A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
12 pág.
Artigo   Comunicação e Educação, A Produção de Comunicação para Educação na TV   Marina Lopes

Pré-visualização | Página 1 de 4

COMUNICAÇÃO E EDUCAÇÃO: A PRODUÇÃO DE COMUNICAÇÃO PARA EDUCAÇÃO NA TV
Marina Lopes BONFIM; Itamar Teodoro de FARIA; [1: Acadêmica do Curso de Comunicação Social – Publicidade e Propaganda das Faculdades Integradas do Sudoeste Mineiro – FESP. Bolsista FAPEMIG. Contato: marina_lopes0602@hotmail.com.][2: Professor mestre. Docente das Faculdades Integradas do Sudoeste Mineiro – FESP. Contato: itamartfaria@yahoo.com.br.]
RESUMO
Educação e comunicação representam estudos amplos de vertentes sistemáticas do conhecimento. Suas relações e estudos representam possibilidades diversas e distintas, necessárias nas esferas em que se sobressaem as relações humanas e práticas. Ambas convergem de maneira peculiar no que diz respeito a este estudo, acerca da programação da televisão aberta para a educação. Desta forma, o tema comunicação e educação assume um caráter particular voltado à análise das publicações televisivas, e se circunscreve a aspectos específicos voltados para a dinâmica global atual com conteúdos diversos, e que de maneira excessiva “bombardeiam” a programação dos canais. Este estudo tem como base privilegiar a análise das produções da indústria do entretenimento para a televisão aberta, atentando-se para o fato de que a televisão é um meio tecnológico de grande potencial para auxiliar na educação. Em um primeiro momento, será feita uma reflexão sobre o tema educação e comunicação, bem como sobre os usos das mídias para a educação sobre o que é veiculado na televisão. Posteriormente, serão analisados os dados obtidos por meio de levantamento dos programas veiculados nos canais abertos da televisão brasileira e os horários de veiculação destinados pelas emissoras.
Palavras chaves: Comunicação; Educação; Televisão; Produção Televisiva.
1. INTRODUÇÃO
Educação e comunicação são necessidades exigidas em todos os campos em que prevalecem as relações humanas e técnicas. Os temas são complexos e vastos e as possibilidades de exploração e estudos das interfaces entre as duas áreas do conhecimento são abundantes. 
O intuito desta pesquisa é investigar a relação e análise sobre os usos das mídias para a educação, a partir do que é veiculado na televisão. A relação entre a educação e a comunicação é vista de forma diferenciada. Esta reflexão tem como foco as relações entre o processo comunicacional humano e o processo educacional de ensinar e aprender, analisando as possibilidades de uso dos meios digitais de comunicação e informação para ampliar e viabilizar essas relações. 
O tema “educação e comunicação” assumem, na ótica desses estudos, um caráter particular. As referências – tanto à comunicação quanto à educação – se circunscrevem a aspectos bem específicos, voltados aos usos e práticas no cotidiano ou à análise do que é veiculado.
Como uma nova área distinta do conhecimento (educação e comunicação), para a qual convergem pressupostos, teorias, concepções e reflexões sobre suas múltiplas relações, seus estudos vão além da educação escolarizada e da comunicação midiática. 
No senso comum, educação e comunicação estão na base e na raiz da solução de muitos problemas contemporâneos, e reunida à comunicação, a educação é solicitada para invadir todos os campos, não isolada e ciosa de seus limites de formação e instrução, mas mediada, realizando na prática as interconexões que as potencializam e as indiferenciam. 
A indistinção entre os suportes tecnológicos, as técnicas subjacentes à produção e veiculação, os conteúdos veiculados e o próprio processo comunicacional-educacional em muitos dos estudos realizados colaboram para essa incompreensão das áreas.
O objetivo desse estudo é examinar essa relação no contexto da sociedade contemporânea, com a progressiva ampliação e incorporação das tecnologias digitais. 
1.1. Objetivos
Analisar e coletar dados a respeito da comunicação e educação na rede brasileira de televisão aberta, examinando as características dos conteúdos, tais como suas estratégias comunicacionais, abrangência quantitativa e qualitativa de sua produção, entre outros fatores que as exponham sua importância e participação nos meios de comunicação mais abrangente e democrático de nosso país. 
1.1..1 Objetivos Específicos
Refletir sobre a relação entre os meios de comunicação e a educação; 
Fazer levantamento de todos os programas/canais voltados para a educação veiculados na TV brasileira; 
Associar e analisar as estratégias de comunicação e educação dos programas.
1.2 Metodologia
A pesquisa é do tipo descritiva, com abordagem qualitativa. A pesquisa descritiva registra, analisa e correlaciona fatos ou fenômenos/variáveis a serem manipulados. (CERVO E BERVIAN, 2000).
Para Gil (1999,  p.42), a  pesquisa  tem  um  caráter  pragmático,  é um  “processo formal e sistemático de desenvolvimento do método científico. O objetivo fundamental da pesquisa é descobrir respostas para problemas mediante o emprego de procedimentos científicos”.
Assim, este estudo será desenvolvido a partir dos seguintes passos: 
Primeiro, a pesquisa bibliográfica, que tem como objetivo explicitar e construir acerca do tema e problema propostos, aprimorando as ideias, fundamentando o assunto abordado na pesquisa.  A pesquisa bibliográfica é elaborada com base em material já publicado. Tradicionalmente, esta modalidade de pesquisa inclui material impresso, como livros, revistas, jornais, teses, dissertações e anais de eventos científicos. Todavia, em virtude de disseminação de novos formatos de informação, estas pesquisas passam a incluir outros tipos de fontes, como discos, fitas magnéticas, CDs, bem como material disponibilizado pela internet. É também elaborada com o propósito de fornecer fundamentação teórica ao trabalho, bem como a identificação do estágio atual do conhecimento referente ao tema (GIL, 2010, p. 29). 
Segundo, a pesquisa documental, que coletará dados de fontes primárias, no caso, todo o processo de análise de conteúdo terá como base o levantamento dos programas/canais selecionados, bem como a interpretação dos mesmos.
Terceiro, a análise utilizada será de a de conteúdo. Após a seleção documental, proceder-se-á ao estabelecimento de temas e categorias a partir dos quais se possa analisar e interpretar todo o material. 
A análise de conteúdo, para Machado (1991, p. 53), em suas primeiras utilizações, assemelha-se muito ao processo de categorização e tabulação de respostas a questões abertas. Criada inicialmente como uma técnica de pesquisa com vistas a uma descrição objetiva, sistemática e quantitativa de comunicações em jornais, revistas, filmes, emissoras de rádio e televisão, hoje é cada vez mais empregada para análise de material qualitativo obtido através de entrevistas de pesquisa.
Para Bardin (1979, p. 42) a análise de conteúdo é definida como:
Um conjunto de técnicas de análise das comunicações visando obter, por procedimentos sistemáticos e objetivos de descrição do conteúdo das mensagens (quantitativos ou não) que permitam a inferência de conhecimentos relativos às condições de produção/recepção (variáveis inferidas) destas mensagens.
Segundo Puglisi e Franco (2005, p. 25) “A finalidade da análise de conteúdo é produzir inferência, trabalhando com vestígios e índices postos em evidência por procedimentos mais ou menos complexos”.
A análise de conteúdo é utilizada visando verificar hipóteses e ou descobrir o que está por trás de cada conteúdo, assim, Minayo (2003, p. 74) acrescenta que “[...] o que está escrito, falado, mapeado, figurativamente desenhado e/ou simbolicamente explicitado sempre será o ponto de partida para a identificação do conteúdo manifesto (seja ele explícito e/ou latente)”.
Conforme ressalta Trivinõs (1997 apud GOMES, 1994, p. 68) quando se trata de análise em pesquisa qualitativa, não se deve esquecer de que, “apesar de mencionarmos uma fase distinta com a denominação “análise”, durante a fase de coleta de dados a análise já poderá estar ocorrendo”.
Sendo assim, é necessário refletir sobre as finalidades da fase