Cury   Inteligencia Multifocal
405 pág.

Cury Inteligencia Multifocal


DisciplinaPsicologia63.428 materiais446.143 seguidores
Pré-visualização50 páginas
uma variável intrapsíquica influenciada psicodinamicamente por
variáveis de origem genética, socioeducacional e intrapsíquica. Apesar da importância da
ansiedade vital na construção da inteligência, eu me restringirei apenas a esta abordagem
sintética sobre ela.
O FENÔMENO DO AUTOFLUXO E SUA RELAÇÃO COM A
ANSIEDADE VITAL
O autofluxo é uma palavra conjugada que aqui significa
um fluxo por si mesmo, um fluxo espontâneo e contínuo. Fenômeno do autofluxo é uma
expressão que representa um
conjunto de fenômenos que atua nos bastidores da mente humana e que financia um fluxo
espontâneo e inevitável da energia psíquica, gerando continuamente uma produção de
pensamentos, idéias, motivações, emoções. A energia
psíquica está continuamente fluindo ou se transformando na forma de pensamentos e emoções.
Cada pensamento e
emoção produzida no campo da energia psíquica se
desorganiza e se reorganiza continuamente em outros pensamentos e emoções.
Ninguém consegue interromper a transformação da
energia psíquica. Ela sofre a ação contínua e inevitável do fenômeno do autofluxo. É
impossível interromper a produção de pensamentos. Todos viajam nas avenidas dos
pensamentos e se desligam, ainda que por instantes, do mundo concreto. Os juízes viajam
enquanto julgam os réus. Os psicoterapeutas, por mais atentos que sejam, viajam enquanto
atendem seus pacientes. Os cientistas viajam enquanto pesquisam. As crianças viajam no
mundo dos seus
sonhos. Os idosos, nas trajetórias do seu passado.
Alguns viajam muito, estão sempre flutuando nos seus pensamentos. Outros viajam menos, mas
mesmo assim
fazem constantes viagens intelectuais. Uns sofrem muito com seus pensamentos traumáticos,
outros se alegram com suas
idéias, pois elas estimulam seus projetos. Uns pensam e logo se concentram nas suas tarefas.
Outros pensam tanto que se desligam do que estão fazendo, por isso têm grande déficit de
concentração e, conseqüentemente, se esquecem facilmente dos fatos cotidianos. Todavia,
esse déficit de memória não é
neurológico, mas psicodinâmico, portanto não é grave. Ele é
fruto apenas da hiperprodução de pensamentos, situação que ocorre quando alguém vive
intensamente o fenômeno do
autofluxo. As pessoas hiperativas e as estressadas
freqüentemente apresentam esse déficit de memória
psicodinâmico.
Comentei que a psique humana é um campo de energia
psíquica que sofre um fluxo vital contínuo de transformação essencial; por isso tenho falado
que, da aurora da vida fetal até o último suspiro da existência, todos vivemos uma revolução
da construção das idéias e uma usina
psicodinâmica de emoções. O fenômeno do autofluxo
contribui decisivamente para gerar o fluxo vital da energia psíquica.
A ansiedade vital é uma variável intrapsíquica que participa do fenômeno do autofluxo. A
ansiedade vital está
ligada psicodinamicamente também a outras variáveis
intrapsíquicas, tais como o fenômeno da auto-checagem da memória, a âncora da memória, o
eu, etc.
O fenômeno do autofluxo é um fenômeno intrapsíquico que ocupa um lugar de destaque como
mordomo da mente. Ele é responsável pela leitura da história intrapsíquica, pela
reorganização do caos da energia psíquica, pela construção inconsciente das idéias e,
conseqüentemente, pela educação, orientação e organização do eu. Quem forma o "eu" não é a
educação escolar e familiar, como até hoje pensávamos, mas principalmente o fenômeno do
autofluxo. A educação social apenas dá um pequeno empurrão num processo belo e inevitável.
Milhares de pensamentos são produzidos por dia no
palco da mente de um bebê, através das leituras do fenômeno do autofluxo. Num ano são
milhões. Cada
pensamento é registrado automaticamente pelo fenômeno RAM, tornando-se um pequeno e
precioso tijolo da
arquitetura do "eu". Quando uma criança de três anos diz que tem medo de ficar num quarto
fechado, esta pequena reação fóbica não é produzida apenas pela palavra medo, mas pela
consciência do medo, uma consciência que é gerada pela leitura instantânea de milhares de
informações contidas na sua memória, ligadas à ausência de sua mãe,
insegurança, sentimento de solidão, vazio, angústia.
Os computadores jamais sentirão medo e solidão, mas o
homem, por desenvolver a consciência de si mesmo, por possuir um "eu", sentirá e terá
consciência dessas emoções. Os computadores são mais lógicos do que o homem, mas o
homem é indescritivelmente mais complexo do que eles. Até a memória humana é mais
complexa que a dos computadores.
No homem ela não é lida por índice, mas por conteúdos seletivos.
O ciclo de construção do campo de energia psíquica, expresso pela organização, pelo caos e
reorganização da construção dos pensamentos é, freqüentemente, muito mais rápido do que o
ciclo fisico-químico da construção. Uma casa de alvenaria demoraria décadas ou séculos para
se submeter completamente ao caos fisico-químico e ser incorporada à
terra e, a partir daí, participar de outras estruturas físicas. De outro lado, como vimos, as
idéias, os pensamentos, as análises, a ansiedade, o prazer, as reações fóbicas, etc, embora
sejam construções psicodinâmicas extremamente
complexas, vivem o caos em segundos ou frações de segundos para, em seguida, serem
reorganizadas em novos microcampos de energia psíquica, que definimos como novas
emoções, motivações e matrizes de pensamentos essenciais. Se o campo de energia psíquica
não passasse, milhares
de vezes ao dia, por um "ciclo de construção psicodinâmico" extremamente rápido, não seria
possível desorganizar a estrutura psicodinâmica intrínseca dos pensamentos, das emoções e
das motivações e reorganizá-las novamente em outras construções psicodinâmicas. Sem a
sofisticação e rapidez do "ciclo de construção psicodinâmico" não seríamos o que somos. O
homem, como vimos, não seria o complexo e
sofisticado Homo intelligens, não desenvolveria sua personalidade nem construiria história e
uma identidade psicossocial, pois sua mente não viveria sob o regime de uma construção
inevitável de idéias e de transformações da energia emocional e, conseqüentemente, não
experimentaria diariamente um conjunto de pensamentos antecipatórios, de análises, de
sínteses, de resgates de experiências passadas, de prazer, de angústia, de ansiedade, de
insegurança, de desejo, de impulso.
Reitero,
o
fenômeno
do
autofluxo
participa
decisivamente do "ciclo psicodinâmico da construção" da mente,
participa
decisivamente
da
construção
de
pensamentos e de experiências emocionais. O fenômeno do autofluxo não apenas participa da
leitura da memória, mas ele mesmo é multifocal, pois é composto de um conjunto de
fenômenos ou de variáveis intrapsíquicas da mente. Entre as variáveis que participam da
composição e ação psicodinâmica do fenômeno do autofluxo está a ansiedade vital, o
fenômeno da psicoadaptação, a energia emocional.
A energia psíquica jamais pára de se transformar. Todos
sabemos que produzimos milhares de pensamentos
diariamente. Se nos interiorizarmos e fizermos uma análise desses pensamentos, verificaremos
que apenas uma pequena
parte desses pensamentos foi produzida debaixo do
gerenciamento do eu. Quem, então, é responsável pela produção clandestina de pensamentos
que ocorre na mente humana? Diversos fenômenos, dos quais o fenômeno do autofluxo é o
mais importante. Ninguém consegue interromper a construção dos pensamentos e as
transformações da energia emocional, porque ninguém consegue interromper a atuação
psicodinâmica do fenômeno do autofluxo. O homem
(a psique) vive para pensar e pensa para viver. Pensar não é
uma opção do homem; pensar é o seu destino inevitável. A opção do homem ocorre apenas no
que tange ao
gerenciamento da construção inevitável dos pensamentos.
O fenômeno do autofluxo lê multifocalmente a história intrapsíquica, produzindo em grande
parte do processo existencial