INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E SANITÁRIAS  - Instalações Prediais de Água fria
142 pág.

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E SANITÁRIAS - Instalações Prediais de Água fria


DisciplinaInstalações Hidro-sanitárias206 materiais2.704 seguidores
Pré-visualização5 páginas
Peso acumulado = 4 x 40 = 160 
Vazão: (fig 1.5a)\u2026\u2026com o peso ac = 160, tem-se Q = 3,8 l/s e 
D = 50 mm ou 2\u201d 
Vel. e perda de carga unitária(J): (fig 1.8) \u2026com Q e D, tem-se V = 
1,9 m/s e J = 0,12 m/m 
Comprimento real = 7,5 m (tirado da planta) 
Perdas localizadas: 
Registro de gaveta de 2 ½\u201d (63 mm) 0,4 m 
Tê de 2 ½\u201d 2 x 4,16 = 8,32 m 
Tê de 2\u201d (50 mm) 3,33 m 
Total 12,05 m 
Comprimento total = 7,5 + 12,05 = 19,55 m 
Pressão disponível = 5,5 m 
Perda de carga total = 0,12 x 19,55 = 2,35 m 
 
Obs.: SEGUE O MESMO PROCEDIMENTO PARA OS DEMAIS 
TRECHOS 
Trechos F-G e G-H: 
Perda de carga localizada (comprimento equivalente) 
Tê de 1 ½\u201d (40mm) 2,50 m 
Trecho H-I: 
Curva raio longo de 1 ½\u201d 0,95 m 
Perda de carga unitária (J) 
Fig 1.8 
 
III \u2013 COLUNA 3 
Pesos unitários (Tab 1.3) 
VS (c/ VD) 40 
P 0.7 
F 0.1 
T 1.0 
CH 0.5 
Total 42.3 
 
Peso acumulado 
Trecho A-J: 4 x 42,3 = 169,2 
Na fig 1.5a com o peso ac. encontro Q e D 
Vel, na fig 1.8 com Q e D encontro J e V 
Comprimento equivalente (perda localizada) 
Trecho A-J (fig 1.13a e fig 1.13b) 
Reg de gaveta de 2 ½\u201d (63mm) 0,4 m 
Tê de 2 ½\u201d 3 x 4,16 = 12,48 m 
Curva de raio longo de 2\u201d 1,27 m 
Tê de saída de 2\u201d 3,33 m 
Total 17,48 m 
 
 
Trecho J-L 
Tê de 2\u201d 3,3 m 
Trecho L-M 
Tê de 1 ½\u201d 2,50 m 
Trecho M-N 
Curva de raio longo 1 ½\u201d 0,95 m 
VERIFICAÇÃO: 
Pressão estática em E 
5,5 + 3 + 3 + 3 = 14,5 m 
\u2211Perdas de carga até E: 2,33+1,26+0,84+1,02 = 5,45 m 
Pressão estática em em E: Pressão a jus de E + \u2211perdas = 
8,82+5,45 = 14,3 m OK! 
 
 
VERIFICAÇÃO: 
Pressão estática em I 
5,5 + 3 + 3 + 3 = 14,5 m 
\u2211Perdas de carga até I = 5,07 m 
Pressão a jus. de H-I = 9,43 m 
Pressão estática em em I: 9,43+5,07 = 14,5 m OK! 
 
VERIFICAÇÃO: 
Pressão estática em N 
5,5 + 3 + 3 + 3 = 14,5 m 
\u2211Perdas de carga até N = 3,12+0,57+0,99+0,43 = 5,11 m 
Pressão a jus. de M-N = 9,39 m 
Pressão estática em em N: 5,11+9,39 = 14,5 m OK! 
 
Engº Simon Bolivar M. Mendes 
3.0 \u2013 DIÂMETRO DO BARRILETE 
3.1 \u2013 DEFINIÇÃO 
É o cano que interliga as duas metades da caixa d\u2019água e de onde 
partem as colunas de água. 
3.2 \u2013 MÉTODO PARA O DIMENSIONAMENTO 
a) Método de Hunter 
b) Método das Seções Equivalentes 
 
 
a) Método de Hunter 
\uf0d8 Fixa-se a perda de carga em 8% (perda de carga unitária) 
\uf0d8 Calcula-se a vazão como se cada metade da caixa atendesse à 
metade das colunas 
\uf0d8 Com J e Q entra-se no ábaco de Fair-White-Hsiao e encontra-
se D. 
 
b) Método das Seções Equivalentes 
\uf0d8 Usa-se a tab. 1.9 \u2013 Seções Equivalentes 
\uf0d8 Considera-se que metade da caixa atenda à metade das 
colunas. 
Obs.: Este método às vezes encontra diâmetros um pouco 
exagerados. 
Exercício: Dimensionar o barrilete da figura 
Dados: 
Tubos de ferro fundido 
Vazões: 
Col 1 = 4,0 l/s 
Col 2 = 3,5 l/s 
Col 3 = 3,4 l/s 
Col 4 = 3,0 l/s 
Resp.: 
1o Método \u2013 Hunter 
Barrilete A-B, atende as colunas 1 e 2 
Barrilete C-D, atende as colunas 3 e 4 
Vazão em A-B = Vazão na col 1 + vazão na col 2 = 7,5 l/s 
Vazão em C-D = Vazão na col 3 + vazão na col 4 = 6,4 l/s 
Barrilete A-B: Com Q = 7,5 l/s e J = 0,08 m/m, entro no ábaco fig. 
1.8 e encontro D = 3\u201d 
Barrilete C-D: Com Q = 6,4 l/s e J = 0,08 m/m, entro no ábaco fig. 
1.8 e encontro D = 3\u201d 
 
 
 
2o Método \u2013 Seções Equivalentes 
Barrilete A-B: 
A col 1 tem D=2 ½\u201d logo, pela tab 1.9 tem-se 65,5 
A col 2 tem D=2\u201dlogo, pela tab. 1.9 tem-se 37,8 
65,5 + 37,8 = 103,3 que pela tab. 1.9, tem-se D = 3\u201d 
Barrilete C-D: 
A col 3 tem D=2\u201d logo, pela tab 1.9 tem-se 37,8 
A col 4 tem D=1 ½\u201dlogo, pela tab. 1.9 tem-se 17,4 
37,8 + 17,4 = 55,2 que pela tab. 1.9, tem-se D = 2 ½\u201d 
Obs.: Aconteceu do diâmetro encontrado do barrilete C-D ser menor 
que o diâmetro encontrado pelo Método de Hunter 
 
 
 
4.0 \u2013 DIÂMETRO DAS TUBULAÇÕES DE RECALQUE E SUCÇÃO 
4.1 \u2013 DEFINIÇÃO 
Recalque: É o encanamento que vai da bomba ao reservatório 
superior. 
Sucção: É o encanamento que vai do NA min do res. até a bomba 
- Pela NB-92/80, NBR-5626 o Qmin da bomba é igual a 15% a 
20% do consumo diário. 
- Admitindo 20%, a bomba deverá funcionar durante 5 horas 
para recalcar o consumo diário. 
- Exemplo: Se o consumo diário é 20 m3 a bomba terá que 
recalcar 4,0 m3/h (20/4 = 4 m3/h) 
4.0 \u2013 DIÂMETRO DAS TUBULAÇÕES DE RECALQUE E SUCÇÃO 
 
4.1 \u2013 DEFINIÇÃO 
Recalque: É o encanamento que vai da bomba ao res. Superior 
Sucção: É o encanamento que vai do NA mín do reservatório 
inferior até a bomba 
\u2022 Pela NB-92/80 o Qmin da bomba é igual a 15% do consumo 
diário. Como dado prático, considerar 20%, logo a bomba 
deverá funcionar durante 5 horas para recalcar o consumo 
diário. 
Ex.: Se o consumo diário é 20 m3 a bomba terá que recalcar 4,0 
m3/hora 
4.2 \u2013 DIÂMETRO DE RECALQUE 
\u2022 Fórmula de Bresse: D = 1.3(X1/4).Q1/2 
D = diâmetro em metros 
Q = vazão em m3/s 
X = número de horas de funcionamento da bomba/24 horas 
4.3 \u2013 DIÂMETRO DA SUCÇÃO 
Considera-se um diâmetro a mais 
Ex.: Sabendo-se que o consumo diário de um prédio é 68160 l, 
dimensione o diâmetro da tubulação de recalque. 
Resp.: 
No de horas de funcionamento da bomba: 5 horas/dia 
Vazão = 68160/5 = 13632 l/hora = 0,0038 m3/s 
D = 1,3 x (5/24)1/4 x Q1/2 
D = 0,052m = 52 mm 
Dadotado = 50 mm (2\u201d) 
D sucção = 63 mm (21/2\u201d)\u2026\u2026\u202675mm 
 
5.0 \u2013 ESCOLHA DA BOMBA DE RECALQUE 
Com os valores de altura manômetrica e vazão, escolhe-se a 
bomba adequada. 
\u2022 Potência do motor 
P = 
\u194.\ud835\udc34\ud835\udc40\ud835\udc47.\ud835\udc44
75.\u3b7
 
P = potência em CV 
AMT = altura manômetrica total em metros 
Q = vazão em \ud835\udc5a3/s 
\u3b7 = rendimento do conj motor-bomba 
\u194= peso específico da água = 1000 kg/\ud835\udc5a3 
 
BOMBAS 
Potência instalada 
Admitir, na prática, uma certa folga para os motores elétricos. 
Acréscimos: 
50% para as bombas até 2 CV 
30% para as bombas até 2 a 5 CV 
20% para as bombas até 5 a 10 CV 
15% para as bombas até 10 a 20 CV 
10% para as bombas de mais de 20 HP 
Potência dos motores elétricos fabricados no Brasil; 
CV ¼, 1/3, ½, ¾, 1, 11/2, 2, 3, 5, 6, 71/2, 10, 12, 15, 20, 25, 
30, 35, 40, 45, 50, 50, 80, 100, 125, 150, 200 e 250 
Obs.: Para potências maiores os motores são fabricados 
sob encomenda. 
Dimensionar um conjunto motor-bomba centrífuga para recalcar 
a água do reservatório inferior para o res superior de um edificio 
residencial de 10 pav com os seguintes dados. 
Consumo diário + incêndio: 60000 l 
Altura de sucção 2,0 m 
Altura de recalque 40,0 m 
Comprimento da sucção 3,0 m 
Comprimento do recalque 62,0 m 
\u2022 Usar tubos de ferro galvanizado 
\u2022 Rendimento do conj. motor-bomba: 50% 
Resp.: 
a) Cálculo dos diâmetros de recalque e sucção 
No de horas de funcionamento da bomba = 5 
Vazão horária: 60000/5 = 12000 l/h = 0,00333 m3/s 
D = 1,3. 5/244 . 0,00333 = 1,3 x 0,67 x 0,0577 = 0,05m =50mm 
Drecalque = 50 mm (2\u201d) 
Dsucção = 63 mm (21/2\u201d) 
 
b) Cálculo do comprimento equivalente na sucção 
Fig 1.13a e Fig 1.13b 
1 válvula de pé 17,0 m 
1 curva de 90o 1,68 m 
2 joelhos 2x2,35 4,7 m 
2 registros de gaveta 2x0,4 0,8 m 
1 tê de saída bilateral 4,16 m 
TOTAL 28,34 m 
Comprimento da sucção 3,00 m 
TOTAL 31,34 m 
c) Cálculo da perda de carga unitária na sucção (J) 
Com D=21/2\u201d e Q=3,33 l/s, entro no ábaco de Fair Whipple (fig 
1.8) e encontro: J = 0.029 m/m e V = 1,0 m/s 
d) Perda de carga total na sucção (hs) 
Perda de carga total (hs) = 0,029 x 31,34 = 0,91 m 
e) Comprimento