Conservação da Natureza - E eu com isso?
91 pág.

Conservação da Natureza - E eu com isso?


DisciplinaEcologia4.460 materiais42.292 seguidores
Pré-visualização50 páginas
de módulos e baterias recarregáveis 
associadas a controladores de carga. A energia elétrica produzida nos dias 
de sol é armazenada na bateria para ser usada de noite e em dias nublados. 
 Os painéis também podem ser conectados à rede elétrica, 
transformando a energia solar em corrente contínua, gerando eletricidade 
com as mesmas características da energia disponível na rede comercial.
Dados do Atlas Solarimétrico do Brasil indicam que o país tem uma 
média anual de radiação global entre 1.642 e 2.300 KWh/m²/ano. Se 
apenas 5% dessa energia fosse aproveitada, toda a demanda brasileira por 
eletricidade poderia ser atendida.
 Usinas heliotérmicas, ou usinas de energia solar concentrada 
(CSP), produzem eletricidade de modo similar às termelétricas. A 
158 159CONSERVAÇÃO DA NATUREZA
diferença é que a energia é obtida pela concentração de radiação solar e 
convertida em vapor ou gás de alta temperatura para impulsionar uma 
turbina ou motor.
 Por último, um dos sistemas de mais fácil acesso e mais práticos 
é o de aquecedores solares térmicos. Diferentemente dos sistemas 
anteriores, este não gera eletricidade, mas economiza energia ao reduzir a 
grande quantidade de energia utilizada O sistema é composto por placas 
solares que aquecem água em um reservatório térmico, onde a água fica 
armazenada para consumo posterior. Ainda que o custo de instalação 
seja considerável, diferentes tecnologias de energia solar oferecem boas 
perspectiva de desenvolvimento aliado à redução de custos. 
Eólica \u2013 bons ventos para o Brasil
 A energia eólica é produzida por aerogeradores, equipamentos 
de até 120 metros de altura, que lembram moinhos de vento. Os geradores 
são compostos por uma torre, um gerador elétrico e uma hélice. O vento 
faz as pás girarem e este movimento é transformado em energia elétrica 
pelo gerador. 
 Os parques eólicos podem ser localizados em terra ou no 
mar. Para cada local, o vento tem características e um comportamento 
diferente. Desta forma, a necessidade de turbinas diferenciadas que 
aproveitem o máximo do potencial energético de cada sítio tendem a 
estimular o desenvolvimento de polos tecnológicos e industriais locais. 
 Na última década, a energia eólica se tornou a fonte que mais 
cresce no mundo. O potencial avaliado pelo Atlas Eólico Brasileiro é 
de 143 mil MW e, segundo a Associação Brasileira de Energia Eólica 
(Abeeólica), a revisão desses números, considerando um maior grau de 
medição e o aumento da altura média das torres eólicas, atualizaria esse 
valor para acima de 300 mil MW.
 
Elas são ainda mais produtivas do que os parques instalados em terra 
e, embora esse mercado represente pouco mais de 1% da capacidade 
mundial de energia eólica, parte dos mais recentes desenvolvimentos 
tecnológicos tem sido focados em tal potencial emergente. 
 
 Um pesquisador do INPE afirma que é notável o potencial 
energético até 10 km da costa (57 GW), pois representa uma grande 
quantidade de energia que pode ser produzida próxima do litoral, 
reduzindo a complexidade das estruturas operacionais. Em longo prazo, 
vemos que a ZEE brasileira, que apresentou um potencial energético de 
1,78 TW, poderá ser utilizada para gerar uma quantidade de energia, 
suficiente para acompanhar e motivar o desenvolvimento do país. O 
potencial eólico offshore na margem brasileira supera o potencial estimado 
para a área continental do país. Este território marinho tem um potencial 
energético capaz de alavancar o desenvolvimento racional e sustentável.
 No Brasil, a capacidade instalada de eólica de 800 MW deve 
superar os 5 mil MW em 2012, como resultado da instalação dos parques 
eólicos previstos pelo programa oficial de incentivo às fontes alternativas 
de energia elétrica, o PROINFA, e pelos leilões de energia renovável, 
realizados em 2009 e 2010. A exploração da geração eólica deve levar 
em conta cuidados ambientais: evitar ocupar regiões protegidas, sítios 
arqueológicos ou dunas e salvaguardar a população habitante do local, 
que pode sofrer com impactos visuais e leves impactos sonoros. O 
problema da mortalidade de pássaros em decorrência de choques com 
aerogeradores tem sido equacionado com o aperfeiçoamento dos estudos 
de rotas migratórias de aves.
Biomassa \u2013 muita energia desperdiçada para 
ser aproveitada
 Todo recurso renovável resultante de matéria orgânica animal 
ou vegetal que pode ser utilizado na produção de energia é chamado 
de biomassa. No Brasil, a cogeração por bagaço de cana-de-açúcar é a 
principal fonte para a geração de eletricidade a partir da biomassa, mas há 
outras opções tais como a geração de eletricidade por biogás em aterros 
sanitários e a utilização de óleos vegetais e biodiesel em pequenos grupos 
geradores.
 No processamento da cana-de-açúcar há alta demanda de energia 
térmica, mecânica e elétrica. Após a extração do caldo, é possível queimar 
o bagaço obtido em caldeiras, produzindo vapor, que pode ser reutilizado 
em diferentes processos. O álcool responde por cerca de um terço do 
Torres eólicas podem ser instaladas em terra, em áreas 
costeiras com maior abundância de ventos, ou no mar, 
distantes do litoral, chamadas offshore.
160 161CONSERVAÇÃO DA NATUREZA
total da energia contida na planta, o restante pode ser aproveitado com o 
bagaço e a palha. Com o aproveitamento da energia resultante da queima 
desses produtos \u2013 ao que damos o nome de cogeração \u2013, podem ser 
produzidos no Brasil 28 mil MW, o equivalente a duas usinas de Itaipu, 
segundo a União da Indústria de cana-de-açúcar (Unica). 
 Hoje, a geração de eletricidade por biomassa no país já superou 
os 7 mil MW. As usinas de cogeração a biomassa funcionam como 
termelétricas, com a diferença que o combustível deve ser processado 
antes de ser queimado. O tamanho médio das usinas também é inferior 
ao de grandes termelétricas, pois precisam estar próximas às plantações.
 Os principais impactos ambientais dos biocombustíveis devem-
se à exploração do solo, à ocorrência de queimadas, contaminação de 
lençóis freáticos pelo descarte indevido da vinhaça (resíduo da destilação 
da cana) e pressão sobre a fronteira agrícola, com tendência a provocar o 
desmatamento indireto na Amazônia e no Cerrado. Os impactos sociais 
estão relacionados às condições de trabalho dos agricultores temporários, 
bem como diferentes casos de impactos à saúde humana, especialmente 
relacionados à emissão de material particulado, identificados próximos a 
canaviais.
 O uso de biocombustíveis pode representar uma solução à 
redução do consumo de fósseis, principalmente no setor de transportes. É 
importante ressaltar que a produção deve estar dentro de rígidos padrões 
de salvaguardas socioambientais, caso contrário, pode agravar impactos 
sociais e ambientais do país. 
Realidade
 A ameaça das mudanças climáticas, provocadas pelo aumento da 
temperatura global, é o maior desafio ambiental enfrentado atualmente 
pela humanidade, pois coloca em risco a estabilidade social e econômica 
mundial, com profundas alterações na disponibilidade de recursos 
naturais e, especialmente, na forma como a energia é produzida. 
 O Painel Intergovernamental de Mudanças climáticas (IPCC, 
da sigla em inglês) indica como 2ºC, em relação ao registrado em 1750, 
o limite relativamente seguro de aquecimento médio da Terra. Já as metas 
nacionais submetidas por 76 países à Convenção-Quadro de Mudanças 
Climáticas das Nações Unidas em 2010, por meio do acordo de 
Copenhague, resultariam em emissões globais entre 47,9 e 53,6 bilhões 
O mesmo se aplica às usinas nucleares, que dependem de urânio, um 
recurso finito de geração de energia, que deverá ser estocado por centenas 
de anos em depósitos inseguros, após sua utilização em usinas nucleares.
 Os estoques de energias renováveis, por sua vez, são tecnicamente 
de fácil acesso e abundantes o suficiente para fornecer