Alice Bailey & Djwhal Khul   Telepatia e o Veículo Etérico
216 pág.

Alice Bailey & Djwhal Khul Telepatia e o Veículo Etérico


DisciplinaAstrologia619 materiais2.143 seguidores
Pré-visualização45 páginas
a aí promover o desenvolvimento da 
consciência. 
Isso é fundamentalmente verdade sob o ângulo de Shambala "onde a 
Vontade de Deus é conhecida"; e é particularmente verdadeiro com respeito aos 
Membros da Hierarquia Que percebem o Propósito, formulam o Plano e depois o 
apresentam de um modo compreensível aos iniciados menores, aos discípulos e 
aspirantes. Esses dois grupos trabalham inteiramente do lado da consciência, que 
 165
motiva e direciona (conforme necessário) as energias móveis e circulantes. Isso 
não é verdade quanto à grande maioria da humanidade, que só é consciente dentro 
de seu círculo-não-se-passa, estando, portanto, fundamentalmente separada por dar 
ênfase à forma tal como existe nos três mundos \u2014 os níveis físicos densos do plano 
físico cósmico. No mais inferior desses níveis a forma física externa reage e 
responde às energias circulantes através da energia etérica que procede do mais 
inferior dos quatro níveis do plano etérico. 
Gradualmente, a consciência, dentro dessas formas, reage à natureza do 
veículo externo, à medida que este é impulsionado pelos níveis etéricos, o que leva 
a um desenvolvimento profundamente significativo. Esse desenvolvimento \u2014 
falando de modo geral \u2014 enquadra-se em três categorias: 
 
1. A forma externa muda sob o impacto das energias etéricas que entram e que 
passam através dela e desaparecem (incessantemente, eon após eon). A 
energia ali existente aparece e desaparece de modo instantâneo. 
2. Esta incessante ação de energia varia no tempo e espaço e move-se lenta, 
rápida ou ritmicamente, de acordo com o tipo ou a natureza da forma através 
da qual passa em determinado momento. 
3. A energia do plano etérico muda consideravelmente à medida que 
transcorrem os eons, segundo a direção ou a fonte de onde provém. A 
energia diretiva altera-se significativamente à medida que se processa a 
evolução. 
 
Os estudantes têm falado do corpo etérico simplesmente como uma 
entidade integral e constituída unicamente de substância etérica, esquecendo-se de 
 166
que este corpo é o meio empregado para transferir muitos tipos de energia. 
Esquecem-se eles também dos seguintes fatos: 
 
1. Que o próprio corpo etérico é composto de quatro tipos de substância, cada 
um dos quais tendo uma definida especialidade e encontrado em um ou outro 
dos níveis etéricos. 
2. Que essas substâncias, atuando de forma ativa num determinado corpo 
etérico, criam uma rede de canais e produzem tubos delgados (se é que 
posso usar termo tão inadequado) que tomam a forma geral da matéria densa 
ou a forma tangível com a qual possam estar associados. Essa forma subjaz 
a todas as partes do corpo físico e pode ser vista estendendo-se a uma certa 
distância, além da forma reconhecível. O corpo etérico não é, na realidade, 
um ovóide (como ensinam os livros ocultistas antigos), mas geralmente 
assume a forma ou o contorno geral do veículo físico com o qual está 
associado. No entanto, quando o centro coronário está desperto e ativo, 
então é mais freqüente sua aparência ovóide. 
3. Esses canais ou tubos \u2014 de acordo com o tipo de energia conduzem - 
passam para certas áreas do corpo, através de três estações principais: 
 
a. Os sete centros maiores, dos quais já ouviram falar tanto. 
b. Os vinte e um centro menores, mencionados anteriormente\u2217. 
c. Os quarenta e nove pontos focais, espalhados por todo o corpo. 
 
 
\u2217
 Um Tratado Sobre Os Sete Rios, Volume IV (págs 72-73) 
 167
4. Todos esses centros e pontos focais para a transmissão de energia estão 
conectados entre si por canais maiores que o conjunto de canais que 
constituem o corpo etérico em seu todo, porque muitos canais menores e 
linhas de força ou energia mesclam-se e fundem-se à medida que se 
aproximam de um centro ou ponto focal. 
5. O conjunto de canais menores, ou tubos canalizadores de energia, criam, 
oportunamente, em todas as formas, essa correspondente camada de nervos 
ainda não reconhecida pela ciência médica, mas que é semelhante a uma 
malha ou rede intermediária. Ela relaciona todo o corpo etérico com todo o 
duplo sistema nervoso (cérebro-espinhal e autônomo) reconhecido pela 
ciência. É este sistema subjacente aos nervos que é o verdadeiro mecanismo 
de resposta que, através do cérebro, telegrafa a informação para a mente ou, 
através do cérebro e da mente, mantém informada a alma. Esse sistema de 
nadis é o que é usado, em plena consciência, pelo iniciado que relacionou a 
Tríade Espiritual com a personalidade fundida com a alma e, por conseguinte, 
viu desaparecer totalmente o corpo da alma, corpo causai ou lótus egóico, por 
não ter mais importância alguma. Há uma relação especial e atualmente 
inexplicável entre esse sistema de nadis e o antahkarana, quando este está 
em processo de criação ou foi criado. 
6. O corpo físico, portanto, como tantas coisas na natureza, é tríplice em sua 
formação. Temos: 
 
a. o corpo etérico; 
b. os nadis substanciais; 
c. o corpo físico denso. 
 168
Eles formam uma unidade e, quando encarnados, são inseparáveis. 
 
7. Todos os centros e os muitos pontos focais de contato existentes no corpo 
etérico são responsáveis pela criação e preservação do sistema glandular 
endócrino, seja de forma limitada e inadequada, ou totalmente adequada e 
representativa do homem espiritual. Os nadis, por sua vez, são responsáveis 
pela criação e precipitação do sistema nervoso duplo. Esse é um ponto que 
deve ser cuidadosamente lembrado e que é a chave para o problema da 
criatividade. 
8. O tipo de substância etérica "que substancia" qualquer forma depende de dois 
fatores: 
a. O reino da natureza implicado. Basicamente, os quatro extraem (cada um 
deles) sua vida prânica de um ou dos quatro níveis de substância etérica, 
contando do inferior para o superior: 
 
1. O reino mineral é sustentado pelo plano 1. 
2. O reino vegetal, pelo plano 2. 
3. O reino animal, pelo plano 3. 
4. O reino humano, pelo plano 4. 
 
Essa era a condição original; mas, à medida que a evolução prosseguiu e que 
se estabeleceu uma emanação interativa entre todos os reinos, mudou 
automaticamente. Foi essa "mudança esotérica emanante" que, milênios atrás, 
produziu o homem-animal. Cito isso como ilustração e chave de um grande 
mistério, b. De modo bastante curioso, no reino humano (e apenas nesse) o 
 169
corpo etérico compõe-se atualmente dos quatro tipos de substância etérica. A 
razão para isso é que, oportunamente (quando a humanidade estiver 
espiritualmente desenvolvida), cada um desses quatro planos ou tipos de 
substância etérica responderá aos quatro níveis superiores do plano físico 
cósmico \u2014 os níveis etéricos denominados: logóico, monádico, átmico e 
búdico. Isso acontecerá como resultado do crescimento e da iniciação 
conscientes. 
9. Também é preciso lembrar que a substância de que se compõem esses 
canais etéricos ou tubos canalizadores é constituída do prana planetário, 
energia doadora de vida e de saúde do próprio planeta. Através desses tubos, 
no entanto, podem fluir todas e qualquer uma das energias possíveis \u2014 
emocional, mental, egóica, monádica, búdica ou átmica, de acordo com o 
grau de evolução a que chegou o homem. Isto sempre significa que muitas 
energias fluem através desses tubos, a menos que o grau de evolução seja 
excessivamente baixo ou que se esteja lidando com uma barreira; estas 
várias energias estão fundidas e combinadas, mas encontram seus próprios 
pontos focais no corpo etérico, quando entram diretamente no âmbito do 
corpo físico denso. O que se pode dizer da alma ou da Deidade também se 
pode dizer do corpo ou entidade etérica energética ou vital: