Alice Bailey & Djwhal Khul   Telepatia e o Veículo Etérico
216 pág.

Alice Bailey & Djwhal Khul Telepatia e o Veículo Etérico


DisciplinaFísica I27.951 materiais917.485 seguidores
Pré-visualização45 páginas
de maturidade sistêmica, qualificada por 
energias fortemente atrativas e integradoras, motivadas por um Propósito supremo, 
que é parte do vasto propósito do Logos solar, atuando por meio dos Logos 
planetários, sendo, portanto, responsável pelo bem-estar e pela evolução 
progressiva de todas as vidas e grupos de vidas dentro da constituição e da 
estrutura essencial do nosso planeta. 
Como bem se pode imaginar, a relação evocada é interplanetária e extra-
planetária; esses termos significam pouco para o discípulo comum que deve 
 137
aguardar até que o processo iniciático lhe propicie condições de avaliar claramente a 
situação. Nada se pode saber dessas últimas etapas; só na Câmara de Conselho de 
Shambala conhecem-se esses contatos e relações extra-planetários. Todavia, pode-
se captar o fato fundamental de que o meio para se estabelecer a relação e o 
contato é a SUBSTÂNCIA e que o efeito de tais relações, efetuado por esse meio, é 
o desenvolvimento, gradual e progressivo, dos três Aspectos divinos conhecidos por 
todos os esoteristas, além de outros que o próximo milênio revelará. Portanto, o fator 
contribuinte, dentro e sobre o nosso planeta, poderia ser considerado como os três 
principais centros dos Logos planetário: 
 
1. O Centro Coronário, Agente dinâmico do Propósito extra-planetário, 
expressão da Vontade planetária enfocada em Shambala. É a energia da 
Síntese, fonte de toda vida planetária; representa o Ser essencial. 
2. O Centro Cardíaco, Agente do Plano evolutivo. É a expressão do Amor divino 
ou da Razão pura, a Hierarquia. É essencialmente a energia de Atração, o 
reino das almas. 
3. O Centro Laríngeo, Agente de todos os três Aspectos em relação com os três 
reinos sub-humanos na natureza, e também expressão da Inteligência divina, 
a Humanidade. Esta é a energia da Mente ativa, que faz da humanidade o 
macrocosmo do microcosmo, os três reinos sub-humanos. A Humanidade é 
para esses reinos o que a Hierarquia é para o quarto reino da natureza, o 
reino humano. 
 
Esses são os elementos da ciência ocultista e \u2014 para estudantes como 
vocês \u2014 não contêm nada de novo. No entanto, eles devem ser considerados em 
 138
sua tríplice relação, se se quer captar com maior clareza do que agora o modo como 
atua a Vida Una. O objetivo de todo o esquema evolutivo consiste em levar esses 
três Centros a uma relação tão estreita que a síntese do Propósito divino possa 
atuar harmoniosamente em todos os níveis possíveis de consciência (observem bem 
essa frase). Se isto puder ocorrer, então, o Pensamento básico, a Proposição 
fundamental do Logos planetário, poderá finalmente, ser revelado ao homem. 
Gostaria de lembrar-lhes que a afirmação ocultista de que todo ser vivo ou 
vida manifestada \u2014 desde o Logos planetário até o mais ínfimo átomo \u2014 tanto foi, 
quanto é, ou será um homem. Isso se refere ao passado, ao presente e ao futuro de 
toda vida manifestada. Portanto, a realidade da existência da humanidade e o que 
esta representa constitui, provavelmente, o aspecto primeiro e principal do propósito 
divino. Detenham-se e reflitam sobre essa afirmação. Esse é, pois, o primeiro fato 
que indica claramente o alcance e a magnitude de um ser humano; e, até que nos 
sejam revelados consecutivamente outros dois fatos, não será possível avaliar 
corretamente os aspectos mais amplos do propósito de Sanat Kumara. Tudo que é 
sub-humano avança paulatinamente em direção a uma experiência humana 
definida; também pode estar atravessando a fase do esforço humano e sua 
conseqüente experiência, ou então já saiu dessa fase de limitação e \u2014 através da 
iniciação \u2014 está levando a natureza humana a um estado de divindade 
(empregando uma expressão bastante inadequada). 
Conseqüentemente, a nota chave do Senhor do Mundo é HUMANIDADE, 
pois esta é a base, a meta e a estrutura interna essencial de todos os seres. A 
própria Humanidade é a chave de todo processo evolutivo e da correta 
compreensão do Plano divino, que expressa, no tempo e no espaço, o Propósito 
divino. Não sabemos por que ELE quis que fosse assim, mas esse é um ponto que 
 139
deve ser aceito e lembrado ao se estudar a Ciência da impressão, pois é o fator que 
torna possíveis a relação e o contato, constituindo também a fonte de toda 
compreensão. Meus irmãos, essas coisas são muito difíceis de se expressar e de se 
discutir. Somente a intuição aguda pode esclarecer essas questões à sua ávida e 
ativa inteligência. 
Observar-se-á, no entanto, que ainda que chamemos um dos maiores 
centros de HUMANIDADE, sem dúvida, em última análise, todos os centros estão 
constituídos por vidas que progridem em direção à etapa humana, por unidades de 
vida que se encontram no estágio humano, e pelos que ultrapassaram esta etapa, 
mas que são dotados de todas as faculdades e de todos os conhecimentos 
plasmados na expressão humana, em esquemas planetários ou sistemas solares 
anteriores, ou através de nossa própria, definida e característica vida planetária. 
Essa uniformidade de experiências faz com que a arte de estabelecer o 
contato e a Ciência da impressão sejam inteiramente possíveis e normalmente 
eficazes. As grandes e onipotentes Vidas em Shambala podem impressionar as 
Vidas oniscientes e as vidas menores da Hierarquia porque Elas compartilham uma 
humanidade comum; os Trabalhadores ou Mestres e os Iniciados da Hierarquia 
podem, conseqüentemente, impressionar a humanidade devido à experiência e 
compreensão partilhadas; então, as vidas que compõem a família humana 
apresentam a meta aos reinos sub-humanos e podem \u2014 e realmente o fazem \u2014 
impressioná-los devido às tendências instintivas básicas que se manifestam no 
grupo humano, mas que são tendências instintivas latentes e habilidades potenciais 
dos três grupos sub-humanos. 
Esse ensinamento sempre esteve implícito nas doutrinas esotéricas, mas 
não tinha sido suficientemente enfatizado, devido ao grau de evolução da 
 140
humanidade. Hoje, o gênero humano progrediu de tal modo, que tem condições de 
aplicá-lo efetivamente. Gostaria de chamar-lhes a atenção para o fato de que essa 
foi a nota-chave da história do Evangelho: a natureza divina-humana do Cristo 
vincula-O ao Pai, através de Sua divindade essencial e também ao homem por meio 
de Sua humanidade essencial. A Igreja Cristã deu a esse ensinamento uma 
interpretação errônea ao apresentar Cristo como único, ainda que uma crítica severa 
(considerada tão chocante há cinqüenta anos atrás) tenha feito muito para corrigir 
essa falsa impressão. 
A característica proeminente da humanidade é a sensibilidade inteligente 
à impressão. Reflitam sobre essa afirmação definida e enfática. Afinal de contas, o 
trabalho da ciência consiste simplesmente em desenvolver o conhecimento sobre a 
substância e a forma; esse conhecimento permitirá à humanidade atuar 
oportunamente como principal agente impressor em relação aos três reinos sub-
humanos da natureza. Essa é a responsabilidade principal da humanidade. Esse 
trabalho de estabelecer relação consiste praticamente em desenvolver ou expandir a 
sensibilidade humana. Refiro-me aqui à sensibilidade à impressão da Hierarquia ou 
pela Hierarquia. 
O trabalho realizado através dos processos de iniciação tem como 
objetivo capacitar os discípulos e iniciados a receberem a impressão de Shambala; o 
iniciado é essencialmente um produto da fusão do treinamento religioso e científico; 
ele foi reorientado para certas fases da existência divina ainda desconhecidas do ser 
humano comum. Estou tentando esclarecer-lhes a síntese básica que subjaz a toda 
vida manifestada sobre o nosso planeta, assim como também à estreita interação e 
relacionamento que existem e sempre se expressam através da suprema ciência