SST volume1
180 pág.

SST volume1

Disciplina:Segurança do Trabalho1.398 materiais7.961 seguidores
Pré-visualização38 páginas
normas e regras gerais, e sim, ser um agente multiplicador dos
valores voltados à preservação da vida. É responsabilizado também por auxiliar o

setor de recursos humanos a preparar os funcionários, a sempre se colocarem à

disposição em todas as ações que irá tomar. Um exemplo é o fato dos funcioná-
rios trabalharem além do necessário para bater as metas da empresa.

Todo trabalhador tem suas limitações física e mental. A sobrecarga de traba-
lho pode provocar danos à saúde do funcionário. Por isso, é preciso estar atento

a essas limitações!

Os profissionais da área de segurança do trabalho têm o dever de manter uma
relação mais próxima com os funcionários da empresa, é preciso conhecê-los.

Atualmente, o profissional de segurança do trabalho está inserido em diversos
processos da empresa, e uma das tarefas que exercita é a de auxiliar na gestão de

pessoas. Portanto, é importante que este profissional seja participativo em todas

as funções ou colaborações que está inserido, e que o realize as atividades de
forma motivadora.

Atividades simples, como cumprir os procedimentos de segurança, estar aten-
to a evitar condições inseguras de trabalho e motivar seus colegas a fazer o mes-
mo, já são uma importante contribuição.

Nessa última parte do estudo, você viu os conceitos de cultura organizacional,
crenças e valores, conceitos muito importantes para a formação da personalidade
de cada pessoa, e capazes de revelar o caráter de cada um, tanto no meio social
quanto profissional.

136 SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO - VOLUME 1

RECAPITULANDO

Neste último capítulo, você conheceu os documentos e relatórios que são

utilizados em um sistema de gestão de segurança do trabalho. Aprendeu

a importância de cada um e quando utilizá-los. Viu também como elabo-
rar uma análise crítica de um sistema de gestão e o quanto é importante,

para seu desenvolvimento profissional, ou da sua empresa, saber todo o
conteúdo estudado até aqui.

5 DOCUMENTOS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO 137

Anotações:

REFERÊNCIAS

VOLUME 1

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 14276 - Programa de brigada de
incêndio. Rio de Janeiro: ABNT, 1999.

BORBA, Heitor. PPP X Gestão de EPI/EPC. 2011. Disponível em: <http://artigos.netsaber.com.br/
resumo_artigo_32556/artigo_sobre_ppp_x_gestao_de_epi/epc>. Acesso em: 07 nov. 2011.

BRASIL. Decreto-Lei n.º 5.452, de 1º de maio de 1943. Aprova a Consolidação das Leis do Trabalho.
Artigos 166 e 167. Casa Civil. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/
del5452.htm>. Acesso em: 04 jul. 2011.

______. Ministério do Trabalho e Emprego. Manual CIPA: A nova NR 5. 2011. Disponível em:<http://
www.mte.gov.br/seg_sau/pub_cne_cipa.pdf>. Acesso em: 07 nov. 2011.

______. Ministério do Trabalho e Emprego. NR-4 – Serviços Especializados em Engenharia de
Segurança e em Medicina do Trabalho. Brasília, 2009. Disponível em: <http://www.mte.gov.br/
legislacao/normas_regulamentadoras/nr_04.asp>. Acesso em: 04 jul. 2011.

______. Ministério do Trabalho e Emprego. NR-6 – Equipamento de Proteção Individual – EPI.
2010. Disponível em: <http://www.mte.gov.br/legislacao/normas_regulamentadoras/nr_06.pdf>.

Acesso em: 04 jul. 2011.

______. Ministério do Trabalho e Emprego. NR-10 – Segurança em Instalações e Serviços em
Eletricidade. 2004. Disponível em: <http://www.mte.gov.br/legislacao/normas_regulamentadoras/
nr_10.pdf>. Acesso em: 04 jul. 2011.

______. Ministério do Trabalho e Emprego. NR-23 – Segurança e Medicina do Trabalho. 2001.
Disponível em: <http://www.mte.gov.br/legislacao/normas_regulamentadoras/nr_23.pdf>. Acesso

em: 05 jul. 2011.

______. Ministério do Trabalho e Emprego. Anuário Estatístico de Acidentes do trabalho. 2007.
Disponível em: <http://www.previdenciasocial.gov.br/arquivos/office/3_090519-153719-033.pdf>.

Acesso em: 04 jul. 2011.

______. NR 6 - EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL (206.000-0/I0) Aprovada pela Portaria
nº 25/2001. Disponível em: <http://www010.dataprev.gov.br/sislex/paginas/05/mtb/6.htm>.

Acesso em 07 nov. 2011.

_______. NR-9 - Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. 1994. Disponível em: <http://
www.mte.gov.br/legislacao/normas_regulamentadoras/nr_09_at.pdf>. Acesso em: 04 jul. 2011.

_______. NR-11 - Transporte, Movimentação, Armazenagem e Manuseio De Materiais. 2004.
Disponível em: <http://www.mte.gov.br/legislacao/normas_regulamentadoras/ _11.pdf>. Acesso

em: 04 jul. 2011.

_______. NR-12 - Máquinas e Equipamentos. 1997. Disponível em: <http://www.mte.gov.br/
legislacao/normas_regulamentadoras/nr_12.pdf>. Acesso em: 04 jul. 2011.

_______. NR-23 – Proteção Contra Incêndios. 2001. Disponível em: <http://www.mte.gov.br/
legislacao/normas_regulamentadoras/nr_23.pdf>. Acesso em: 04 jul. 2011.

______. Presidência da República. DECRETO-LEI No 2.848, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1940. Código
Penal. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del2848.htm>. Acesso em

07 nov. 2011.

CAMPOS, Armando Augusto Martins. CIPA – Comissão Interna de Prevenção de Acidentes: uma
nova abordagem. 2. ed. São Paulo: SENAC São Paulo, 2000.

CARDELLA, Benedito. Segurança no Trabalho e Prevenção de Acidentes: Uma Abordagem
Holística. São Paulo: Atlas, 1999.

CIPA. Curso de treinamento. São Paulo: Fundacentro, 1980.

COCHARERO, Renato. Ferramentas para gestão de segurança e saúde do trabalho no canteiro
de obras. São Paulo: [s.n], 2007.

FANTAZZINE, M. L.; SERPA, R. R. Aspectos Gerais de Segurança e Elementos de Gerenciamento
de Riscos. Rio de Janeiro: ITSEMAP do Brasil, Serviços Tecnológicos MAPFRE, 2002.

FREITAS, Carlos Machado de (Org.). Acidentes industriais ampliados: desafios e perspectivas para
o controle e a prevenção. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2000.

FREITAS, Nilton Benedito Branco; PORTO, Marcelo Firpo de Souza; FREITAS, Carlos Machado de. A

Visão dos Trabalhadores. In: SEMINÁRIO NACIONAL DA CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS QUÍMICOS

/ CUT – Acidentes Químicos Ampliados. São Paulo. Anais... São Paulo: Fundacentro, 2000.

INCOMUN. As Redes Sociais como ferramenta de divulgação. Disponível em: <http://www.
agincomun.com.br/site/noticias/?id=8>. Acesso em: 16 jun. 2011.

NOVA QUÍMICA. EPIs. 2008. Disponível em <http://novaquimica.wordpress.com/epi/>. Acesso em:
04 jul. 2011.

OHSAS 18002. Sistema de gestão da segurança e saúde no trabalho: diretrizes para a
implementação da OHSAS 18001. S.l.: QSP, 2001. 87 p. (Col. Risk Tecnologia).

OLIVEIRA, Cláudio Antônio Dias de. SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO: Guia de
Prevenção de Riscos. São Caetano do Sul: Yendis Editora, 2010.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO. Convenção 174 - OIT – 22 jun. 1993. Prevenção
de Acidentes Industriais Maiores. Disponível em: <http://www.mte.gov.br/seg_sau/grupos_get_

oit174_convencao.asp>. Acesso em: 05 jul. 2011.

RANGEL, Marcio Rocha; LIMA, Gilson Brito Alves. Sistemática para gestão do processo de
controle de emergência: uma aplicação em terminal terrestre de distribuição de petróleo e
derivados. Disponível em: <http://www.excelenciaemgestao.org/Portals/2/documents/cneg5/
anais/T8_0142_0946.pdf>. Acesso em: 04 nov. 2011.

REGO, Solange fontes. Avaliação de um Plano de Atendimento Comunitário em Situações
de Emergência. Disponível em: <http://www.abepro.org.br/biblioteca/ENEGEP2005_
Enegep0405_1300.pdf>. Acesso em: 07 nov. 2011.

REIS, Roberto Salvador. Segurança e medicina do trabalho: normas regulamentadoras. 8. ed. São
Caetano do Sul: Yendis, 2011.

SÃO PAULO (Estado). Polícia Militar. Corpo de Bombeiros. Instrução Técnica nº 32/2011. Alerta e
Preparação de Comunidades para Emergências Locais, 1990.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Estado dos Negócios da Segurança Pública. Polícia Militar.

Instrução técnica nº 20/2004 - Sinalização de Emergência. Disponível em: <http://www.cga.ind.
br/IT%2020.pdf>. Acesso