A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
265 pág.
pesca recursos pesqueiros amazonia livro

Pré-visualização | Página 2 de 50

de Cooperação Técnica Alemã - GTZ. Atuou no Projeto de Tecnologia
de Madeira pela Sudam e GTZ. Desde julho de 2000, supervisiona o
subprojeto de Estatística Pesqueira, em Santarém/PA, através do Proje-
to Manejo dos Recursos Naturais da Várzea - ProVárzea/Ibama.
João Paulo Viana
Graduado em Ciências Biológicas e Mestre em Ecologia pela
Universidade de Brasília, Doutor em Pesca e Ciências Aquáticas pela
Universidade da Flórida (Gainesville, EUA). Trabalha na Amazônia des-
de 1993 com contaminação mercurial em peixes, ecologia de assem-
bléias de peixes e sistemas de monitoramento e manejo de recursos
pesqueiros, com enfoque em sistemas adotados por comunidades ri-
beirinhas. Possui cerca de 20 artigos publicados em periódicos nacio-
nais, internacionais e livros. Trabalhou por dois anos como técnico na
Secretaria do Desenvolvimento Ambiental de Rondônia. Entre 1997 e
2002 coordenou o Núcleo de Manejo de Pesca do Instituto de De-
senvolvimento Sustentável Mamirauá em Tefé, Amazonas. Atualmente
presta consultoria para o Departamento do Patrimônio Genético,
Ministério do Meio Ambiente, Brasília.
12
A pesca e os recursos pesqueiros na Amazônia brasileira
Mauro Luis Ruffino
Graduado em Oceanologia e Mestrado em Oceanografia Bioló-
gica pela Fundação Universidade do Rio Grande (FURG). Trabalha na
Amazônia desde 1992 com pesca, avaliação de estoques, manejo de
recursos pesqueiros e políticas pesqueiras, possuindo mais de 50 arti-
gos publicados em periódicos nacionais, internacionais e livros. Con-
sultor do Banco Mundial, Agência de Cooperação Técnica Alemã (GTZ),
Empresa de Consultoria Alemã (GOPA GmbH), Programa das Nações
Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) em planejamento, elabora-
ção, gerenciamento e coordenação de projetos internacionais sobre
a pesca e recursos naturais. Entre 1992 e 1998, coordenou o Projeto
IARA - “Administração dos Recursos Pesqueiros do Médio Amazonas”
executado pelo IBAMA em Cooperação Técnica com empresa de
Consultoria GOPA e Agência de Cooperação Técnica Alemã (GTZ) em
Santarém, PA. Desde julho de 2000 coordena o Projeto Manejo dos
Recursos Naturais da Várzea - ProVárzea/Ibama.
Nidia Noemi Fabré
Bióloga formada em 1983, iniciou suas atividades de pesquisa em
1984 no Instituto de Investigação e Desenvolvimento Pesqueiro da
Argentina. Atua no ensino desde 1983, na Universidade Nacional de
Mar del Plata. Argentina, Universidade na qual também obteve seu dou-
torado em 1992. A linha de pesquisa desenvolvida desde o inicio de sua
carreira científica foi Manejo e Conservação de Recursos Pesqueiros.
Em 1988 se fixou em São Luis do Maranhão onde pesquisou a pesca
artesanal desse estado no seio da Universidade Federal do Maranhão.
Em 1991, com pesquisadora colaboradora do Instituto Mac Planck, e
no âmbito do convenio de Cooperação Cientifica com o Instituto Naci-
onal de Pesquisa da Amazônia, iniciou sua vida cientifica no Amazonas.
Em 1992 o CNPq lhe outorgou uma bolsa de Desenvolvimento
Cientifico Regional consolidando suas pesquisa em manejo de recursos
pesqueiros do Amazonas. A partir de 1994 se incorporou ao quadro de
docentes da Pós – graduação da mencionada instituição onde até o
presente formou 9 mestres e um doutor. Nesse mesmo ano foi pesqui-
sadora visitante do Zentrum fur Marine Tropenokologie,,,,, Bremen, Ale-
manha, subsidiado pela cooperação internacional: Programa SHIFT/
13
BMFT Alemanha/ INPA/CNPq. Em 1997 ingressou à Universidade Fede-
ral do Amazonas como professora adjunta de Ecologia no Instituto de
Ciências Biológicas, instituição com a qual matem vinculo com dedica-
ção ate o presente. Na Universidade montou o Grupo de pesquisa –
ação transdisciplinar o PYRÁ (Programa Integrado de Recursos Aquáti-
cos e da Várzea) que trabalha com propostas alternativas para o desen-
volvimento integrado de populações ribeirinhas do interior do Estado.
Nos últimos 4 anos, coordenou o Programa de Pós – graduação em
Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia da UFAM, onde
orientou 2 dissertações de mestrado e leciona as disciplinas Sistemas
Ecológicos e Antropogénicos e Alternativas para o Desenvolvimento
Sustentável da Amazônia. A produção cientifica inclui 72 títulos entre
capítulos de livros, trabalhos em periódicos nacionais e internacio-
nais, participação em congressos e simpósios científicos e de planeja-
mento e indução de ciência e tecnologia para a Amazônia. Em 2002,
no âmbito do Pró-Varzea, assumiu a coordenação do Estudo estraté-
gico Bases para o manejo integrado dos grandes bagres migradores,
que se propõe um modelo de gerenciamento sobre bases ecológicas
sociais, econômicas e do etnoconhecimento para a conservação
desses recursos amazônicos. Sua trajetória técnica cientifica sempre
esteve associada ao desenvolvimento sócio ambiental dos usuários
dos recursos naturais, fato que sem duvida se consolidou na sua
carreira profissional no Amazonas.
Ronaldo Borges Barthem
Graduou-se em 1977 na Universidade Federal do Rio de Janei-
ro, UFRJ, Rio de Janeiro-RJ, no curso de Bacharelado em Biologia
Marinha. Obteve seu título de Mestre em 1981 no Instituto Nacional
de Pesquisas da Amazônia, INPA, Manaus-AM e o de Doutor em Ciên-
cias em 1990 na Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, Cam-
pinas-SP. Iniciou seus estudos na Amazônia em 1978, quando ingres-
sou no curso de pós-graduação do INPA e estudou a pesca na várzea.
Em 1981 se mudou para Belém-PA para estudar a pesca e a migração
dos bagres no estuário, cujo assunto foi tema de seu doutorado. È
pesquisador do Museu Paraense Emílio Goeldi, em Belém, desde 1982
e atua nos cursos de Pós Graduação da Amazônia desde 1993. Suas
14
A pesca e os recursos pesqueiros na Amazônia brasileira
áreas de atuação mais relevantes são Ecologia de Peixes, Pesca e Ma-
nejo de Recursos Pesqueiros e Ecologia de Bacias. Participou ou coor-
denou projetos de manejo de pesca e conservação de ambientes
aquáticos da Amazônia financiados por Agências dos Governos Brasi-
leiro (MCT e MMA), Japonês (JICA), Britânico (DIFID) e das Nações
Unidas (PNUD-PPG7), e também de Agências não Governamentais
como World Wildlife Fund, World Bank, Conservation International,
Rainforest Alliance, W. Alton Jones Foundation, Moore Foundation e
MacArthur Foundation. Realizou coletas na região do estuário e delta
Amazônico e nos rios Amazonas, Solimões, Negro, Xingu, Tapajós,
Trombetas, Madeira, Juruá e Japurá no Brasil, e Madre de Dios, no
Peru. Estudou a frota pesqueira e as técnicas de pesca das principais
áreas de pesca da Amazônia brasileira, colombiana, peruana e bolivia-
na. Autor de livros, capítulos de livros e artigos científicos sobre a
pesca na Amazônia e a ecologia de seus sistemas aquáticos. Dentre os
livros destacam-se Diagnostico de los Recursos Hidrobiologicos de la
Amazonia, editado pelo Tratado de Cooperação da Amazônia (TCA),
The Catfish Connection, editado pela Columbia University e The
Smithisonian Atlas of the Amazon, editado pelo Smithsonian Institute.
No momento está escrevendo sobre a migração dos grandes bagres e
a ecologia e a pesca no estuário e na cabeceira dos rios Andinos.
Vandick da Silva Batista
Graduado em Oceanografia pela Universidade Estadual do Rio
de Janeiro em 1983. Mestrado em Oceanografia Biológica em 1988
pela Fundação Universidade do Rio Grande. Doutorado em Biologia
de Água Doce e Pesca Interior em 1998 pelo Instituto nacional de
Pesquisas da Amazônia/Universidade Federal do Amazonas. Trabalhou
na Universidade Federal do Maranhão entre 1988 e 1990, passando
para a Universidade Federal do Amazonas desde então, no Departa-
mento de Ciências Pesqueiras da Faculdade de Ciências Agrárias onde
é Professor Titular. Efetua pesquisas em águas interiores na área de
avaliação de recursos pesqueiros e da pesca na Amazônia e sobre al-
ternativas de manejo de recursos pesqueiros. Desde 1999 é professor
credenciado no Programa de Pós-Graduação em Biologia