Tabernáculo de Moisés Kevin J. Conner  completo por yanna
50 pág.

Tabernáculo de Moisés Kevin J. Conner completo por yanna


DisciplinaTeologia12.638 materiais29.929 seguidores
Pré-visualização50 páginas
O juízo de Deus havia sido executado e a ira de Deus apaziguada. Sua justiça fora satisfeita, e agora, a misericórdia de Deus poderia fluir.
Sob a antiga aliança (aliança mosaica), Deus aceitava o sangue de um animal sem defeito como expiação pelo pecado, mas isto era somente uma sombra do sangue sem pecado de Cristo, que seria nossa propiciação. Quando somos aspergidos com o sangue de Cristo, Deus pode ser misericordioso, justo e justificador de todos os que crêem ou têm fé no sangue (1João 2.2; 4.10 e Romanos 3.20-27). Podemos agora orar como o publicano: \u201cDeus, tem misericórdia de mim, que sou pecador\u201d (ver Lucas 18.9-14), ou literalmente \u201cSê propício a mim, pecador\u201d. O sangue derramado no altar de bronze (apresentado como tipo da cruz) é trazido para a arca e para o trono de misericórdia (o trono de Deus), e Deus se torna propício.
Encontramos no Tabernáculo uma mistura de justiça e misericórdia. Misericórdia e verdade, justiça e paz eram reconciliadas ali (Salmo 101.1; 85.10; 86.5, 13, 15 e Tiago 2.13). A grelha do altar de bronze do sacrifício, que media um côvado e meio de altura (70 cm) era o trono do juízo. Ali o pecado de toda a nação era justificado pela morte substitutiva. Porém, a arca da aliança, que também media um côvado e meio de altura, era o trono de misericórdia. Nele toda a nação de Israel era reconciliada com Deus.
Remover a tampa onde o sangue havia sido aspergido, como fizeram alguns israelitas curiosos (1 Samuel 6.19,20), significava expor-se e colocar em operação a ministração da morte, como pode ser visto nos Dez mandamentos. Se alguém desejasse olhar as tábuas de pedra dentro da arca, as quais eram sem vida, teria que remover ou deixar de lado o sangue. Se nós rejeitamos o sangue (a lei do Espírito e de vida \u2013 Romanos 8.2) caímos para o nível da Lei (a Lei do pecado e da morte - Romanos 8.2), que pode somente trazer morte para o homem caído (2 Coríntios 3). A Lei podia apenas ameaçar, exigir, ordenar e condenar. Ela era o padrão perfeito da justiça de Deus, mas não tinha poder para dar vida e graça. Somente em Cristo podemos encontrar vida, \u201cPorque o fim da Lei é Cristo, para a justificação de todo o que crê\u201d (Romanos 10.4). Portanto, já que Cristo morreu para satisfazer a justiça exigida por um Deus santo (sendo seu sangue a evidência de que o pecado foi justificado), nosso relacionamento com Deus pode ser novamente restaurado (Apocalipse 5.8-10).
É importante notar também que essa estrutura é chamada de trono de misericórdia. Este é o único trono em todo o Tabernáculo, e apesar de ser chamado de trono, ninguém podia sentar-se nele. Paulo, ou o escritor de Hebreus, claramente identifica essa verdade: \u201cDia após dia, todo sacerdote apresenta-se e repetidamente oferece os mesmos sacrifícios, que nunca podem remover os pecados. Mas quando este sacerdote acabou de oferecer, para sempre, um único sacrifício pelos pecados, assentou-se à direita de Deus\u201d (Hebreus 10.11,12). Veja também Salmo 110.1, Marcos 16.19; Hebreus 8.1-3 e 12.1,2. O fato de que Jesus assentou-se significa que sua obra foi consumada (lsaías 16.5 e João 19.30). Cristo ofereceu seu próprio sangue ao Trono de Deus, e tendo feito isso, Ele assentou-se. E agora está assentado como nosso sumo sacerdote celestial, segundo a ordem de Melquisedeque. Ele agora está sentado no trono de ouro puro, um trono apropriado para o eterno Filho de Deus.

Resumindo, vimos que o trono de misericórdia refere-se ao:

Lugar de santidade, justiça e retidão.
Lugar de expiação e propiciação
Lugar de misericórdia e reconciliação
Lugar de comunhão entre Deus e o homem redimido
Lugar da glória de Deus
Lugar sobre o qual é invocado o Nome do Senhor (2Samuel 6.1,2)

11. ... com dois querubins de ouro batido nas extremidades da tampa. Faça um querubim numa extremidade e o segundo na outra, formando uma só peça com a tampa. Os querubins devem ter suas asas estendidas para cima, cobrindo com elas a tampa. Ficarão de frente um para o outro, com o rosto voltado para a tampa (Êxodo 25.18-20).
Nas figuras dos querubins e do trono de misericórdia, que formavam uma só peça de ouro, temos a mais magnífica representação da trindade divina em toda a Escritura! Já identificamos o que representa o trono de misericórdia, e agora identificaremos o que representam os dois querubins colocados em cada uma das extremidades. Em nenhum lugar da Bíblia eles são citados como anjos. Anjos não têm parte no trono de misericórdia porque eles não são \u201cum\u201d com Jesus. Por isso, não podemos identifica-las como anjos interessados em observar o mistério da nossa salvação (1 Pedro 1.12). Os querubins do trono de misericórdia são mencionados como os "querubins da glória" (Hebreus 9.5).
A tampa da arca da aliança foi feita de uma única peça de ouro na qual foram modeladas três figuras: os dois querubins e o propiciatório aspergido com sangue. Essa é uma figura da plenitude da divindade, constituída pelo Pai, pelo Filho e pelo Espírito Santo (Deus triúno). Assim como há uma única peça de ouro, há somente um Deus, e tal como há três figuras representadas na tampa, há três pessoas da divindade (veja o diagrama abaixo). Assim:

	Um querubim
	Trono de misericórdia
	Querubim

	O Pai
	 O Filho
	O Espírito Santo

	
Uma peça de ouro: um único Deus
Formando três figuras (triângulo): representando a trindade divina e eterna: Pai, Filho e Espírito Santo. Um triângulo ilustra bem esta verdade:

Um querubim 						Um querubim
O Pai 								O Espírito Santo

O Filho
O trono de misericórdia com sangue aspergido
\u201cNo meio\u201d

Somente o Pai, o Filho e o Espírito Santo são um no plano da redenção (1 João 5.5-8). Assim, o Pai e o Espírito Santo observam com olhos atentos e satisfeitos o propiciatório manchado de sangue, a obra consumada da redenção. Deus disse a Moisés: \u201cQuando eu vir o sangue, passarei adiante\u201d (Êxodo 12.13). Quando Deus vê o propiciatório aspergido com sangue, sua justiça é satisfeita e Ele suspende a sentença de morte.
Através de todo o Antigo Testamento, os querubins sempre estão relacionados com o julgamento do pecado. Eles são os guardiões da santidade de Deus, assim como de tudo que pertence à obra da redenção. A seguir apresentamos alguns exemplos:

1. Os querubins guardavam o caminho para a árvore da vida com a espada flamejante, a leste do jardim do Éden (Gênesis 3.21-24).
2. Figuras de querubins foram bordados no véu (Hebreus 10.20), guardando a entrada do Lugar Santíssimo, a sala do trono de Deus (Êxodo 26.31-33).
3. O Pastor de Israel habita entre os querubins (Salmo 80.1)
4. O Senhor reina e se assenta entre os querubins (Salmo 99.1)

Só podemos concluir que os querubins representam o Pai e o Espírito Santo, enquanto o propiciatório, o trono de misericórdia, representa o abençoado Filho de Deus, o Redentor.
Esta idéia não é nova, e outros estudiosos da Palavra têm chegado a conclusões semelhantes. Vejamos um exemplo extremamente interessante. Em um livro sobre doutrina publicado em 1804 por um homem chamado Jones, há um capítulo sobre \u201cNomes e Títulos de Cristo\u201d do qual extraímos os seguintes trechos:

A arca da aliança, o primeiro objeto a ser construído, preconizou a aliança da graça acertada entre as pessoas da divindade, ou Elohim em Jeová, representados de maneira perceptível nos querubins em relação às suas funções na graça divina. O Pai e o Espírito são apresentados desta forma, observando e cobrindo com suas asas o trono de misericórdia, ou propiciação, Mediador, o lugar de seus pés. Todos esses termos são sinônimos e expressam a natureza humana assumida pela natureza divina na pessoa de Jesus Cristo, que coroou e cobriu a arca ou a Igreja sob Ele, com o qual toda a Igreja deveria se apresentar unida, assim como Cristo e o Pai são um e co-participantes nele da glória e natureza divinas (João 17).
O crente verdadeiro deve ter um lugar pela fé na arca de Deus, estar coberto por Cristo, a propiciação e estar sob as asas ou proteção de Elohim, ou seja, das três pessoas da aliança. Assim é dito
Diogenes
Diogenes fez um comentário
amigo vc dispõe dos outros dois da coleção ?
0 aprovações
Josiel
Josiel fez um comentário
affz
0 aprovações
Carregar mais