A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
40 pág.
Fonética e Fonologia da linguá portuguesa

Pré-visualização | Página 1 de 1

FONÉTICA E 
FONOLOGIA DA LÍNGUA 
PORTUGUESA
MARIA DA CONCEIÇÃO REIS TEIXEIRA
Fonética
É a ciência que apresenta os métodos para 
a descrição, classificação e transcrição
dos sons da fala, principalmente aqueles 
sons utilizados na linguagem humana. 
Fonética articulatória
A Fonética articulatória estuda a 
produção da fala do ponto de vista 
fisiológico, articulatório.
ÓRGAOS DA FONAÇÃO
APARELHO FONADOR
PREGAS VOCAIS
Fonologia
Estuda os sons da língua do ponto de vista de sua 
função no sistema de comunicação linguística.
Estuda os elementos fônicos que distinguem, numa 
mesma língua, duas mensagens de sentido diferente, 
e aqueles que permitem reconhecer uma mensagem 
igual através de realizações individuais diferentes.
Permuta de um elemento por outro cria 
novo vocábulo
PALA : MALA
BALA : FALA
CALA : SALA
RALA : VALA
É funcional.
É distintivo.
É um fonema da língua. 
Modo de Articulação
Modo como a corrente de ar que provém dos pulmões é
expelida da boca na produção de sons da fala.
A corrente de pode ser: 
totalmente bloqueada
comprimida de vários modos
parcialmente bloqueada. 
Modos de articulação: oclusivos, constritivos, 
vibrantes, laterais e nasais. 
Pontos de articulação
Pontos onde os órgãos se encontram quando da 
produção dos sons da fala.
Pontos de articulação:
Bilabial
Labiodentais
Linguodentais 
Línguo-alvelares
Linguo-palatais
Velares
Fonemas Consonantais
Fonemas oclusivos
São resultantes do bloqueamento total, mas 
sempre momentâneo, da corrente de ar, em 
alguma parte da boca. 
São oclusivos, em português, os seguintes 
fonemas: /t/, /k/, /b/, /d/, /g/.
Fonemas constritivos
São resultantes do efeito de atrito a que se 
submete a corrente do ar, cujo percurso é
parcialmente bloqueado e se desvia pelo canal 
formado pela língua. 
São constritivos os seguintes fonemas:/f/, /s/, /Ş/, 
/v/, /z/, /ž/. 
Fonemas Líquidos
Fonemas vibrantes - Em português vibrante 
simples (com uma ou duas vibrações, /r/) e 
vibrante múltipla (mais de duas vibrações /r /.
Fonemas Laterais - São fonemas (líquidos) 
laterais, em português, / 1 / e / λ /.
Fonemas nasais
Resultam da passagem de parte da corrente de ar 
para as fossas nasais, que atuam, 
conjuntamente com a boca, com caixa de 
ressonância. 
São fonemas consonânticos nasais, em 
português, /m/, /n/, /ñ/.
Segundo Cunha, as consoantes do português, quanto ao 
ponto ou zona de articulação, podem ser:
Bilabiais: [b], [p],[m]: bala, pala, mala;
Labiodentais: [f],[v] : fala, vala;
Linguodentais: [s], [z], [t], [d] : cinco, zinco, tardo, 
dardo;
Alveolares: [n], [l], [r], [r] : nada, cala, cara, carro;
Palatais: [Ş], [ž], [λ], [ñ] : acho, ajo, alho, ninho;
Velares: [k], [g], [R] : calo, galo, ralo.
Posição intervocálica: as dezenove consoantes portuguesas. 
Noutras posições o número de consoantes reduz-se. 
Posição inicial de palavra: as consoantes oclusivas, fricativas e 
das demais só aparecem: 
LATERAIS: [l]; 
VIBRANTES: [R] ou [r]; 
NASAIS: [m] e o [n]. 
Posição final de sílaba ou de palavra, só encontramos as 
consoantes: l, r, s, z. 
As consoantes m e n nesta posição representam normalmente a 
nasalidade da vogal anterior.
Fonemas Semiconsonantais ou 
Semivocálicos
As semivogais e semiconsoantes são fonemas 
neutros (nem vocálicos nem consonânticos). 
São sons de transições, passagens, glides: /w/ e 
/j/.
Exemplo: quais /kwajs/. 
Fonemas vocálicos
Vogais
São fonemas sonoros resultantes da livre 
passagem da corrente de ar para a boca ou 
para a boca e as fossas nasais, (órgãos caixa 
de ressonância). 
PRODUÇÃO SONS VACAIS
FONEMAS VOCÁLICOS DO 
PORTUGUÊS DO BRASIL
VOGAIS ORAIS
/i/ /u/ /e/ /o/ /E/ /O/ /a/
VOGAIS NASAIS
/i/ /u/ /e/ /õ/ /E/ /Õ/ /ã/
VOGAIS
Encontros vocálicos
DITONGOS
É o encontro de uma VOGAL + uma 
SEMIVOGAL, ou de uma SEMIVOOAL + 
uma VOGAL.
Os DITONGOS podem ser: 
DECRESCENTES
CRESCENTES
ORAIS 
NASAIS
DITONGOS DECRESCENTES E 
CRESCENTES
DECRESCENTE: Quando a vogal vem em 
primeiro lugar.
EX.: pai, céu, muito.
CRESCENTE: Quando a semivogal antecede a 
vogal.
EX.: qual, linguiça, frequente
DITONGOS ORAIS E NASAIS
OS DITONGOS ORAIS DECRESCENTES 
[aj] : pai [aw]: mau
[ej]: sei [Ej]: papéis
[ew] meu Ew]: céu
[iw]: viu [oj]: boi
[Oj]: herói [uj]: azuis
DITONGOS NASAIS 
DECRESCENTES
[aj]: correspondente às grafias ãe, ãi: mãe, 
cãibra; [ãw]: correspondente às grafias ão e 
am: mão, vejam. 
[ej]: correspondente às grafias em (em posição 
final de palavra) e en (no interior de palavras 
derivadas): vem, levem, benzinho. 
[õj]: correspondente à grafia õe: põe, sermões.
[uj]: correspondente à grafia ui: muito.
TRITONGOS
TRITONGO é o encontro de SEMIVOGAL + 
VOGAL + SEMIVOGAL. 
Classificam-se também os TRITONGOS em 
ORAIS e NASAIS
TRITONGOS ORAIS:
[waj]: Uruguai
[wej]: enxaguei
[wiw] delinqüiu
TRITONGOS NASAIS:
[wãw]: (uão, uam): saguão, enxáguam.
[wãj]: (uem): delinquem.
[ wõj] : (uõe): saguões.
HIATOS
É o encontro de duas vogais em sílabas 
diferentes. 
Ex.: 
País
Saúde
jornais
Encontros consonantais
É o agrupamento de consoantes num vocábulo.
EX.:
BL bloco, abluir
BR branco, rubro
CL claro, tecla
CR cravo, acre
DR dragão, vidro
FL flor, ruflar
FR francês, refrão
Encontros consonantais
GL glutão, aglutinar
GR grande, regra
PL plano, triplo
PR prato, sopro
TL ---- , atlas
TR tribo, atrás
VR -----, palavra 
DÍGRAFOS
Carro Pêssego Chave
Malho Canhoto Campo Ponto
RR SS CH LH NH AM ON
Grupo de letras que simbolizam apenas um som: 
DÍGRAFO.
EXEMPLOS DE DÍGRAFOS
ch: ficha (compare-se com lixa);
1h e nh: velho, tenho;
rr e ss: prorrogar, assimetria;
gu e qu antes de e e i: guerra, seguir; querer, quilo;
sc, sç e xc: florescer, desça, exceder;
am, an, em, en, im, in, om, on, um, un : tampo, tanto, tempo, 
tento, limbo, lindo, pombo, tonto, comum, mundo.
Referência
CUNHA, Celso. Gramática da língua 
portuguesa. 11 ed. Rio de Janeiro: FAE, 
1986.
CUNHA, Celso; CINTRA Lindley. Nova 
gramática do português contemporâneo. 
Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.
LOPES, Edwardo. Fundamentos de lingüística 
contemporânea. São Paulo: Cultrix, 2000.