A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
35 pág.
DIREITO PROCESSUAL CIVIL  2° bimestre

Pré-visualização | Página 2 de 17

A incompetência absoluta não se convalida, nem com o passar do tempo, é insanável e poder ser reconhecido de oficio pelo juiz sem que nenhuma parte reclame, pode ser conhecido a qualquer tempo e em qualquer grau de jurisdição, inclusive sem a manifestação de oficio, sendo insanável é remetido ao juiz competente a julgar. Não corre risco de prescrição, e vai ser julgado pelo juiz competente, todos os demais atos podem ser convalidados. E pode ser reconhecido até depois do transito em julgado de sentença. Antes da ação rescisória, que em média é dois anos. Art 966, II. NCPC
A incompetência de natureza relativa, não sendo um vicio tão grave, não podem ser reconhecidos de oficio (depende da iniciativa da parte interessada para se manifestar) se convalido, e o vicio deixa de ser vicio, isso se d´´a pela inercia da parte interessada. PRORROGAÇÂO DA COMPETENCIA RELATIVA: quando um juiz relativamente incompetente se torna competente pela inercia da parte interessada. (tem contratos com clausula de eleição do foro). –o prazo para alegar a competência relativa do juiz que é o prazo da defesa. A competência pelo valor da causa é concorrente, a parte pode escolher qualquer uma das duas DO JUIZADO ESPECIAL da justiça comum, JÁ O Juizado especial federal tem competência absoluta.
29-04-2016
Dos limites da jurisdição nacional
DOS LIMITES DA JURISDIÇÃO NACIONAL
Art. 21.  Compete à autoridade judiciária brasileira processar e julgar as ações em que:
I - o réu, qualquer que seja a sua nacionalidade, estiver domiciliado no Brasil;
II - no Brasil tiver de ser cumprida a obrigação; não interessa de onde vem a obrigação o tribunal é cometente pra julgar porque a obrigação deveria ser cumprida no brasil, interessa se a obrigação teria que ser cumprida no Brasil
III - o fundamento seja fato ocorrido ou ato praticado no Brasil. Ato ocorrido, praticado no brasil (turistas no Brasil por fato ocorrido no Brasil)
Parágrafo único.  Para o fim do disposto no inciso I, considera-se domiciliada no Brasil a pessoa jurídica estrangeira que nele tiver agência, filial ou sucursal.- não importa onde está a sede da pessoa jurídica, se tiver alguma sede no Brasil, também pode ser julgada no Brasil
Art. 22.  Compete, ainda, à autoridade judiciária brasileira processar e julgar as ações: novidade na justiça brasileira
I - de alimentos, quando:
a) o credor tiver domicílio ou residência no Brasil; quem recebe os alimentos pode pedir do seu próprio domicilio e autoridade brasileira pode também julgar (existem países que estão conveniados que executam a sentença do julgamento no brasil)
b) o réu mantiver vínculos no Brasil, tais como posse ou propriedade de bens, recebimento de renda ou obtenção de benefícios econômicos; para facilitar o credor estrangeiro pode vir no brasil e pedir a competência brasileira para julgar- o réu não precisa ser brasileiro, basta que ele possua vínculos financeiros e renda
II - decorrentes de relações de consumo, quando o consumidor tiver domicílio ou residência no Brasil;- reclamar na aliexpress produtos que vieram da china, pode até ter uma decisão mas nada vai garantir o cumprimento da decisão.
III - em que as partes, expressa ou tacitamente, se submeterem à jurisdição nacional.
São hipóteses de competência concorrente
Art. 24.  A ação proposta perante tribunal estrangeiro não induz litispendência e não obsta a que a autoridade judiciária brasileira conheça da mesma causa e das que lhe são conexas, ressalvadas as disposições em contrário de tratados internacionais e acordos bilaterais em vigor no Brasil.
Parágrafo único.  A pendência de causa perante a jurisdição brasileira não impede a homologação de sentença judicial estrangeira quando exigida para produzir efeitos no Brasil.
litispendência, fenômeno que ocorre quando há duas demandas idênticas tramitando no mesmo tempo e uma delas devem sair do sistema sob pena de serem julgadas por juízes diferentes- mesmas partes, mesmas causas e mesmo pedido. Se as duas forem no mesmo território nacional, uma delas deve ser extinta e é a mais recente- garantia de coerência no sistema judiciário.
O art 24 fala em competência concorrente entre nacional e estrangeira, se a demanda for idêntica não se extingue a demanda nacional, o juiz não deve se preocupar, a demanda continua tramitando aqui e outra no outro pais. Neste caso vale o processo que transita em julgado em primeiro.- este art se relaciona com atr 21 e 22. 
Art. 23.  Compete à autoridade judiciária brasileira, com exclusão de qualquer outra:- somente a autoridade brasileira
I - conhecer de ações relativas a imóveis situados no Brasil;
II - em matéria de sucessão hereditária, proceder à confirmação de testamento particular e ao inventário e à partilha de bens situados no Brasil, ainda que o autor da herança seja de nacionalidade estrangeira ou tenha domicílio fora do território nacional;- precisa ser o iventario no brasil, não pode se fazer fora.
III - em divórcio, separação judicial ou dissolução de união estável, proceder à partilha de bens situados no Brasil, ainda que o titular seja de nacionalidade estrangeira ou tenha domicílio fora do território nacional.- a partilha do bem, possibilidade de dividir os bens se os bens estão no brasil a partilha deve ser efetivada aqui.
Art. 25.  Não compete à autoridade judiciária brasileira o processamento e o julgamento da ação quando houver cláusula de eleição de foro exclusivo estrangeiro em contrato internacional, arguida pelo réu na contestação.- pode se pedir o foro estrangeiro, quando tiver uma clausula que peça o foro estrangeiro, não vai caber a autoridade brasileira. Se o réu ...
§ 1o Não se aplica o disposto no caput às hipóteses de competência internacional exclusiva previstas neste Capítulo.
§ 2o Aplica-se à hipótese do caput o art. 63, §§ 1o a 4o.
Precisa ter competência de uma autoridade em abstrato para julgar aquela demanda. Para cada demanda vai haver apenas um juízo competente, todas as varas cíveis de Curitiba representam um mesmo juízo competente, que vai distribuídas para uma das 23 varas que possuem a mesma competência. Existem regras para resolver conflitos de competente, quando dois juízes estão em conflito para resolver a mesma demanda ou quando nenhum juiz é competente para resolver determinada demanda. 
Para se descobrir o juízo competente, deve se iniciar pelo órgão de cúpula. Se verifica de cima para baixo
STF 102,I CF. para dar inicio verifica as competências originárias do STF, ex. ADIN.
Art. 102. Compete ao Supremo Tribunal Federal, precipuamente, a guarda da Constituição, cabendo-lhe:
I - processar e julgar, originariamente:
a) a ação direta de inconstitucionalidade de lei ou ato normativo federal ou estadual e a ação declaratória de constitucionalidade de lei ou ato normativo federal; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 3, de 1993)
b) nas infrações penais comuns, o Presidente da República, o Vice-Presidente, os membros do Congresso Nacional, seus próprios Ministros e o Procurador-Geral da República;
c) nas infrações penais comuns e nos crimes de responsabilidade, os Ministros de Estado e os Comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, ressalvado o disposto no art. 52, I, os membros dos Tribunais Superiores, os do Tribunal de Contas da União e os chefes de missão diplomática de caráter permanente;  
d) o habeas corpus, sendo paciente qualquer das pessoas referidas nas alíneas anteriores; o mandado de segurança e o habeas data contra atos do Presidente da República, das Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, do Tribunal de Contas da União, do Procurador-Geral da República e do próprio Supremo Tribunal Federal;
e) o litígio entre Estado estrangeiro ou organismo internacional e a União, o Estado, o Distrito Federal ou o Território;
f) as causas e os conflitos entre a União e os Estados, a União e o Distrito Federal, ou entre uns e outros, inclusive as respectivas entidades da administração indireta;
g) a extradição solicitada por Estado estrangeiro;
h) (Revogado pela