A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
19 pág.
PROCESSO PENAL 2° BIMESTRE

Pré-visualização | Página 2 de 10

do juiz natural não permite que se relativize a competência em razão do lugar. Assim, também consideramos a competência, em razão do lugar, absoluta.
- essa divisão entre relativas e absolutas é um conceito importado do processo civil.Predomina a noção civilista de que a competência, em razão do lugar docrime, é relativa. Desde a mera leitura do CPP, defendem que a incompetência em razão do lugar do crime deve ser arguida pelo réu no primeiro momento em que falar no processo, sob pena de preclusão e prorrogação da competência do juiz
METODOLOGIA: existem várias maneiras de determinar a jurisdição competente, a mais utilizada é o método onde se respondem 3 perguntas: qual a justiça competente? qual o foro competente (local) e qual a vara ou instancia competente. Se responder as 3 perguntas nessa ordem para nunca errar competência. Existem 5 espécie de justiça que vão julgar crimes, se passa da mais especifica para a mais genérica. Militar federal, militar estadual, eleitoral, justiça federal e justiça estadual. 
1ª Qual é a Justiça e órgão competente?
Aqui se discutem os critérios relativos à matéria e pessoa, considerando a existência de:
1. Justiças Especiais
1.1. Justiça Militar
1.1.1. Justiça Militar Federal
1.1.2. Justiça Militar Estadual
1.2. Justiça Eleitoral
2. Justiças Comuns
2.1. Justiça Comum Federal
2.2. Justiça Comum Estadual
Sempre, para definição da “Justiça” competente, deve-se considerar a matéria em julgamento e começar a análise pela esfera mais restrita das Justiças Especiais (começando pela Justiça Militar Federal, depois Estadual e, por fim, a Eleitoral), para, por exclusão, chegar às Justiças Comuns (Primeiro a Federal), para só então chegar à Justiça mais residual de todas: a Justiça Comum Estadual. Definida a Justiça, deve-se analisar ainda em qual será o nível da jurisdição que terá atuação originária, pois pode ocorrer que, por exemplo, em virtude do cargo que o réu ocupe, o processo já nasça no Tribunal de Justiça, no Superior Tribunal de Justiça ou mesmo no Supremo Tribunal Federal. Assim, para encontrar o órgão julgador, devemos considerar a existência dos seguintes níveis de jurisdição (Justiça Comum).
2ª Qual é o foro competente (local)?
Quando, em razão da natureza do delito (matéria) e qualidade do agente (pessoa), o julgamento for de competência da Justiça de primeiro grau, deve-se ainda definir qual será o foro competente (lugar), atendendo, nesse caso, às regras dos arts. 70 e 71 do CPP. Excepcionalmente, dependendo da situação, poderá ser necessário recorrer às regras dos arts. 88 a 90, quando o delito for cometido a bordo de navio ou aeronave, como explicaremos na continuação.
Art. 70.  A competência será, de regra, determinada pelo lugar em que se consumar a infração, ou, no caso de tentativa, pelo lugar em que for praticado o último ato de execução.
        § 1o  Se, iniciada a execução no território nacional, a infração se consumar fora dele, a competência será determinada pelo lugar em que tiver sido praticado, no Brasil, o último ato de execução.
        § 2o  Quando o último ato de execução for praticado fora do território nacional, será competente o juiz do lugar em que o crime, embora parcialmente, tenha produzido ou devia produzir seu resultado.
        Art. 88.  No processo por crimes praticados fora do território brasileiro, será competente o juízo da Capital do Estado onde houver por último residido o acusado. Se este nunca tiver residido no Brasil, será competente o juízo da Capital da República.
        Art. 89.  Os crimes cometidos em qualquer embarcação nas águas territoriais da República, ou nos rios e lagos fronteiriços, bem como a bordo de embarcações nacionais, em alto-mar, serão processados e julgados pela justiça do primeiro porto brasileiro em que tocar a embarcação, após o crime, ou, quando se afastar do País, pela do último em que houver tocado.
        Art. 90.  Os crimes praticados a bordo de aeronave nacional, dentro do espaço aéreo correspondente ao território brasileiro, ou ao alto-mar, ou a bordo de aeronave estrangeira, dentro do espaço aéreo correspondente ao território nacional, serão processados e julgados pela justiça da comarca em cujo território se verificar o pouso após o crime, ou pela da comarca de onde houver partido a aeronave.
        § 3o  Quando incerto o limite territorial entre duas ou mais jurisdições, ou quando incerta a jurisdição por ter sido a infração consumada ou tentada nas divisas de duas ou mais jurisdições, a competência firmar-se-á pela prevenção.
        Art. 71.  Tratando-se de infração continuada ou permanente, praticada em território de duas ou mais jurisdições, a competência firmar-se-á pela prevenção.
3ª Qual é a vara ou juízo? Contudo, ainda assim, quantos juízes igualmente competentes em
Razão da matéria, pessoa e lugar existem nessa cidade? Dezenas. Logo, qual deles irá julgar? Deveremos recorrer aos critérios da prevenção (art. 83) ou da distribuição, conforme o caso.
 Art. 83.  Verificar-se-á a competência por prevenção toda vez que, concorrendo dois ou mais juízes igualmente competentes ou com jurisdição cumulativa, um deles tiver antecedido aos outros na prática de algum ato do processo ou de medida a este relativa, ainda que anterior ao oferecimento da denúncia ou da queixa
28-04-2016
1 JUSTIÇA MILITAR FEDERAL: justiça militar é o ramo da justiça mais antigo no Brasil, em alguns momentos da história do brasil se teve mais importância em respeito a lei. A justiça está prevista na constituição e é uma escolha válida do constituinte À Justiça Militar Federal compete o julgamento dos militares pertencentes às forças armadas (exército, marinha e aeronáutica), que possuem atuação em todo o território nacional. Essa Justiça está constituída da seguinte forma:
1º grau – auditorias e conselhos permanentes de justiça e conselho especial de justiça.
2º grau – é o Superior Tribunal Militar.
A competência dessa Justiça Especial está prevista no art. 124 da Constituição:
Art. 124. À Justiça Militar compete processar e julgar os crimes militares definidos em lei NESTE CÁSO O CÓDIGO PENAL MILITAR.
1.1 COMPOSIÇÃO: . art 123 CF em primeiro grau existe auditorias militares formado um juiz de carreira militar e outros representantes das forças militares. Em segundo grau é exercido pelo STM (superior tribunal militar em Brasilia) composto por 15 ministros sendo que 10 são representantes por forças militares 3 da aeronáutica 3 da marinha e 4 do exercito e 5 
1.2 CRITÉRIO: 3 critérios que definem a competência da justiça militar: 1critério objetivo e dois subjetivos. Critério objetivo é estar previsto em lei como crime militar art. 124. Que é definido no código penal militar. O segundo critério subjetivo, para ser de competência militar deve existir interesse militar, ou violação de alguma função relacionada ao serviço militar, a grande tendência é remeter para a justiça comum ex. militar que agride a esposa por ser traído, justiça comum; caso de militar que aceita propina, justiça militar. O terceiro critério e existir violação de bens jurídicos das forças armadas.
quando não estiver presente o interesse militar ou não for a conduta inerente à função militar, a competência da Justiça Militar (Federal ou Estadual) será afastada.Um questionamento importante: pode um civil ser julgado pela Justiça Militar Federal?
1.3 POSSIBILIDADE DE JULGAR CIVIL: a constituição deixou em aberto a possibilidade de haver julgamento de civil da justiça militar. Se um civil comete um crime militar contra forças armadas, contra bens jurídicos das forças armadas existe a possibilidade. Art 9 CPM- crimes militares impróprios (que podem ser cometidos por civis) Ex. art 143 do CPM prevê o crime de espionagem. há alguns anos um grupo de pescadores foi surpreendido dentro de uma área militar (exército). Foram julgados e condenados pela Justiça Militar Federal pela prática do delito de ingresso clandestino em área de manobras militares
2 JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL art 125 §4. A competência da