Aula Cerrado
65 pág.

Aula Cerrado


DisciplinaBiogeografia884 materiais11.381 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Cerrado 
Cerrado 
\u2022 Segundo maior bioma brasileiro 
\u2022 Recursos hídricos: nascentes dos 
principais rios das bacias Amazônica, da 
Prata e do São Francisco 
\u2022 
 
 
 
Um dos ambientes mais 
ameaçados do mundo ... 
\u2022 2 milhões de km² de vegetação nativa 
restam apenas 20% 
\u2022 Hotspot de biodiversidade 
\u2022 Dos 204 milhões de hectares originais, 
57% já foram completamente destruídos 
\u2022 1,5% ou três milhões de hectares/ano - 
2,6 campos de futebol/minuto 
Características Gerais 
\u2022 Fisionomia 
 
\u2022 Clima 
 
\u2022 Solo 
 
\u2022 Diferentes paisagens 
 
Adaptações das Plantas 
Solo: Adaptação ao solo de savana 
tropical, deficiente em nutrientes e 
rico em ferro e alumínio. 
 
 
 
 
Clima: Típico de regiões 
tropicais, o cerrado 
apresenta duas estações 
bem marcadas: inverno 
seco e verão chuvoso. 
Adaptações das Plantas 
Morfologia: 
 Folhas: coriácias, 
caducifolias 
 
 Caule: Suberosos e 
retorcidos 
 
 Raizes: 10 a 15m de 
profundidade, muitas 
plantas com bulbos 
A Temperatura do Ar e do Solo: 
No ar: 800ºC ou mais; 
 
No solo: isolante 
 térmico. 
 
Fogo no cerrado 
Fogo no cerrado 
A Transferência de Nutrientes: 
 
Parque Nacional das Emas, com 131.832 ha de 
Cerrado, queimados 1994, perdeu para a atmosfera 
algo em torno de: 
3.000 T Nitrogênio, 
220 T de Fósforo, 
1.000 T de Potássio, 
1.800 T de Cálcio, 
400 T de Magnésio, 
450 T de Enxôfre, 
Totalizando cerca de 6.800 T de 
nutrientesminerais sob forma elementar. 
Fisionomia e Estrutura da Vegetação 
 
\u2022 mortes de sucessivas gemas terminais e 
brotamento de gemas laterais; 
\u2022 A espessa camada de súber ; 
Fogo no cerrado 
O Rebrotamento e a Floração 
 
eliminação total das partes aéreas das plantas; 
o fogo sincroniza este processo em todos os 
indivíduos da população, facilitando assim, a 
polinização cruzada. 
Fogo no cerrado 
A Dispersão de Sementes e a Germinação 
 
Anemocoria; 
Quebra de dormência; 
Espécies pirofíticas. 
 
 
Fogo no cerrado 
Domínios 
\u2022 Grande área geográfica, predominam características 
morfoclimáticas e fitogeográficas distintas daquelas 
predominantes nas demais áreas. 
\u2022 Domínio \u2260 Bioma: O Domínio e mais abrangente 
englobando vários biomas e o Bioma e o ecossistema 
é característico de determinado local. 
\u2022 O Bioma do Cerrado é terrestre, já o Domínio Cerrado 
predomina o Bioma Cerrado porém existem outros 
biomas (não predominantes, encraves, penetrações). 
Aspectos Gerais 
\u2022 A vegetação do Bioma Cerrado (sensu lato) não possui 
uma fisionomia única. 
\u2022 Apresenta desde formas campestres bem abertas, até 
densas e florestais, existindo uma gama de formas 
intermediárias de um extremo ao outro. 
\u2022 Distingue-se dois estratos: o estrato lenhoso (árvores e 
arbustos) e o estrato herbáceo (ervas e subarbustos). 
\u2022 O Cerrado apresenta-se como um mosaico de formas 
fisionômicas, determinado por: 
\u2013 manchas de nutrientes do solo; 
\u2013 irregularidade dos regimes e características das queimadas de 
cada local (freqüência, época, intensidade); 
\u2013 ação humana. 
Caracterização (Ambiente Brasil S/S Ltda) 
\u2022 Depende do adensamento e condições edáficas da 
vegetação. 
 
\u2022 Cerrado Sentido Amplo (lato senso): 
 
1) Campo Limpo 
2) Campo Sujo 
3) Cerrado Sentido Restrito (stricto senso) 
- Campo Cerrado 
- Cerrado Rupestre 
4) Campo Rupestre 
5) Cerradão 
 
\u2022 TIPOS ASSOCIADOS A CURSOS D'ÁGUA. 
Fitofisionomias 
 Campo Limpo 
 
\u2022 Fitofisionomia herbácea, poucos arbustos e 
nenhuma árvore. 
\u2022 Comumente encontrado junto à veredas, olhos 
d'água, encostas e chapadas. 
\u2022 Vegetação composta quase exclusivamente de 
gramíneas e ciperáceas. Pode-se encontrar um 
ou outro arbusto, mas estes são raros e muito 
espaçados entre si. 
\u2022 Rico em espécies ornamentais. 
Espécies 
\u2022 Ricas em espécies herbáceas ornamentais. 
Rhynchospora speciosa 
Lavoisiera bergii (pinheirinho-roxo) 
Campo Sujo 
\u2022 Fitosionomia herbáceo-arbustiva. 
\u2022 Dominado por gramíneas e com arbustos 
e subarbustos espaçados entre si. 
\u2022 Os poucos arbustos e árvores ocorrem 
agrupados em pequenas ilhas. 
Espécies 
Epistephium sclerophyllum (orquídea-terrestre) 
Vellozia flavicans (canela-de-ema) 
Cerrado strictu sensu 
\u2022 Fitofisionomia característica do bioma 
Cerrado. 
\u2022 Árvores baixas e retorcidas, arbustos, 
subarbustos e ervas distribuídos de forma 
esparsa em solo coberto por gramíneas. 
\u2022 Plantas com casca corticeira, folhas 
grossas, coriáceas e pilosas - Proteção do 
fogo. 
Fitofisionomias Próximas 
\u2022 Campo Cerrado: vegetação mais baixa e as 
árvores mais espaçadas com predomínio de 
arbustos de várias espécies. 
 
\u2022 Cerrado Rupestre: de constituição arbórea, 
arbustiva e herbácea, que ocorre em ambientes 
rupestres. Os solos são rasos, com 
afloramentos rochosos e pobres em nutrientes. 
Espécies 
\u2022 No estrato arbóreo-arbustivo: Wunderlichia crulsiana 
(flor-do-pau), Didymopanax spp (mandiocão), Tabebuia 
spp (ipês), Vellozia spp (canela-de-ema, candombá) e 
Mimosa regina, Kielmeyera spp (pau-santo), Magonia 
pubescens (tingui), Callistene spp (pau-jacaré) e Qualea 
parviflora (pau-terra-de-folha-miúda). 
 
 
\u2022 No estrato herbáceo encontram-se: Rhynchospora 
globosa (amarelão), Paepalanthus acanthophylus 
(chuveirinho), Paepalanthus eriocauloides (mosquitinho), 
Echinolaena inflexa (capim-flexina), Loudeotiopsis 
chrysothryx (brinco-de-princesa), Xyris schizachne 
(pimentona), Xyris hymenachne (pimentinha-prateada), 
Lagenocarpus rigidus tenuifolius (capim-arroz). 
\u2022 Anemopaegma arvense (catuaba): medicinal 
\u2022 Hymenaea stigonocarpa (jatobá-do-cerrado): alimentação, 
medicinal, madeira. 
\u2022 Caryocar brasiliense (pequi): Alimentação. 
\u2022 Byrsonima verbascifolia (murici): alimentação, medicinal, 
madeira. 
\u2022 Stryphnodendron adstringens (barbatimão): medicinal. 
\u2022 Tabebuia aurea (ipê-amarelo): ornamental. 
Caryocar brasiliense 
Tabebuia aurea 
Campo Rupestre 
\u2022 Ocorre sobre topos de serras e chapadas 
de altitudes superiores a 900m com 
afloramentos rochosos. 
\u2022 Predominam ervas e arbustos, podendo 
ter arvoretas pouco desenvolvidas. 
\u2022 Topografia acidentada com pouco solo, 
geralmente raso, ácido e pobre. 
\u2022 Alto grau de endemismo. 
Espécies 
\u2022 Wunderlichia spp (flor-do-pau), Bulbophyllum rupiculum 
(orquídea), Xyris paradisiaca (pirecão) e Paniculum 
chapadense (gramínea). 
Bulbophyllum rupiculum 
\u2022 Formação florestal que apresenta 
elementos xeromórficos. 
\u2022 Caracteriza-se pela composição mista de 
espécies comuns ao Cerrado s.s., à Mata 
de Galeria e à Mata Seca. 
\u2022 Solos mistos. 
 
 
Cerradão 
Espécies 
\u2022 Caryocar brasiliense (pequi), Kielmeyera coriacea (pau-
santo) e Qualea grandiflora (pau-terra), Agonandra 
brasiliensis (pau-marfim), Callistene fasciculata (faveiro), 
Stryphnodendron adstringens (barbatimão), Copaifera 
langsdorfii (copaíba), Magonia pubescens (tingui), Xilopia 
aromatica (pindaíba). 
 
\u2022 Quanto ao estrato herbáceo, são freqüentes os gêneros 
de gramíneas: Aristida, Axonopus, Paspalum e 
Trachypogon. 
Outras fisionomias associadas 
\u2022 Mata Seca ou Mata Mesofítica: formações 
florestais situadas em solos de boa qualidade. 
Presença de grande quantidade de madeira-de-
lei. 
 
\u2022 TIPOS ASSOCIADOS A CURSOS D'ÁGUA: 
\u2013 Mata de Galeria acompanha os córregos e riachos. 
\u2013 Mata Ciliar acompanha os rios de médio e grande 
porte. 
\u2013 Veredas encontradas sobre solos hidromórficos e 
circundadas por Campo Limpo,