Aula 03
49 pág.

Aula 03


DisciplinaDireito Administrativo I38.380 materiais874.534 seguidores
Pré-visualização15 páginas
públicas e as sociedades de 
economia mista serão formadas sob o regime de pessoa jurídica de direito 
privado. Assim, o item está correto. Contudo, devemos lembrar que o regime 
jurídico será sempre híbrido, predominando ou um ou o outro regime (direito 
público e direito privado). No caso das empresas que exploram atividade 
econômica, as regras predominantes serão de direito privado. 
Gabarito: correto. 
Bens 
Os bens das sociedades de economia mista e das empresas públicas 
são considerados bens privados e, portanto, não possuem os atributos 
dos bens públicos, como a impenhorabilidade e imprescritibilidade. 
No entanto, tendo em vista o princípio da continuidade dos 
serviços públicos, a regra para as empresas públicas e sociedades de 
economia mista que prestam serviço público é um pouco diferente. Nesse 
caso, os bens afetados diretamente à prestação do serviço público gozam 
dos mesmos atributos dos bens públicos. Nesse sentido, voltando ao caso 
da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos - EBCT, o Supremo Tribunal 
Federal possui diversos julgados sobre essa entidade, atribuindo-lhe os 
Direito Administrativo p/ TJ-PI 
Escrivão Judicial 
Teoria e exercícios comentados 
Prof. Herbert Almeida ± Aula 3 
 
 
Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 14 de 48 
mesmos privilégios da fazenda pública, como a impenhorabilidade 
de seus bens (e, por conseguinte, a sujeição ao regime de precatórios)5. 
Assim, podemos resumir o caso da seguinte forma. Os bens das 
empresas públicas e sociedades de economia mista são bens privados. 
Porém, no caso das prestadoras de serviço público, os bens diretamente 
relacionados à prestação do serviço gozam dos mesmos atributos dos bens 
públicos. 
Falência 
A Lei 11.105/2005, que regula a recuperação judicial, a extrajudicial e 
a falência do empresário e da sociedade empresária, deixou claro, em seu 
art. 2º, I, que suas normas não se aplicam às empresas públicas e 
sociedades de economia mista. Dessa forma, independentemente da 
atividade que desempenham, as empresas públicas e as sociedades 
de economia mista não se sujeitam ao regime falimentar. 
 
14. (Cespe - Proc DF/2013) As sociedades de economia mista e as empresas 
públicas exploradoras de atividade econômica não se sujeitam à falência nem são 
imunes aos impostos sobre o patrimônio, a renda e os serviços vinculados às suas 
finalidades essenciais ou delas decorrentes. 
Comentário: não importa qual a natureza da atividade (prestação de serviços 
públicos ou exploração de atividade econômica), pois todas as EPs e SEMs 
não se sujeitam ao regime falimentar. Quanto à imunidade tributária, o 
entendimento do STF é que ela só se aplica às empresas estatais prestadoras 
de serviço público. Assim, o item está correto, pois as sociedades de 
economia mista e as empresas públicas exploradoras de atividade econômica 
não podem falir e não estão imunes aos impostos sobre patrimônio, renda e 
serviços vinculados às suas finalidades essenciais. 
Gabarito: correto. 
 
5 RE 220.906 DF. 
Direito Administrativo p/ TJ-PI 
Escrivão Judicial 
Teoria e exercícios comentados 
Prof. Herbert Almeida ± Aula 3 
 
 
Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 15 de 48 
Prescrição 
Vimos que as dívidas e os direitos em favor de terceiros contra as 
autarquias prescrevem em cinco anos (Decreto 20.910/1932, art. 1º6, c/c 
Decreto-Lei 4.597/1942, art. 2º). Para as empresas públicas e as 
sociedades de economia mista, contudo, não há essa regra. 
Assim, elas devem se submeter ao regramento previsto no Código 
Civil. O art. 205 do CC dispõe que a prescrição ocorrerá em dez anos, 
quando a lei não lhe haja fixado prazo menor. Em seguida, o art. 206 
estabelece diversos prazos de prescrição, para várias situações. Cremos 
que não há necessidade de decorar esses prazos, sobretudo quando se fala 
em direito administrativo. Assim, o que nos interessa é saber que as 
empresas públicas e as sociedades de economia mista não gozam 
do prazo quinquenal de prescrição. 
 
15. (Cespe ± TJ/TRT-10/2013) As ações judiciais promovidas contra sociedade de 
economia mista sujeitam-se ao prazo prescricional de cinco anos. 
Comentário: ficou fácil. As EPs e as SEMs não se submetem ao prazo 
quinquenal. Assim, as regras de prescrição estão previstas nos arts. 205 e 206 
do Código Civil. Dessa forma, concluímos pela incorreção da questão. 
Gabarito: errada. 
Diferenças entre EP e SEM 
As diferenças entre as empresas públicas e as sociedades de economia 
mista resumem-se em três: 
a) forma jurídica; 
b) composição do capital; e 
c) foro processual (somente para as entidades federais). 
Vamos analisar cada uma dessas diferenças. 
 
6 Art. 1º As dívidas passivas da União, dos Estados e dos Municípios, bem assim todo e qualquer direito ou ação 
contra a Fazenda federal, estadual ou municipal, seja qual for a sua natureza, prescrevem em cinco anos contados 
da data do ato ou fato do qual se originarem. 
Direito Administrativo p/ TJ-PI 
Escrivão Judicial 
Teoria e exercícios comentados 
Prof. Herbert Almeida ± Aula 3 
 
 
Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 16 de 48 
Forma jurídica 
As sociedades de economia mista devem, obrigatoriamente, ter a 
forma de sociedade anônima (S/A). Em virtude dessa formação 
societária, as SEMs são reguladas, basicamente, pela Lei das Sociedades 
por Ações (Lei 6.404/1976), que possui um capítulo específico para tratar 
dessas entidades7. 
Por outro lado, as empresas públicas podem ser formadas sob 
qualquer forma admitida em direito. Assim, elas podem ser unipessoais 
(quando a entidade instituidora possui a integralidade de seu capital), 
pluripessoais (quando possui capital dominante do ente instituidor 
associados aos recursos de outras pessoas administrativas). Cumpre frisar, 
as empresas públicas inclusive podem ser formadas como sociedades 
anônimas. 
Com efeito, o Decreto Lei 200/1967 dispõe que as empresas públicas 
podem revestir-se de qualquer das formas admitidas em direito. Por 
conseguinte, a doutrina entende que, uma vez que cabe à União legislar 
sobre direito civil e comercial (CF, art. 22, I), poderia ser instituída uma 
empresa pública federal sob forma inédita, sui generis, não prevista 
para o direito privado. Assim, a União criaria uma nova forma de empresa. 
Segundo José dos Santos Carvalho Filho8, apesar de o Decreto Lei 
200/1967 dispor que as EP podem ser formadas sob qualquer forma 
admitida em direito, existem algumas formas societárias incompatíveis com 
a empresa pública, a exemplo das sociedades em nome coletivo (CC, art. 
1.039) sociedade corporativa (CC, art. 1.093) e a empresa individual de 
responsabilidade limitada (CC, art. 980-A). Essas formas societárias são 
tipicamente formadas por pessoas físicas, inviabilizando a formação de 
capital por meio do Poder Público. Ainda com essa ressalva, devemos 
manter o entendimento de que as EPs podem ser formadas sob qualquer 
forma admitida em direito. 
Dessa forma, podemos entender que as empresas públicas podem ser 
criadas sob qualquer forma admitida em direito e, exclusivamente para a 
União, podem ser criadas sob uma forma jurídica inédita. Por outro lado, as 
sociedades de economia mista serão sempre constituídas na forma de 
sociedade anônima. 
 
7 Lei 6.404/1976, arts. 235-240. 
8 Carvalho Filho, 2014, p. 513. 
Direito Administrativo p/ TJ-PI 
Escrivão Judicial 
Teoria e exercícios comentados 
Prof. Herbert Almeida ± Aula 3 
 
 
Prof. Herbert Almeida