkeley; Empirista \u2013
Berkeley afirmava que a percepção é a única realidade de que podemos estar certos. Não nos é dado conhecer com certeza a natureza dos objetos físicos do mundo vivencial. Tudo o que sabemos é como percebemos esses objetos. Como está dentro de nós, sendo, portanto, subjetiva, a percepção não reflete o mundo externo.
			\u2013 Leibniz; Racionalista \u2013
As teses opostas de Descartes (inatismo) e Locke (empirismo) já estavam estabelecidas e Leibniz, ao examiná-las, propôs uma articulação entre ambas no que concerne ao problema da verdade. Para tal, precisou retomar os postulados precedentes nomeando duas espécies de verdades: as \u201cverdades de razão\u201d e as \u201cverdades de fato\u201d.
\u2022 Verdades de razão: enunciam que uma coisa é o que é, necessária e universalmente, não podendo ser diferente que do é e de como é. Seu exemplo mais evidente são as ideias matemáticas
\u2022 Verdades de fato: ao contrário das inatas, dependem da experiência. Elas são obtidas por meio da sensação, da percepção e da memória. São empíricas e se referem a coisas que podem ser diferentes do que são.
As verdades de fato são verdades porque para elas funcionam o princípio da razão suficiente (conhecimento das causas). Pelo princípio da razão suficiente, todas as verdades de fato poderão, em certas condições, tornar-se verdades de razão. [1: Tudo o que existe, tudo o que percebemos e tudo aquilo de que temos experiência possui uma causa determinada e essa causa pode ser conhecida.]
\u2013 David Hume; Empirista \u2013 
O filósofo escocês David Hume foi quem efetuou a crítica mais radical ao Racionalismo ao objetar, por exemplo, o princípio da causalidade. Para esse filósofo, o princípio da razão suficiente defendido por Leibniz é apenas um \u201chábito\u201d adquirido por experiência como resultado da repetição e da frequência de nossas impressões sensoriais. [2: A relação fixa de causa e efeito entre os acontecimentos. Capacidade de atribuir causas para explicar e justificar fatos que observa ou vivencia.]
Seguindo o ponto reinaugurado por Locke e a linha traçada a partir desse ponto por Berkeley, Hume enveredou sua pesquisa para o campo da combinação das ideias simples em ideias complexas desenvolvendo a teoria da associação de ideias, mas levou a ideia mais adiante abolindo a concepção da mente como substância para tomá-la como uma qualidade secundária. Isso implica que ela só pode ser observada por meio da percepção e não passa do fluxo de ideias, sensações e lembranças. Considerada desse modo a mente humana, portanto, comportaria as impressões e as ideias.[3: Princípios que regulam a forma como as nossas ideias se unem entre si. Estes princípios são três: semelhança, contiguidade no tempo e no espaço e a relação de causa e efeito.]
A diferença entre essas consiste nos graus de força e vividez com que atingem a mente e penetram em nosso pensamento ou consciência. 
\u2022 IMPRESSÕES: as percepções que entram com mais força e violência. Sob esse termo incluo todas as nossas sensações, paixões e emoções, em sua primeira aparição à alma.
\u2022 IDEIAS: as pálidas imagens dessas impressões no pensamento e no raciocínio.
Ele acredita que não sejam necessárias muitas palavras para explicar essa distinção pois cada um, por si mesmo, percebe imediatamente a diferença entre sentir e pensar.