Alice Bailey & Djwhal Khul   Telepatia e o Veículo Etérico
216 pág.

Alice Bailey & Djwhal Khul Telepatia e o Veículo Etérico


DisciplinaAstrologia620 materiais2.143 seguidores
Pré-visualização45 páginas
quase irreconhecível e indefinível para a 
humanidade avançada. As palavras "realização átmica" são muito interessantes pois 
referem-se à qualidade e ao conjunto de energia da vontade à disposição da 
Hierarquia unida e empenhada em levar a cabo o Plano iminente. Jamais se 
esqueçam de que, ao considerar Shambala e o Plano, estamos mantendo nosso 
pensamento dentro dos limites da expressão do aspecto VONTADE do Senhor do 
Mundo, e isso \u2014 exceto para os iniciados avançados \u2014 é quase impossível. Esse 
fator deve ser acatado teoricamente, mesmo que ainda não seja compreendido. 
A esses dois requisitos inalteráveis, a Hierarquia agrega a faculdade da 
razão pura, faculdade governante da Hierarquia e que coloca em atividade essa 
 83
qualidade erroneamente denominada pelo homem de "amor". Isso enfatiza o 
aspecto sentimental e constitui, para a grande maioria, de um modo geral, apenas o 
aspecto sentimental e emocional, que é completamente de natureza astral. A razão 
pura, característica suprema dos Membros do Hierarquia, sempre se expressará na 
ação correta e nas corretas relações humanas e manifestará \u2014 quando estiver 
presente \u2014 o que o amor é na realidade. O amor puro é qualidade ou efeito da 
razão pura. 
A razão pura da resposta hierárquica é necessária para a apreensão e 
compreensão do Propósito, à medida que este se desenvolve através do Plano 
patrocinado em determinado momento pela Hierarquia, e a qualidade do amor puro 
é necessária e exigida (ainda que não compreendida) pela humanidade expectante. 
Essa "impressão" proveniente de Shambala toma a forma de uma 
emanação enfocada que emprega o aspecto superior do antahkarana como canal de 
contato. Não me refiro aqui ao fio construído pelo discípulo entre a unidade mental e 
a mente abstrata, mas, sim, à sua continuidade através dos níveis de consciência 
átmica e búdica até a zona de consciência magnetizada (emprego essa palavra por 
falta de um termo adequado para expressar a natureza exata dessa percepção 
superior, pois o termo "identificação" parece um tanto impróprio) que cerca e protege 
o verdadeiro centro de Shambala. É essencial que vocês tenham em mente que, 
assim como a grande maioria dos homens não conhece, nem reconhece ou 
responde à Hierarquia, existe um grupo \u2014 dentro da própria Hierarquia \u2014 análogo a 
esse conjunto de homens. Há muitos membros menores da Hierarquia e 
inumeráveis discípulos que não conhecem, nem reconhecem nem tampouco 
respondem à influência ou à potência de Shambala. 
 84
Dentro da Hierarquia, a Ciência da Impressão condiciona a relação 
existente entre os membros mais novos e os mais antigos nos vários Ashrams. Nem 
todos respondem do mesmo modo, pois essa é uma ciência em vias de ser 
dominada em seus aspectos mais elevados. Pode-se dizer, para maior 
compreensão, que a "impressão" governa e condiciona todos aqueles que fazem 
parte da Hierarquia cuja mente abstrata se ache altamente desenvolvida. Ela não 
está plenamente desenvolvida no caso de muitos discípulos que pertencem ao 
Ashram, o que explica o fato de que a apenas certos Membros da Hierarquia 
(Mestres, Adeptos e Iniciados do terceiro grau) é permitido conhecer os detalhes do 
Plano, que se encontram protegidos por meio dessa Ciência da Impressão. Os 
membros restantes da Hierarquia recebem ordens de seus superiores. 
Recomendo a vocês que se lembrem que, em nosso desenvolvimento 
planetário, a ênfase de todo o processo evolutivo é colocada na MENTE e em seus 
vários aspectos \u2014 inteligência, percepção mental, o Filho da Mente, a mente 
abstrata, a mente como vontade, a Mente Universal. Os três aspectos mais 
importantes e que formam um triângulo esotérico que precisa ser levado a uma inter-
relação vital são: o Filho da Mente, a mente abstrata e a Mente Universal. Quando 
perfeitamente relacionados e ativos, esses aspectos constituem os fatores que 
dirigem o Propósito divino e o reduzem à forma que nós chamamos de Plano 
hierárquico e de acordo com o Qual podemos agir. Somente quando o iniciado 
alcançou, por meio do contato monádico, uma ínfima parte da Mente Universal, pode 
o Propósito ser percebido por ele. Isso também implica o desenvolvimento da mente 
abstrata e o resto da percepção mental que o Filho da Mente (a alma) lhe transmitiu. 
Através de todo esse desenvolvimento, ele pode-se unir ao grupo dos Formuladores 
do Plano. Estamos considerando aqui um assunto dos mais complexos e difíceis, 
 85
inerente à consciência do iniciado e para o qual ainda não temos uma terminologia 
correta. Além disso, o aspirante comum não tem a menor idéia da natureza da 
percepção nem das reações ao contato d'Aqueles Que passaram além da terceira 
iniciação; essas limitações do estudante comum devem ser constantemente 
lembradas. 
A Ciência da Invocação e Evocação \u2014 que abarca a técnica da interação 
dentro da própria Hierarquia, e, até certo ponto, entre Shambala e a Hierarquia e, de 
forma progressiva, entre a Humanidade e a Hierarquia \u2014 está inteiramente baseada 
no sentido da relação. Portanto, apenas um certo nível de Vidas conscientes pode 
invocar Shambala e evocar resposta, e isso porque Eles Próprios desenvolveram 
alguns aspectos desse tipo de compreensão mental que constitui a expressão 
hierárquica da Mente Universal. O discurso superficial e fútil de certos escritores e 
pensadores sobre a consciência cósmica \u2014 e o emprego imoderado de frases tais 
como "sintonizar-se com o Infinito" ou "contactar a Mente Universal" servem apenas 
para nos mostrar o pouco que, na realidade, se conhece acerca das respostas e 
reações daqueles que têm um alto grau de iniciação, ou dos que se encontram nos 
níveis mais altos da vida hierárquica. 
A verdadeira capacidade para invocar e evocar (dentro dos graus 
iniciáticos) baseia-se em um desenvolvimento misterioso do sentido esotérico \u2014 
impossível de se obter antes da terceira iniciação. O uso ativo do sentido esotérico 
durante o treinamento ocultista oferecido aos aspirantes, discípulos e iniciados de 
grau inferior produz certas alterações no cérebro, com as correspondentes 
mudanças no veículo búdico; estas habilitam o indivíduo (depois da terceira 
iniciação, da Transfiguração) a contactar à vontade o Ser, Vida, ou o PONTO 
monádico de contato ao Qual ele estará cada vez mais associado, ou o Membro da 
 86
Hierarquia ao Qual ele pode querer consultar. Isso não implica o uso da fala ou das 
palavras, mas trata-se simplesmente de um método técnico mediante o qual um 
iniciado da Hierarquia ou em relação com Shambala, pode fazer sentir sua presença 
e expor certas idéias. Sobre isso, não me alongarei mais. 
Sobre a humanidade em geral, o desenvolvimento da intuição é a 
correspondência mais inferior a esse tipo de sentido esotérico empregado pelos 
iniciados de alto grau \u2014 ou, como às vezes é denominado, o modo de intercâmbio 
perceptivo. Nos Ashrams, ensina-se aos discípulos avançados como descobrir, 
dentro de si mesmos e como usar essa nova potência, assim como desenvolver o 
mecanismo necessário. Eles podem conhecer ao mesmo tempo a demanda e a 
resposta, ou, então, a reação evocada pela sua aplicação da invocação. Todos os 
discípulos que alcançaram a terceira iniciação têm o poder de invocar e de ser 
evocados, razão pela qual não é permitido o uso dessa técnica por parte dos 
discípulos de grau inferior. Para isso, requer-se uma faculdade discriminativa 
altamente desenvolvida. Essa é, na realidade, uma etapa avançada da técnica pela 
qual, nos estágios iniciais, é permitido ao discípulo atrair a atenção do Mestre. Isso 
ele o faz através de um desejo insistente; mais tarde, aplicando o conhecimento 
adquirido, através da chamada "natureza controlada de seu apelo". Então, o apelo 
torna-se menos