História da América 1 Cederj
320 pág.

História da América 1 Cederj


DisciplinaHistória da América I1.175 materiais44.141 seguidores
Pré-visualização50 páginas
A voz de um homem como o dominicano Las 
Casas nos faz pensar que o espírito humanista do século XVI provocou 
refl exões profundas e algumas ações sobre tais violências. Mas não 
devemos esquecer que estamos tratando de religiosos do século XVI, 
capazes de defender a liberdade dos índios e apoiar a escravidão 
africana nas Américas, como fez o próprio Las Casas.
Figura 5.1: Gravura de Theodore de Bry, elaborada para ilustrar 
algumas edições do Brevíssimo relato da destruição das Indias, do 
dominicano Bartolomé de Las Casas.
Fonte: http://it.wikipedia.org/wiki/Bartolom%C3%A9_de_Las_Casas
68 
História da América I
Atende ao Objetivo 2
2. Discuta o impacto do principal livro publicado por Bartolomé de Las Casas (Brevíssimo 
relato da destruição das Índias) na construção de uma visão europeia sobre os 
conquistadores espanhóis.
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
_______________________________________________________________
Resposta Comentada
Nesta questão, espera-se que você faça inicialmente uma breve análise sobre a vida e a 
atuação política e religiosa do dominicano Las Casas na América e na Espanha. Em seguida, 
é interessante mostrar que os relatos de Las Casas sobre a destruição das Índias provocaram um 
primeiro impacto na própria Espanha, acelerando reformas na legislação referente ao acesso à 
mão de obra indígena. Mais tarde, ao serem traduzidos para outras línguas europeias, estes relatos 
contribuíram para fortalecer a crítica feita pelos protestantes aos católicos espanhóis, que, em 
nome da conquista e da evangelização, realizavam atrocidades contra os nativos das Américas. 
 69
Aula 5 \u2013 Missionários e índios na América espanhola colonial
CONCLUSÃO
 Os religiosos europeus que empreenderam o processo de 
evangelização na América hispânica estavam movidos pelo espírito 
da Contra-Reforma católica e pelos ideais triunfalistas próprios do 
século XVI. Assim, imaginavam que os índios formavam uma parte 
escondida da cristandade, prontos a serem doutrinados na fé cristã 
e a abandonarem suas crenças anteriores, consideradas falsas e 
demoníacas pelos missionários.
 Esse processo de evangelização, também conhecido como 
conquista espiritual, afetou não apenas a vida religiosa, mas 
pretendeu também modifi car completamente aspectos da sociedade, 
do governo e das culturas indígenas como um todo. A igreja 
missionária nas Américas estava subordinada ao poder do Estado 
espanhol, por meio de um regime conhecido como padroado. Desta 
forma, as ações dessas duas instâncias se confundiam na prática, 
uma vez que os religiosos agiam de acordo com as determinações 
do Estado, ao mesmo tempo em que infl uenciavam estas mesmas 
determinações. 
70 
História da América I
Atividade Final
Atende aos Objetivos 1 e 2
Nesta atividade, proponho que você simule a preparação de uma tarefa para alunos da 
sétima série do Ensino Fundamental. A ideia é criar um roteiro para que esses alunos explorem 
o signifi cado do termo missão para a Igreja católica, a partir de um trecho de um documento 
produzido pela Igreja contemporaneamente. Reproduzo, a seguir, o referido documento:
É importante afi rmar que, mesmo na presença de difi culdades crescentes, o mandato 
de Cristo de evangelizar todos os povos permanece uma prioridade. Nenhuma razão 
pode justifi car a sua diminuição ou interrupção, dado que a tarefa de evangelizar todos 
os homens constitui a missão essencial da Igreja. Esta missão ainda está no começo e 
devemos empenhar todas as forças no seu serviço (BENTO XVI, Papa, 2008). (Trecho 
extraído da Mensagem do Papa Bento XVI para o Dia do Missionário Mundial de 
2008, Vaticano, 11 de maio de 2008).
Resposta Comentada
Como se trata de uma atividade que exige criatividade e originalidade, o roteiro que se 
segue é apenas uma ideia, entre outras possíveis.
- Separe as palavras desconhecidas e busque os signifi cados em um dicionário.
- Identifi que o autor e a época em que foi produzido este documento.
- O autor diz que a missão essencial da Igreja é evangelizar. De que Igreja ele está falando?
- A tarefa de evangelizar, de acordo com o texto, é uma tarefa nova? Justifi que sua resposta.
- Você é membro de alguma igreja? Conhece ou já conheceu algum missionário? Relate 
sua experiência.
 71
Aula 5 \u2013 Missionários e índios na América espanhola colonial
RESUMO
 A Igreja presente nas Américas, nos primeiros tempos da 
conquista, era principalmente missionária (ou de doutrinamento), de 
modo que o clero regular dominou a obra pioneira da evangelização 
desta região. Sob o ponto de vista dos missionários, o projeto de 
evangelização, conduzido nas Américas, consistia em apagar as 
diferenças e reafi rmar as semelhanças entre os cristãos e os índios. 
Assim, para a maioria dos missionários, os nativos americanos eram 
vistos como pagãos e como membros potenciais da cristandade, 
desde que recebessem a doutrina cristã e tivessem seus cultos, 
considerados demoníacos, extirpados. A doutrinação, nesse sentido, 
deixava exposta a face mais violenta do processo de conquista 
espiritual empreendido nas Américas. 
Informações sobre a próxima aula
Na próxima aula, vamos estudar a resistência dos índios 
frente à ação missionária dos espanhóis, buscando entender 
particularmente o fenômeno das idolatrias na América indígena. 
Espero por você!
Aula 6
Resistência 
indígena e 
"idolatrias" na 
América espanhola
74 
História da América I
Meta da aula
Abordar o tema das idolatrias na América colonial a partir do ponto de vista dos 
religiosos europeus e dos indígenas, enfatizando-se a relação entre idolatrias e 
resistência indígena. 
Objetivos 
Esperamos que, após o estudo do conteúdo desta aula, você seja capaz de:
1. identifi car as idolatrias como formas de resistência indígena diante da violência da 
colonização;
2. relacionar o conceito de resistência às vivências indígenas, relatadas ao longo da aula.
Pré-requisitos
Para melhor acompanhar o conteúdo desta aula, é importante que você disponha de um 
dicionário e de suas anotações sobre a Aula 5 na qual foi discutido o caráter geral da 
evangelização na América espanhola. 
 75
Aula 6 \u2013 Resistência indígena e \u201cidolatrias\u201d na América espanhola
INTRODUÇÃO
Em 1924, um documento valiosíssimo foi descoberto no 
Arquivo Secreto do Vaticano. Tratava-se do manuscrito original, 
redigido em idioma náhuatl \u2013 a língua dos índios mexicas \u2013 e 
provavelmente preparado por sábios índios na década de 1520, na 
cidade do México. O manuscrito estava fragmentado, apresentando 
apenas 14 de seus 30 capítulos originais. Mas como saber que 
havia 30 capítulos, originalmente?
Na verdade, muitos séculos antes desse manuscrito ser 
encontrado no Vaticano, um frade franciscano que participou da 
evangelização do México preparou, com a ajuda de seus alunos 
indígenas, uma tradução resumida do texto para o idioma espanhol. 
Portanto, foi através do frei Bernardino de Sahagún (que chegou ao 
México em 1529) e de seus alunos, que os espanhóis tiveram acesso 
ao conteúdo desse manuscrito elaborado pelos índios.
O título da obra em espanhol é Libro de los