Alice Bailey & Djwhal Khul   Iniciação Humana e Solar
106 pág.

Alice Bailey & Djwhal Khul Iniciação Humana e Solar


DisciplinaAstrologia619 materiais2.139 seguidores
Pré-visualização49 páginas
O Mahachohan 
 
Aspecto Matéria Aspecto Espírito Aspecto inteligência 
Forma Vida Mente 
O Não-Eu O Eu A relação recíproca 
Corpo Espírito Alma 
 
Ou, em palavras que se referem estritamente à percepção autoconsciente. 
 
Política Religião Ciência 
Governo Crenças Civilização 
Raças Variedades de Fé Educação 
 
Todos os seres humanos pertencem a um ou nutro destes três departamentos e todos são de igual 
importância, pois Espirito e Matéria são um. Todos são tão interdependentes, sendo apenas 
expressões de uma vida, que todo esforço para expressar as funções dos três departamentos em 
forma tabular está sujeito a levar a erro. 
 
Os três Grandes Senhores cooperam intimamente no trabalho pois aquele trabalho é uno, assim 
como o homem, embora uma triplicidade, seja, no entanto, uma unidade individual. O Ser humano é 
uma forma por meio da qual uma vida ou entidade espiritual se manifesta e emprega a inteligência 
sob a lei da evolução. 
 
Os grandes senhores estão, por conseguinte, intimamente relacionados com as iniciações da 
unidade humana. Eles estão muito ocupados com assuntos maiores e com atividades grupais, para 
terem qualquer afinidade com um homem antes que ele entre no caminho Probatório. Quando ele, 
por seu próprio esforço, entra no Caminho do Discipulado, o particular Mestre Que o tem sob 
supervisão relata ao Chefe de um dos três departamentos (isto dependendo do raio do homem) que 
 54
ele se aproxima do Portal da Iniciação e deverá estar pronto para o grande passo durante tal e tal 
vida. A cada vida e mais tarde, a cada ano, um relatório é feito, até o último ano no Caminho (109) 
Probatório, guando relatórios mais íntimos e freqüentes são feitos. Durante este ano final também é 
submetido à Loja o nome solicitante e, depois que o seu próprio Mestre se tiver reportado sobre ele e 
seu registro tiver sido brevemente sumarizado, seu nome é votado e os padrinhos designados. 
 
Durante a cerimônia de iniciação os fatores importantes são: 
 
1. O Iniciador. 
 
2. O triângulo de força formado por três adeptos, ou pelos três Kumaras. 
 
3. Os padrinhos. 
 
No caso das duas primeiras iniciações, dois Mestres ficam, um de cada lado do solicitante, dentro do 
triângulo; na terceira, quarta e quinta iniciações, o Mahachohan e o Bodhisattva desempenharam a 
função de padrinhos; na sexta e sétima iniciações, dois grandes Senhores, Que devem permanecer 
incógnitos, ficam dentro do triângulo esotérico. O trabalho dos padrinhos é passar pelo Seus corpos a 
força ou energia elétrica emanando do Cetro de Iniciação. Esta força, por meio de irradiação, circula 
ao redor do triângulo e é suplementada pela força dos três guardiães; em seguida, ela passa pelos 
centros dos padrinhos, sendo transmitida, por um ato de vontade, para o iniciado. 
 
Em outras partes deste livro foi dito o suficiente a respeito da Loja dos Mestres e Sua relação como 
solicitante à iniciação, enquanto o trabalho do próprio iniciado foi da mesma maneira abordado. Esse 
trabalho não é desconhecido para os filhos dos homens, em toda parte, mas permanece por 
enquanto um ideal e uma possibilidade remota. Todavia, se um homem lutar para alcançar esse ideal 
até fazê-lo um fato comprovado dentro de si mesmo, descobrirá que o ideal se torna, não só uma 
possibilidade, mas alguma coisa atingível, com a condição de que ele se esforce suficientemente. A 
primeira iniciação está ao alcance de muitos, mas a necessária determinação em uma só direção e a 
crença firme na realidade à frente, acoplados com uma vontade de sacrificar tudo em vez de recuar, 
são dissuadores para muitos. Se este livro não tiver servido a outro propósito que não o de estimular 
alguém a um esforço renovado e confiante, ele não terá sido escrito em vão. 
 
 
 
 
 
 
CAPÍTULO XII 
AS DUAS REVELAÇÕES 
 
(111) Podemos agora considerar as etapas da cerimônia da iniciação, que são em número de cinco, 
como segue: 
 
1. A \u201cPresença\u201d revelada. 
2. A "Visão" vista. 
3. A aplicação do Cetro, afetando: 
a) Os corpos. 
b) Os centros. 
c) O veículo causal 
4. A administração do juramento. 
5. A concessão do "Segredo" e da Palavra. 
 
Estes pontos são dados na devida ordem e deve ser lembrado que esta ordem não é estabelecida 
aleatoriamente, mas leva o iniciado, de revelação em revelação, até a etapa culminante na qual lhe 
são confiado um dos segredos e uma das cinco palavras de poder que lhe abrem os vários planos, 
com todas as suas evoluções. Tudo o que se pretende aqui é indicar as cinco principais divisões nas 
quais a cerimônia de iniciação naturalmente se divide e o estudante deve ter em mente que, cada 
uma destas cinco etapas é, em si mesma, uma cerimônia completa e capaz de divisão detalhada. 
 
 55
Vamos agora lidar com os vários pontos, salientando brevemente cada um e relembrando que as 
palavras apenas limitam e confinam o verdadeiro significado. 
 
 
A Revelação da "Presença" 
 
Precisamente durante os últimos períodos do ciclo de encarnações nos quais o homem joga com os 
pares de opostos e, por meio do discernimento, vem-se conscientizando da realidade e da 
irrealidade, cresce, em sua mente, a noção de que ele próprio é uma Existência imortal, um Deus 
eterno e uma parcela do Infinito. A ligação entre o homem, no plano físico, e seu Governante interno, 
se torna sempre mais clara, até que a grande revelação é feita. Chega então um momento, em sua 
existência, em que o homem fica, conscientemente, face a face com o seu Eu real é se reconhece 
como sendo realmente aquele Eu, não apenas de maneira teórica; ele se torna consciente do Deus 
interno, não por meio do sentido da audição ou da atenção á voz interna que dirige e controla, a 
chamada \u201cvoz da (112) consciência": Desta vez, o reconhecimento é por meio da percepção visual e 
da visão direta. Ele agora não responde apenas ao que ouve, mas também àquilo que vê. 
 
Sabemos que os primeiros sentidos desenvolvidos numa criança são: audição, tato e visão; o bebê 
percebe o som e volta sua cabeça; ele sente e toca; finalmente, vê conscientemente e nestes três 
sentidos a personalidade se coordena, Estes são os três sentidos vitais. Olfato e paladar vêm mais 
tarde, mas pode-se viver sem eles e, estivessem ausentes, o homem permaneceria praticamente 
sem desenvolvimento interno, ou subjetivo, a seqüência é a mesma. 
 
Audição \u2014 resposta à voz da consciência, conforme ela guia, dirige e controla. Isto cobre o período 
de evolução estritamente normal. 
 
Tato \u2014 resposta ao controle, ou vibração, e o reconhecimento daquilo que permanece fora da 
unidade humana separada no plano físico. Isto cobre o período de gradual desenvolvimento 
espiritual, os Caminhos de Prova e do Discipulado, até a Porta da Iniciação. O homem toca, a 
intervalos, naquilo que é superior a si próprio; ele se torna ciente do "toque" do Mestre, da vibração 
egóica e grupal e, por meio deste sentido oculto do tato, ele se acostuma àquilo que é interno e sutil. 
Ele se expande por trás daquilo que concerne ao Eu Superior e, tocando em coisas invisíveis, se 
habitua com eles. 
 
Finalmente, a Visão \u2014 aquela visão interna que é produzida por meio do processo de iniciação mas 
que é, por outro lado, apenas o reconhecimento da faculdade sempre presente, embora 
desconhecida. Assim como uma criança tem olhos perfeitos e claros desde o nascimento, contudo, 
chega o dia em que o reconhecimento consciente daquilo que vê, é pela primeira vez anotado, assim 
ocorre com a unidade humana passando pelo desenvolvimento espiritual. O canal da visão interna 
sempre existiu e aquilo que pode ser visto está sempre presente, mas o reconhecimento pela maioria 
até agora não existe. 
 
Este "reconhecimento" pelo iniciado é o primeiro grande passo na cerimônia de Iniciação e, até que 
ele tenha sido transposto, todas as outras etapas têm de esperar. Aquilo que é reconhecido difere