A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
41 pág.
Crimes Cometidos Contra a Administração da Justiça

Pré-visualização | Página 5 de 6

MEDIANTE VIOLÊNCIA CONTRA A PESSOA. TESTEMUNHA POLICIAL. PENA 
O emprego de violência, consistente no empurrão aplicado no agente de polícia, com o fim de evadir-se da Delegacia, é suficiente para caracterizar o crime de evasão mediante violência contra a pessoa. Não é necessário que tenha ocorrido lesão, mas sim a violência, como no caso. 
O testemunho prestado por agente policial, quando em harmonia com as provas dos autos, não contraditado ou desqualificado, resta merecedor de fé na medida em que provém de agente público no exercício de sua função. Conjunto probatório, que ampara a condenação. Penas bem dosadas. Apelo improvido. 
(Acórdão n.430113, 20090310052615APR, Relator: MARIO MACHADO, Revisor: GEORGE LOPES LEITE, 1ª Turma Criminal, Data de Julgamento: 17/06/2010, Publicado no DJE: 01/07/2010. Pág.: 170)
Arrebatamento de preso
Art. 353 - Arrebatar preso, a fim de maltratá-lo, do poder de quem o tenha sob custódia ou guarda:
Pena - reclusão, de um a quatro anos, além da pena correspondente à violência.
1. Bem jurídico tutelado 
2. Sujeitos do crime 
Sujeito ativo. 
Sujeito passivo 
3. Tipo objetivo:
4. Tipo subjetivo: 
5. Consumação e tentativa 
7. Questões especiais 
Cabe para medida de segurança? 
Concurso material? 
Legalidade ou ilegalidade da prisão?
8. Pena e ação penal 
Motim de presos
Art. 354 - Amotinarem-se presos, perturbando a ordem ou disciplina da prisão:
Pena - detenção, de seis meses a dois anos, além da pena correspondente à violência.
1. Bem jurídico tutelado 
2. Sujeitos do crime 
Sujeitos ativos. 
Sujeito passivo. 
3. Tipo objetivo: 
Motim?
4. Tipo subjetivo: 
5. Consumação e tentativa 
6. Questões especiais 
Mera desobediência? 
Cúmulo material?
 7. Pena e ação penal 
8. Julgado
"Incabível a condenação de todos os denunciados por crime de motim simplesmente por estarem nas mesmas celas dos que de fato praticaram o delito, uma vez que a culpa penal não se presume, sendo necessária, sempre e incondicionalmente, sua concreta demonstração. Da mesma forma, imperativa a absolvição dos acusados pelos crimes de incêndio, dano e lesões corporais, se duvidosas suas autorias, embora inconteste a materialidade dos mesmos" (TJDFT, AC APR1794597/ DF (102255), Rei. Aparecida Fernandes, DJU, 18-3-1998, p. 30). 
"Motim de presos. Atipicidade. Presos em xadrez de Delegacia Policial condenados por sentença transitada em julgado, que se amotinam, dominando um carcereiro, reivindicando a transferência para estabelecimento adequado à execução da pena: a conduta é atípica, pois a sua finalidade não era 'perturbar a ordem ou disciplina da prisão' (art. 354, C. P), mas, ao contrário, os presos buscavam o cumprimento da ordem jurídica, a eles negada, face a ilegalidade na execução da pena privativa de liberdade imposta em condições carcerárias violadoras da Constituição Federal, do Código Penal e da Lei de Execução Penal" (TJRJ, AC 62.545/ 97, Rei. Sérgio Verani J. 2-6-1998, v. u.). 
Patrocínio infiel
Art. 355 - Trair, na qualidade de advogado ou procurador, o dever profissional, prejudicando interesse, cujo patrocínio, em juízo, lhe é confiado:
Pena - detenção, de seis meses a três anos, e multa.
Patrocínio simultâneo ou tergiversação
Parágrafo único - Incorre na pena deste artigo o advogado ou procurador judicial que defende na mesma causa, simultânea ou sucessivamente, partes contrárias.
1. Bem jurídico tutelado: 
2. Sujeitos do crime 
Sujeito ativo. 
Sujeitos passivos 
3. Tipo objetivo:
3.1. Patrocínio infiel: 
3.2. Defesa de partes contrárias 
4. Tipo subjetivo: 
5. Consumação e tentativa
6. Questões especiais 
Interesse legítimo?
Atividade extrajudicial?
Orientação equivocada?
Abandono do processo? Art. 265 do CPP!
Acordo entre as partes? 
A incompatibilidade em causas diversas?
Tergiversação e juntada de procuração?
7. Pena e ação penal 
8. Julgados
"Advogada que requer modificação de guarda de menor em nome dos avós e contra os pais da criança e que, posteriormente, passa a representar também o pai citado para concordar com o pedido — Hipótese de convergência de interesses entre autor e réu — Ausência de antijuridicidade em sua conduta — falta de justa causa para a ação penal" (TACrimSP, HC 322.288/3, Rei. Érix Ferreira, j. 28-5-1998). 
Sonegação de papel ou objeto de valor probatório
Art. 356 - Inutilizar, total ou parcialmente, ou deixar de restituir autos, documento ou objeto de valor probatório, que recebeu na qualidade de advogado ou procurador:
Pena - detenção, de seis meses a três anos, e multa.
1. Bem jurídico tutelado 
2. Sujeitos do crime 
Sujeito ativo:
Sujeitos passivos 
3. Tipo objetivo: 
4. Tipo subjetivo: 
5. Consumação e tentativa 
6. Questões especiais 
Art. 356 X 305 do CP. 
Intimação prévia do advogado?
7. Pena e ação penal 
8. Julgados
"Paciente denunciado como incurso nas sanções do art. 356 do CP — sonegação de papel ou objeto de valor probatório. Devolução, após cobrança tardia dos autos, mas antes do recebimento da denúncia. Ausente a intenção de reter o feito, resultando em fato atípico" (TARS, HC 297042434, Rei. Alfredo Foerster, j. 28-1-1998). 
"Para a caracterização do crime de sonegação de papel ou objeto de valor probatório, no caso retenção de autos de processo por advogado, faz-se necessária a prévia intimação para devolução em cartório" (TJSC, HC 98.013475-7, Rei. Paulo GallottiJ. 10-11-1998). 
Exploração de prestígio
Art. 357 - Solicitar ou receber dinheiro ou qualquer outra utilidade, a pretexto de influir em juiz, jurado, órgão do Ministério Público, funcionário de justiça, perito, tradutor, intérprete ou testemunha:
Pena - reclusão, de um a cinco anos, e multa.
Parágrafo único - As penas aumentam-se de um terço, se o agente alega ou insinua que o dinheiro ou utilidade também se destina a qualquer das pessoas referidas neste artigo.
1. Bem jurídico tutelado 
2. Sujeitos do crime 
Sujeito ativo.
Sujeito passivo. 
3. Tipo objetivo: 
A fraude!!!
 4. Tipo subjetivo: 
5. Consumação e tentativa 
6. Figura majorada 
7. Questões especiais 
Art. 332 do CP. 
Arts. 333 e 317 do CP). 
8. Pena e ação penal 
9. Julgados
"O crime de exploração de prestígio exige, à sua configuração, apenas a obtenção de vantagem, ou promessa desta, junto a funcionário público no exercício da função. Dispensável a identificação expressa do servidor" (STJ, REsp 76.211/ PE, Rei. Edson Vidigal, DJU, 6-9-1999).
Violência ou fraude em arrematação judicial
Art. 358 - Impedir, perturbar ou fraudar arrematação judicial; afastar ou procurar afastar concorrente ou licitante, por meio de violência, grave ameaça, fraude ou oferecimento de vantagem:
Pena - detenção, de dois meses a um ano, ou multa, além da pena correspondente à violência.
1. Bem jurídico tutelado 
2. Sujeitos do crime 
Sujeito ativo. 
Sujeito passivo: 
3. Tipo objetivo: Art. 335 do CP 
4. Tipo subjetivo: 
5. Consumação e tentativa 
6. Pena e ação penal 
Desobediência a decisão judicial sobre perda ou suspensão de direito 
Art. 359. Exercer função, atividade, direito, autoridade ou múnus, de que foi suspenso ou privado por decisão judicial:
Pena — detenção, de 3 (três) meses a 2 (dois) anos. ou muita.
1. Bem jurídico tutelado 
2. Sujeitos do crime 
Sujeito ativo
Sujeito passivo.
Tipo objetivo: 
Art. 92 do CP. 
Art. 307 do C.T.B.?
4. Tipo subjetivo: 
5. Consumação e tentativa 
6. Questões especiais 
Art. 47 do CP configura o delito? V. Art. 44§ 4º, do CP.
7. Pena e ação penal 
8. Julgado
PENAL. DESOBEDIÊNCIA A DECISÃO JUDICIAL SOBRE SUSPENSÃO DE DIREITO. PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA. INCABÍVEL. ANTECEDENTES PENAIS. PERSONALIDADE DO RÉU. AUMENTO DA PENA BASE. 
O acusado confessou que exercera direito de que fora suspenso por decisão judicial, ao se aproximar da vítima e perturbar lhe a tranquilidade. Assim, a conduta do réu amoldou-se perfeitamente ao tipo previsto pelo art. 359 do Código Penal, sendo correta a aplicação da pena de detenção ao acusado. Súmula nº 444 do STJ: "é vedada